Disputa interna

Michel Temer faz acordo e ficará no comando do PMDB

Definição foi acertada com Renan após troca de acusações

acessibilidade:

Enfim, o vice-presidente Michel Temer, presidente do PMDB, conseguiu acordo para permanecer à frente do partido. Mesmo após uma série de acusações públicas entre Temer e o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB- AL), foi justamente com o senador que o presidente do PMDB teve garantias de uma única chapa na convenção partidária, marcada para março.

No fim do ano passado, Renan chegou a articular com aliados o lançamento de uma chapa para disputar contra o atual presidente do PMDB, no cargo desde 2001. Os aliados do presidente do Senado reclamavam que Temer teria se aliado ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para patrocinar o impeachment da presidente Dilma Rousseff, de quem Renan é aliado, e alijou os senadores do partido da discussão.

Em troca, o grupo peemedebista ligado a Renan dividirá com aliados de Temer os principais cargos da Executiva da legenda.

Um dos motivos da desistência de Renan à disputa do PMDB é a Operação Lava Jato. Pessoas ligadas ao presidente do Senado já haviam admitido que o avanço da investigação contra o peemedebista dificultava a viabilização de um nome para rivalizar com o atual presidente do partido. Renan é alvo de seis inquéritos da operação e o nome mais cotado para concorrer contra Temer, o senador Romero Jucá (PMDB-RR), atual 3º vice-presidente do partido, também é investigado na operação. Jucá deve ficar como 1º vice-presidente do partido, cargo hoje ocupado pelo senador Valdir Raupp (PMDB-RO).

Reportar Erro