Mais Lidas

E não para de subir

Dólar bate R$ 3,84 com crise no Brasil e dados dos EUA

Juros podem subir neste ano na maior economia do mundo

acessibilidade:

A tensão com a política e economia brasileira dá suporte novamente à escalada do dólar nesta sexta-feira, 4. O dólar à vista está repetidamente renovando a cotação máxima do dia, e já é negociado a R$ 3,842, em alta de 2,34%. Na contramão, a Bovespa aprofundou as perdas, conduzida pela queda de ações do setor bancário e da Vale, além do sinal negativo em Nova York.

Investidores buscam segurança na moeda americana, já que além da cautela com o Brasil, os mercados na China voltam a operar na segunda-feira, após ficarem fechados por quatro dias. Além disso, a proximidade de feriados nacionais tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos, que deixam os mercados fechados na segunda-feira, também inibe a tomada de risco.

Mais cedo, o dólar à vista no balcão já subia, em resposta a dados sobre a criação de empregos nos Estados Unidos. A geração de vagas em agosto foi menor do que o esperado, o que até estimulou a venda da moeda em um primeiro momento, para que investidores obtivessem lucro. Porém, houve revisões para cima nos resultados de julho e de junho e a tendência de alta da moeda não se inverteu. 

Dados fortes dão mais argumentos à defesa de que o Federal Reserve (Fed, o Banco Central americano) suba os juros já na reunião deste mês, prevista para os dias 16 e 17. As taxas nos EUA estão em níveis próximos de zero desde o fim de 2008 e um eventual aumento seria o primeiro em quase uma década. O presidente do Federal Reserve de Richmond, Jeffrey Lacker, que vota nas reuniões da instituição sobre juros, comentou que o dado de agosto ficou abaixo de 200 mil, mas ainda é "um número forte". 

O aumento dos juros nos Estados Unidos tornaria mais atrativos os títulos do país – considerados investimentos mais seguros – e poderia causar ainda mais impacto na taxa de câmbio no Brasil.

No cenário interno, o mercado também continua de olho na crise política. Após a confirmação, pelo governo, de que Joaquim Levy fica na Fazenda, o ministro deixou São Paulo nesta madrugada com destino a Istambul, de onde se desloca para Ancara, para participar das reuniões do G-20. Como ele chegará na capital turca no fim da noite desta sexta-feira, só participará da agenda do evento a partir de sábado. No mercado, há expectativa com eventuais comentários dele sobre o processo de ajuste fiscal. 

Bolsa. A Bovespa abriu em queda, puxada por uma realização de parte dos lucros de 4,15% acumulados nos últimos dois pregões e alinhada às bolsas de Nova York. O Ibovespa caía 1,86%, a 46.486 pontos, enquanto em Wall Street, os índices acionários tinham quedas, também em meio a avaliações de dados sobre a geração de empregos nos Estados Unidos em agosto. (AE)

Vídeos Relacionados