Agenda da semana

Parcelamento de impostos e MPs estão na pauta do Senado

acessibilidade:

O parcelamento de débitos tributários para empresas pode ter sua aprovação final nesta semana. O chamado Refis da Crise incluía dívidas existentes até 2008, como forma de ajudar as empresas afetadas pela crise internacional. A Medida Provisória 638 estendeu o programa a dívidas que venceram até 31 de dezembro de 2013 e fixou em 31 de agosto deste ano o prazo para novas adesões.

Embora as MPs comecem a valer como lei a partir do momento em que são editadas, precisam de aprovação pela Câmara dos Deputados e o Senado. De acordo com o texto, o devedor com dívida de até R$ 1 milhão terá que pagar 10% do valor total na adesão. Se a dívida for acima de R$ 1 milhão, a empresa deverá pagar 20%. Em ambos os casos, o pagamento pode ser feito em até cinco parcelas. Com a reabertura do Refis, o governo espera arrecadar R$ 12,5 bilhões.

Além da MP do Refis, mais duas medidas provisórias trancam a pauta do Plenário. Outras três MPs aprovadas pela Câmara devem ser lidas no início da semana, totalizando seis medidas que têm de ser aprovadas para que projetos de lei sejam votados. Todas as MPs precisam ser votadas até o dia 2 de julho para que não percam a validade.

Uma das medidas que já trancam a pauta é a MP 635, que ampliou o auxílio financeiro recebido por agricultores atingidos pela seca e outros desastres em 2012. A MP 633 trata da ampliação em R$ 80 bilhões do limite disponível para subvenções da União a financiamentos concedidos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) a setores produtivos.

Entre as MPs que chegarão da Câmara está a que isenta os importadores de álcool do pagamento do PIS/Pasep-importação e da Cofins-importação (634). Também devem chegar ao Senado a MP 636,  que trata de dívidas de assentados da reforma agrária e concede linha de crédito para famílias incluídas no Programa Nacional de Reforma Agrária (PNRA), e a MP 632, que reajusta salários de algumas carreiras do Executivo e prorroga o funcionamento da Comissão Nacional da Verdade.

Reportar Erro