Mais Lidas

Trinta presos

Até ex-Beatle pede libertação de ativistas do Greenpeace na Rússia

Em carta aberta, Paul McCartney faz pedido ao presidente russo

acessibilidade:

Paul McCartney Performs At The Joint At The Hard RockO cantor Paul Mc Cartney escreveu uma carta aberta ao presidente russo, Vladimir Putin pedindo para que este “use sua influência” para restituir às suas famílias os 30 ativistas do Greenpeace presos na Rússia desde setembro, entre eles uma brasileira.

“Querido Vladimir, espero que esta carta te encontre em boa saúde, espero que não se incomode se abordo o problema”, escreve o músico na carta publicada hoje (14) no site russo Lenta.ru.

Mc Cartney faz uma defesa apaixonada sobre as boas intenções dos militantes ecologistas, mostrando conhecer as preocupações de Moscou. “Os meus amigos russos dizem que em alguns ambientes, os manifestantes são considerados como inimigos da Rússia, que fazem a vontade dos governos ocidentais. O Greenpeace não é uma organização anti-Rússia. Incomodam sempre algum governo, isso é certo. Mas, eu digo porque sei, nunca e em nenhum lugar no mundo pegaram dinheiro de governos ou empresas”, defende o músico.

O próprio Putin negou que as ações do grupo contra uma plataforma petrolífera no Ártico fossem de “pirataria”.

“Aceitam a responsabilidade do que realmente fizeram. Mas não é possível encontrar uma solução do problema que seja conveniente para todos?”, questiona Mc Cartney.

“Me pergunto se é possível usar a sua influência, qualquer que seja, para devolver os detidos às suas famílias?”, pergunta o cantor ao presidente russo.

Ontem os 30 ativistas foram transferidos de Murmansk para prisões em São Petersburgo. A prisão preventiva do grupo vence em 24 de novembro, mas pode ser ampliada se for realizado o pedido até 17 de novembro. A brasileira, Ana Paula Maciel, faz parte do grupo que é acusado de vandalismo por conta de um protesto em uma plataforma de petróleo da Gazprom no Ártico. ANSA