Mais Lidas

Trânsito

Lobby faz a Câmara ameaçar segurança no trânsito vetando simulador

Câmara vota projeto que desautoriza ato do Contran e veta simuladores

acessibilidade:

A Câmara dos Deputados cedeu ao lobby e a interesses nebulosos para desautorizar e anular, com um projeto de decreto legislativo (PDC), a determinação do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) de obrigatoriedade de simuladores na formação de motoristas. Além do lobby das auto-escolas, que não querem ou se recusam a investir na qualidade da formação de condutores de veículos, há a suspeita de que o PDC decorre de uma chantagem a empresas do setor.

Especialistas defendem a tecnologia que é controlada por biometria e câmeras de monitoramento. A novidade criada pelo Contran foi adotada em diversos países, onde infrações do trânsito sofreram redução superior a 50 por cento. O objetivo do Contra é também dificultar a farra de venda de habilitação. A alegação de lobistas e de auto-escolas, encampadas por alguns deputados, lembra a resistência, há 20 anos, ao uso obrigatório do cinto de segurança, com idêntica falácia de “aumento de custos”.

A ameaça da Câmara dos Deputados, que pode ser consumada na próxima semana, contraria o Código Brasileiro de Trânsito que a própria casa legislativa aprovou, criando o Contran e atribuindo ao órgão o poder de estabelecer regras destinadas a diminuir as infrações, os acidentes e as vítimas do trânsito.

Pelas regras atuais, antes dos simuladores, as auto-escolas apenas ensinam como obter habilitação de motorista, e não a dirigir com segurança. Nenhum candidato a motorista, por exemplo, recebe instruções de como se comportar em estradas, mas, uma vez com a Carteira Nacional de Habilitação no bolso, está apto a trafegar em rodovias movimentadas, com características de condução bem diferentes das cidades.

A esperança dos especialistas em trânsito é que a presidenta Dilma Rousseff – que testemunhou um simulador no Salão do Automóvel de São Paulo, elogiando-o – acione os líderes dos governistas para barrar a insanidade proposta pelo projeto de decreto legislativo.