Mais Lidas

VOTO POR ALFORRIA

Alagoano votou a favor de Temer para se filiar ao Podemos

Ele votou em Temer para sair do PMDB sem perder o mandato

acessibilidade:

Acreditando que assumiria a Presidência Estadual do Podemos (antigo PTN) no próximo dia 10, o deputado federal Cícero Almeida, o Ciço (Sem partido-AL), explicou que definiu seu voto favorável ao arquivamento da denúncia contra o presidente Michel Temer (PMDB), na semana passada, somente depois de receber a anuência oficial para sua saída do PMDB, supostamente assinada e negociada com o presidente Nacional da sigla, o senador Romero Jucá (RR).

O parlamentar revelou à imprensa alagoana, no último final de semana, que nem tudo foi gratidão pelo tratamento “amoroso” que Temer teria tido com Alagoas, como afirmou em sua justificativa de voto, na sessão da última quarta-feira (2).

Ciço foi derrotado em 2016 e disse que acertou saída com senador Jucá

Caso não obtivesse a liberação do PMDB para trocar de partido pela nona vez em sua carreira política, o deputado federal alagoano poderia ser alvo de mais um processo por infidelidade partidária. 

“Acertei tudo com o presidente nacional do PMDB e ele entendeu minha situação. Há hoje uma clara desavença interna no partido entre o presidente Michel Temer e o senador Renan Calheiros [PMDB-AL], e eu estava num fogo cruzado. Continuo amigo do senador e o apoio, assim como apoio o governador Renan Filho”, disse Ciço ao jornal alagoano Tribuna Independente.

O afilhado político do senador Renan alegou ter sido perseguido pelo PRTB, ao se desfiliar da sigla em 1º de outubro de 2015, e ingressar no PSD, deixando o partido que o elegeu em 2014 órfão de representantes na Câmara Federal. Em seguida, foi abrigado no PMDB, pelo qual foi derrotado pelo prefeito de Maceió, Rui Palmeira (PSDB), em um verdadeiro vexame, por ter como principais cabos eleitorais o então presidente do Senado, Renan Calheiros, e o governador de Alagoas, Renan Filho (PMDB).

AMBIÇÃO E DESILUSÃO

Omar ocupou espaço oferecido por Alvaro Dias no PodemosApesar de ter demorado quase um ano para responder à expectativa do antigo PTN sobre o convite que lhe garantiria o comando da sigla no Estado e a indicação da gestão da Funasa em Alagoas, o deputado federal ainda acredita que presidirá o Podemos alagoano. Mas deverá ter seu desejo frustrado, porque a sigla já fechou questão nacionalmente, e deve nomear o ex-presidente da Seccional Alagoana da OAB, Omar Coêlho, como presidente do Podemos em Alagoas, e o presidente do clube de futebol CSA, Rafael Tenório, como vice.

Após as declarações de Ciço sobre “comandar o Podemos”, o secretário-geral nacional da legenda, Gustavo Castro, revelou que nada se concretizou, nem sobre sua filiação, nem sobre direção partidária. “Estamos muito satisfeitos com o trabalho do Omar Coelho e do Rafael Tenório à frente do partido em Alagoas”, disse o dirigente nacional, à Tribuna Independente.

Omar Coelho disse ao Diário do Poder que ele e Rafael Tenório conversam nesta terça-feira (8) com Ciço. Mas não demonstra muita flexibilidade em abrir mão do comando estadual do partido presidido nacionalmente pelo senador paranaense Álvaro Dias.

“Os planos do Podemos em Alagoas já estão traçados! Felizmente, o Podemos será gerido de forma diferente do que estamos acostumados em ver aqui em Alagoas. O partido vai servir a causa de um país melhor e ético, viabilizando a candidatura de Alvaro Dias para presidente. Temos uma causa, nada de objetivos pessoais ou de grupos! Nosso objetivo será tornar a política algo respeitável”, disse Omar, ao Diário do Poder.

Ciço revelou ainda que, ao desembarcar em Maceió, no Aeroporto Zumbi dos Palmares, na tarde de quinta-feira (3), foi agredido verbalmente por uma mulher que se identificou como sindicalista, ao descer do avião.

Ciço foi um dos quatro deputados alagoanos que votaram contra o prosseguimento do inquérito contra Michel Temer por corrupção. Outros quatro votaram a favor e um deputado, Pedro Vilela (PSDB-AL) não compareceu à sessão. (Com informações da Tribuna Independente)