EUA recuam

Encontro com chinês faz americano buscar solução diplomática

Joe Biden queria resposta coordenada contra a China, mas voltou atrás

acessibilidade:

Durante a visita ao leste asiático, o vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, voltou a criticar a postura chinesa de criar uma ?zona aérea de defesa e de identificação? unilateralmente. De acordo com Biden, a atitude só contribui para o aumento da tensão e a China precisa entender o seu papel na região. ?Enquanto a economia da China cresce, a responsabilidade para garantir a estabilidade regional também aumenta” afirmou o americano.

Biden disse ao premier japonês, Shinzo Abe, que seria necessária uma resposta coordenada à ação chinesa, mas voltou atrás após o encontro de cinco horas com o presidente da China, Xi Jinping, e preferiu a diplomacia. O Ministério da Defesa chinês, disse em nota, que China respeita a posição dos americanos, mas reiterou que a criação da zona “está de acordo com as leis internacionais”.

O governo chinês passou a exigir a identificação prévia de aeronaves que sobrevoam a região das ilhas Senkaku, que são disputadas entre Japão, China e Taiwan, além de uma ilha rochosa cuja soberania é reivindicada pela Coreia do Sul.