Mais Lidas

Terror em Paris

Considerada perigosa, mulher de atirador teria ido para Síria

Autoridades descrevem Boumeddiene como uma pessoa perigosa

acessibilidade:

Autoridades francesas acreditam que Hayat Boumeddiene, a namorada de um dos atiradores que morreu durante incursão policial para conter ataque a uma loja kosher na sexta-feira, deixou a França um dia depois do Ano Novo e chegou à Síria, disseram fontes familiarizadas com o assunto neste domingo.

A polícia está em busca de Boumeddiene desde que seu parceiro, Amedy Coulibaly, foi identificado como suspeito de atirar em uma policial na quinta-feira e invadir uma mercearia kosher em Paris na sexta-feira, deixando quatro reféns mortos.

A jovem casou-se com Coulibaly em uma cerimônia islâmica não reconhecida pelo governo francês, que utiliza o nome de solteira de Hayat para se referir a ela durante as buscas. Autoridades da França descreveram Boumeddiene como uma pessoa perigosa que tem treinamento para usar armas de fogo.

Boumeddiene teria deixado a França em 2 de janeiro, conforme as mesmas fontes, antes de a capital francesa ser mergulhada em uma onda de violência de três dias que começou com o ataque à revista satírica Charlie Hebdo na quarta-feira.

As fontes disseram ainda que ela chegou à Síria a partir da Turquia. Não está claro se Boumeddiene foi para a Síria para se juntar a um dos grupos radicais islâmicos que lutam na guerra civil.

O Ministério da Justiça francês emitiu na sexta-feira alerta de procurados por Boumeddiene e Coulibaly pela ligação com o assassinato de uma policial perto de Paris na quinta-feira e o ataque à Charlie Hebdo na quarta-feira. Mas as autoridades do país disseram ontem que não havia indicação de que Boumeddiene estava presente no cerco à mercearia. (Fonte: Dow Jones Newswires)