Mais Lidas

ÚLTIMA ESTAÇÃO

Casa de luxo em Maceió abrigava líder de facção morto na Bahia

Traficante morto tinha bens em casa luxuosa na capital alagoana

acessibilidade:

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira (26), a Operação Última Estação, contra crimes de lavagem de dinheiro decorrente do tráfico de drogas praticado pelo líder de uma facção criminosa, Marcelo Batista dos Santos, conhecido como Marreno. O traficante que foi morto em confronto com policiais em agosto morava em uma luxuosa casa em Maceió-AL, alvo de um dos cinco mandados de busca e apreensão, cumpridos na capital alagoana, e em outros endereços nas cidades baianas de Porto Seguro e Eunápolis.

Segundo a PF, a investigação iniciada após a morte do criminoso detectou que ele vinha utilizando nome falso para ocultar o patrimônio adquirido com os recursos oriundos do tráfico de drogas e outros crimes praticados pela facção, bem como para se furtar à ação policial.

Marreno foi morto pela SSP da Bahia (Foto: Alberto Maraux/Divulgação)Marreno possuía contas bancárias abertas na cidade de Porto Seguro e estava residindo com sua esposa em casa de alto padrão no Condomínio Jardim Europa, no bairro maceioense de Antares. A residência estava desocupada, mas com um veículo Toyota Corrolla na garagem, com placa PKD-8746.

O carro foi apreendido em cumprimento a um mandado de sequestro de bens do Juiz de Porto Seguro. E a PF informou que o veículo foi comprado por Marreno e registrado em nome falso, usado para ocultar bens e esconder sua real identidade.

Também foram cumpridos mandados de sequestro de bens e bloqueio de valores em contas bancárias. E, no transcorrer das buscas foram identificados outros nomes falsos utilizados pelo traficante, além de documentos indicando movimentação bancária e comprovação de propriedades ocultadas.

A investigação visa recuperar os bens adquiridos com o dinheiro do crime, bem como identificar os demais integrantes da organização criminosa que atuaram na lavagem do dinheiro obtido ilicitamente. (Com informações da Divisão de Comunicação Social da PF)

Reportar Erro