Mais Lidas

Caindo aos poucos

Dólar opera em queda de mais de 1%, no patamar de R$ 3,65

Na véspera, moeda dos EUA caiu 1,12%, vendida a R$ 3,697

acessibilidade:

O dólar opera em queda em relação ao real nesta quinta-feira (10), abaixo de R$ 3,65, após o Ministério Público Estadual de São Paulo apresentar denúncia contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por suspeita de ser o proprietário oculto de um apartamento tríplex no Guarujá, no litoral paulista.

Às 10h19, a moeda norte-americana caía 0,83%, a R$ 3,6663. De acordo com a Reuters, o dólar chegou a R$ 3,6434 na mínima desta quinta-feira, renovando a mínima intradia desde 1º de setembro de 2015 (R$ 3,6192).

 

Acompanhe a cotação ao longo do dia:

Às 9h10, queda de 1,32%, a R$ 3,6479.

Às 9h19, queda de 1,1%, a R$ 3,6561.

Às 9h49, queda de 1,33%, a R$ 3,6475.

 

Ontem o dólar fechou em queda de 1,12%, a R$ 3,697, retornando ao patamar de novembro do ano passado. A última vez que o dólar tinha fechado abaixo de R$ 3,70 foi no dia 20 de novembro, quando terminou o dia cotado a R$ 3,697 – cotação idêntica a do encerramento desta quarta e a menor desde 1º de setembro de 2015, quando a divisa fechou a R$ 3,688.

O tom positivo, no geral, tem predominado no mercado doméstico conforme cresce a percepção de que os escândalos de corrupção no âmbito da operação Lava Jato estariam elevando a chance de a presidente Dilma Rousseff não concluir seu mandato.

O tema impeachment voltou a crescer recentemente à medida que as investigações de corrupção no Brasil se aproximaram do governo, sobretudo após a operação Lava Jato ter chegado ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no fim da semana passada.

 

Atuação do BC
 

Nesta manhã, o Banco Central fará mais um leilão de rolagem dos swaps que vencem em abril, que equivalem a US$ 10,092 bilhões, com oferta de até 9,6 mil contratos.

A atuação do BC tem ajudado a trazer alívio ao mercado de câmbio, após anúncio de leilão de venda de até US$ 2 bilhões com compromisso de recompra na tarde de ontem reforçar que a autoridade monetária está pronta para corrigir exageros.

Reportar Erro