Mais Lidas

Desafio para 2016

Desafio da Vale será recuperar imagem

Empresa terá de conviver, em 2016, com baixo preço de commodities

acessibilidade:

A Vale vai enfrentar neste ano velhos problemas e um desafio adicional: recuperar a imagem arranhada pela tragédia do rompimento da barragem de sua controlada Samarco, em Mariana (MG). Há um ano, o presidente da mineradora, Murilo Ferreira, previa um cenário difícil em 2015 frente à queda dos preços do minério de ferro e dificuldades na economia global em meio à implantação do bilionário projeto S11D, em Carajás (PA).

Naquela época, a tonelada da commodity estava cotada a US$ 68, quase US$ 30 acima do preço atual, e nem as projeções mais nebulosas poderiam cogitar que a empresa enfrentaria o fator Samarco. O inferno astral da Vale se refletiu diretamente em sua performance na bolsa de valores e, diante da situação econômica do Brasil, levou ao rebaixamento de seu rating por agências de classificação de risco como Moody’s e Fitch.

Como disse o próprio Ferreira, a estratégia de redução de custos e disciplina de capital foi “ofuscada pelo trágico acidente”. No dia 18, a Justiça Federal de Minas Gerais determinou o bloqueio de bens da Samarco e das acionistas Vale e BHP Billiton em ação civil pública movida pela União, reforçando a expectativa de que a Vale terá de arcar com os danos do acidente.

A ação preferencial da Vale fechou o ano valendo R$ 10,25, contra R$ 18,16 de 2014. O tombo dos papéis desde janeiro supera os 40%, enquanto o Ibovespa recuou cerca de 13%. Em 2015, a companhia perdeu R$ 49 bilhões em valor de mercado. Só no período que se seguiu ao desastre da Samarco, foram pelo ralo cerca de R$ 25 bilhões.

Hoje, a mineradora vale R$ 58,3 bilhões na bolsa, a maior perda nominal de valor entre as empresas da carteira do Ibovespa, segundo dados da Economática. Olhando para fevereiro de 2011, primeiro ano do mandato de Murilo Ferreira e auge do preço do minério de ferro, a Vale perdeu R$ 222 bilhões em valor de mercado. Naquela época, a tonelada da commodity atingiu o pico de US$ 191,70.

Com a cotação do minério agora batendo o piso da última década e a demanda enfraquecida, a Vale terá mais dificuldades em assegurar boas margens. A expectativa de analistas é que dificilmente os preços se recuperarem de forma significativa antes de 2017. Em 22 de dezembro, o metal era cotado a US$ 40,20 na China. Desde o início de 2015, a queda acumulada era de 15,4%.

Ao mesmo tempo, o acidente da Samarco deve prejudicar o balanço da companhia. A Vale projeta perda de receita de US$ 543 milhões em 2016 por causa da perda de produção e dividendos com o acidente. Mas o prejuízo total referente a eventuais multas e indenizações ainda é incerto e pesa como uma espada sobre a companhia (AE).

Reportar Erro