Mais Lidas

Terceirização

Dilma deve ter 'cautela' ao ser contra projeto, diz Cunha

Presidente da Câmara diz ser equívoco tornar a questão em um debate político

acessibilidade:

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse que a presidente Dilma tem que ter “cautela” no debate sobre a terceirização. Em evento da Força Sindical nesta sexta-feira, 1º de maio, para comemorar o Dia do Trabalho, na capital paulista, Cunha afirmou que a presidente não é sustentada politicamente somente pelo PT, mas por vários partidos e todos votaram pelo projeto da terceirização.

"A presidente da República tem que ter cautela, ela tem o direito de vetar qualquer proposta, embora a última palavra seja do Congresso", disse ele. "É muito importante que a pauta do PT não seja do governo".

O presidente Câmara também criticou a Central Única dos Trabalhadores por combater o projeto de terceirização aprovado na Câmara.

"A CUT usou o PT para fazer o debate equivocado. Fazem esse embate político só para proteger a arrecadação sindical deles", disse. Ao lado do deputado Paulinho da Força (SD-SP), presidente licenciado da entidade, Cunha afirmou que não foi ao evento da CUT por não ter sido "convidado".

Direitos. O presidente da Câmara voltou a defender o projeto da terceirização e disse que ela não causa prejuízo ao trabalhador. "Pelo contrário, reconhece direitos", afirmou. “Virando lei, a terceirização será um ganho para o trabalhador”, afirmou Cunha nesta sexta-feira, durante ato promovido pela Força Sindical para comemorar o Dia do Trabalho.

Cunha listou a responsabilidade solidária do contratante e o recolhimento de contribuições previdenciárias como pontos positivos do projeto. Sobre a situação econômica do País, o presidente da Câmara disse que os trabalhadores brasileiros devem estar apreensivos diante da possibilidade de perda do emprego e da renda.

"Para combater isso, só reajustando a economia para que o País volta a crescer", disse. Questionado se o ajuste tem sido bem conduzido, Cunha disse não ter condições de dizer qual o melhor caminho. "Temos que aguardar o resultado", afirmou.

Também presente ao evento, o presidente licenciado da Força Sindical, o deputado Paulo Pereira da Silva (SD-SP), afirmou que o trabalhador não tem motivos para comemorar neste primeiro de maio, Dia do Trabalho. "Hoje é um dia de muita tristeza para os trabalhadores. O País em crise, o País em desemprego, inflação está voltando. Enfim, além disso o governo tentando tirar direitos por outro lado,", afirmou, citando as alterações no seguro-desemprego, seguro-defeso, abono salarial e pensão por morte. "É um ataque ao direito dos trabalhadores e é preciso resistir", disse.

O ato promovido pela Força Sindical reúne centenas de pessoas na Praça Campo de Bagatelle, zona norte da capital paulista. (AE)

Vídeos Relacionados