Mais Lidas

Início das investigações

Pedido de abertura de impeachment está sendo lindo na Câmara dos Deputados

Em seguida será lida a decisão do deputado Eduardo Cunha

acessibilidade:

O primeiro Secretário da Câmara dos Deputados Beto Mansur (PRB) está lendo em plenário o pedido de abertura do processo de Impeachment contra a presidente da República Dilma Vana Rousseff.

A previsão é que após a leitura do primeiro secretário, seja lida a decisão do presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB) de autorizar a abertura do processo. Com isso é deflagrada oficialmente o início das investigações que podem resultar no afastamento de Dilma da Presidência.

Foram detalhados os resultados das investigações da Operação Lava Jato, que mostram a existência de um cartel de empreiteiras agindo na Petrobras, assim como os problemas fiscais dos governos de Dilma Rousseff.

O texto afirma ser pouco crível que a presidente não tivesse conhecimento dos escândalos no âmbito da Petrobras. Afirmando que a estratégia do “não sei, não vi” não passa de um “modus operandi”. Sendo assim tudo comprova que Dilma agiu com dolo, pois mesmo depois de alertada sobre as irregularidades, não agiu e isso não pode ser mera negligência.

É dito que “golpe” seria permitir que o atual estado de coisas continue. Ressaltando que as metas da Lei de Diretrizes Orçamentárias não foram cumpridas pelo governo.

Também há no documento a menção do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, quando Cunha afirma que o país foi “iludido” com a versão de que Lula seria um promotor do país no exterior, pois segundo a Lava Jato isso só serviu para sangrar os cofres públicos.

Alega que Lula é muito mais que um ex-presidente e, de fato, nuca saiu do poder, segundo declarações da própria Dilma. Citando a imprensa, que Dilma na prática já passou o governo para Lula, no que seria um terceiro mandato.

Foram listadas as supostas práticas fiscais ilegais do governo, “as pedaladas fiscais” conforme foi apurado pelo Tribunal de Contas da União (TCU). Afirmando que o princípio de Maquiavel, “os fins justificam os meios” foi usado pelo governo no caso.

Uma comissão será criada para analisar o mérito das denúncias e preferir parecer pela continuidade ou não do processo de impeachment.