Mais Lidas

Bolívia

Escândalo de tráfico de influência pode derrotar Evo Morales em plebiscito

'Affair' de Evo ganhou contratos de US$576 milhões no governo

acessibilidade:

Os escândalos provocados pelo relacionamento com a executiva Gabriela Zapata Montaño pode custar ao cocaleiro Evo Morales a derrota no plebiscito marcado para o próximo domingo (21), que pretende abrir as portas para que o dirigente populista se eternize na presidência da Bolívia.

Gabriela tinha 18 anos quando ingressou em Cochabamba na juventude do Movimento ao Socialismo (MAS), o partido de Evo Morales, durante sua campanha eleitoral de 2005. A relação entre eles, iniciada nessa época, perdurou até 2007, quando nasceu um filho que acabaria morrendo de causa não revelada.

Eles se reaproximaram e a imprensa boliviana logo descobriu que a moça virou gerente comercial de uma empresa chinesa, a CAMC, e em seguida assinou sem dificuldades sete contratos com o governo da Bolívia no valor de US$576 milhões.

Evo Morales admitiu a retomada do seu relacionamento com a moça, mas negou as acusações de tráfico de influência. Como tantos outros dirigentes flagrados em atitudes suspeitas, como seu amigo Luiz Inácio Lula da Silva, ex-presidente do Brasil, o presidente boliviano atribui as acusações à oposição.

O plebiscito de domingo vai decidir se o cocaleiro populista poderá se candidatar a novo mandato em 2019, para governar entre 2020 e 2015. Mas pela primeira vez ele corre o risco de derrota, após jactar-se de um favoritismo que daria a ele 70% das intenções de voto.

Gabriela chegou a se casar, teve uma filha e passou trabalhar em empresas internacionais, sendo uma delas vinculada ao ex-presidente paraguaio Fernando Lugo, amigo de Evo Morales e também ligado à companhia chinesa que conseguiu contratos de valores superiores a meio bilhão de dólares com o governo boliviano.