Mais Lidas

SEGUNDO O DATAFOLHA

Doria tem aprovação recorde em São Paulo e descarta disputar 2018

43% aprovam Doria e 55% querem prefeito tucano fora de 2018

acessibilidade:

O eleitor paulistano aprova a administração do prefeito de São Paulo, mas não quer que João Doria (PSDB) seja candidato em 2018. Essas são as principais conclusões da pesquisa do Datafolha divulgada nesse sábado (8) pelo site do jornal Folha de S.Paulo. O prefeito entende o cenário ainda precoce para avaliar candidatura para 2018 e ressaltou que não é candidato a presidente ou a governador; discurso com que 55% dos paulistanos concorda.

Prestes a completar 100 dias de governo, nesta segunda-feira (10), Doria colheu 43% de aprovação recorde e 20% de reprovação. Números que são resultado de suas mais de 80 aparições nas ruas e mais de 90 encontros com empresários, fora as agendas com políticos. 

O Datafolha ouviu 1.067 pessoas com 16 anos ou mais, entre quinta (6) e sexta-feira (7), na cidade de São Paulo. A margem de erro da pesquisa é de três pontos percentuais, para mais ou para menos.

Em entrevista gravada na quinta-feira (6) e publicada neste domingo (9) no G1, Doria demonstrou que já tinha conhecimento de que mais da metade dos paulistanos (55% segundo o Datafolha) não quer que ele seja candidato em 2018.

“Não sou candidato à Presidência da República, não sou candidato a governador, sou candidato a ser prefeito, um bom prefeito, como modéstia à parte tenho sido nesses três meses”, disse Doria, ao citar o Instituto Paraná Pesquisas e os 70% de aprovação medidos em seu último levantamento.

Veja os números do Datafolha sobre a avaliação da gestão do prefeito João Doria:

– Ótimo/bom: 43%

– Regular: 33%

– Ruim/péssimo: 20%

– Não sabe: 4%

ALTOS E BAIXOS

Marketing está presente na agenda pública do tucano (Foto: Fábio Arantes)Apesar do recorde de aprovação, desde fevereiro, o percentual de pessoas que rejeitam a gestão Doria subiu de 13% para 20%. E a aprovação teve leve queda, saindo de 44% para 43%.

A reprovação de João Doria supera os 14% de rejeição registrada nos primeiros 90 dias de seu antecessor, Fernando Haddad (PT).

E também aumentou outro índice negativo quanto ao humor do eleitorado: 47% dos entrevistados acham que Doria fez menos do que se esperava pela cidade, até agora. Em fevereiro, esse índice era de 39%. Quando a mesma pergunta foi feita aos entrevistados mais pobres, esse índice atingiu 61%. E quando a questão se referia aos bairros onde moravam os entrevistados, a frustração das expectativas subira 67%.

Ainda assim, a aprovação é recorde para os primeiros 90 dias à frente da Prefeitura de São Paulo, em comparação com todos os seus antecessores. A nota 0 a 10 que o paulistano dá para o prefeito tucano é 6. Haddad havia ganhado nota 5,9, nos primeiros 90 dias de sua gestão, em 2013.

Veja a aprovação de ex-prefeitos de São Paulo, com o mesmo tempo de governo, segundo o Datafolha: Fernando Haddad (PT), 31%; Gilberto Kassab (PSD): 16%; José Serra (PSDB), 20%; Marta Suplicy (PT), 34%; Paulo Maluf (PP), 24%; Celso Pitta (PP), 24%; Luiza Erundina (PT), 19%.

FALANDO EM 2018

Apesar de 55% dos paulistanos não aprovarem que Doria entre em outra disputa por cargos nas eleições de 2018, o Datafolha registrou 14% dos entrevistados sugerindo que o prefeito deveria disputar a Presidência da República e 13% o querem como candidato a governador de São Paulo.

Doria descarta suceder Alckmin ou Temer (Foto: SuamyBeydoun Agif)

O percentual de expectativa para ver Doria disputando a sucessão de Michel Temer (PMDB) sobe para 24% entre os que consideram a administração do prefeito ótima ou boa.

Mas, caso Doria fosse candidato à Presidência em 2018, 42% do total de entrevistados responderam que não o escolheriam para o cargo de jeito nenhum. Outros 29% cogitam a possibilidade de voto no tucano. E 26% dizem ter certeza de que votariam para eleger o prefeito como presidente da República.

Se fosse candidato a governador, Doria teria hoje uma rejeição de 35% que responderam não votar nele; 32% votos garantidos e 31% dos paulistanos respondendo que talvez o escolhesse para o Palácio dos Bandeirantes.

Com seis anos e três meses de gestão, o governador Geraldo Alckmin tem avaliação do eleitor bem dividida, quanto ao seu governo: aprovação de 31% e reprovação também de 31%. Outros 36% dos entrevistados pelo Datafolha acham a gestão do governador regular. E sua nota foi 5,3, na avaliação de seu desempenho, na escala de 0 a 10.

OUTROS NÚMEROS

Os mais ricos aprovam em 67% a administração tucana; bem como 56% dos que têm ensino superior.

A cidade não mudou nada sob a administração de Doria, para 51% dos entrevistados. Mas 35% viram mudanças positivas e 13% viram piora.

O serviço de limpeza melhorou para metade das pessoas ouvias. E o sistema de saúde avançou para 27% dos moradores.

As doações de campanha recebidas por João Doria também foram avaliadas com índices de 45% considerando nada transparentes e 16% muito transparentes.

Reportar Erro