Lava Jato

Delegado-geral de SP é investigado por relações com delatores

Youssef Chahin é sócio de delator da Lava Jato na Oregon Blindados

acessibilidade:

O delegado-geral da Polícia Civil de São Paulo, Youssef Abou Chahin, é investigado pelo Ministério Público Federal em São Paulo devido às suas relações com dois delatores da Operação Lava Jato: o contador Roberto Trombeta e o seu sócio, Rodrigo Morales.

Segundo reportagem do jornal Folha de São Paulo, uma empresa especializada em blindagem de carros, a Oregon Blindados, tem como sócios a família de Chahin, a filha de Trombeta, Roberta, e a mãe de Morales, Alice.

De acordo com as investigações, há indício de proximidade também na Atria Intermediação de Negócios, de Chahin, que faz prospecção de associações de classe para planos de saúde. Apesar de não ter vínculo formal com Trombeta e Morales, a empresa tem o mesmo telefone de uma das firmas da dupla, a Hedge Car.

As relações suspeitas levaram o Ministério Público do Estado a reabrir em junho um inquérito para apurar eventual enriquecimento ilícito do delegado. O órgão também desistiu do arquivamento de outro inquérito sobre ele, esse na esfera criminal. No mesmo mês, o Ministério Público Federal em São Paulo pediu à força-tarefa da Lava Jato que aponte eventuais conexões entre a operação e as empresas de Chahin ligadas aos delatores.

Trombeta e Morales fecharam acordo de delação em 2015, quando confessaram operar propina para a OAS e a UTC. O acordo de delação está sob risco porque há indícios de que eles omitiram informações.

Segundo a delação de Trombeta, houve um repasse de R$ 3 milhões da montadora Caoa para o empresário Benedito de Oliveira Neto, amigo do governador de Minas, Fernando Pimentel (PT). A suspeita é de que Pimentel tenha beneficiado a empresa quando foi ministro do Desenvolvimento. O contador e seu sócio também abriam offshores para o grupo Caoa, que comercializa veículos da marca Hyundai.

Chahin foi nomeado delegado-geral em janeiro de 2015 pelo então secretário da Segurança, Alexandre de Moraes, hoje ministro da Justiça. Ele conheceu Trombeta em 2009. À época, o delegado havia saído formalmente da Oregon Blindados porque sua participação era investigada pelo Estado.