Pacto de sangue

Acordo de delação de Palocci com a PF detalha 'pacto de sangue' de Lula

Arquivo vivo dos segredos de Lula, Palocci vai contar tudo

acessibilidade:

O ex-ministro Antonio Palocci, um dos personagens mais poderosos nos governos petistas, assinou acordo de delação premiada com a Polícia Federal, considerada "a delação do fim do mundo" petista, que tem em Lula um dos principais alvos. Ele acelerou as negociações do acordo com a PF após sua condenação a pena semelhante à aplicada depois ao ex-presidente, de 12 anos de prisão, e pelos mesmos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, segundo reportagem de Jailton Carvalho no jornal O Globo.

Palocci buscou fazer acordo com a PF após tentar sem sucesso convencer o Ministério Público Federal (MPF) de negociar o entendimento, que prevê a redução de pena.

O ex-ministro da Fazenda do governo Lula e da Casa Civil do governo Dilma Rousseff já vinha colaborando com a Justiça e fez revelações devastadoras contra Lula, acusando-o inclusive de haver celebrado um “pacto de sangue” com a empreiteira Odebrecht.

As informações e os documentos fornecidos pelo ex-ministro devem gerar a abertura de novos inquéritos, operações e até mesmo prisões.

Pacto de sangue

Palocci quebrou o silêncio em setembro do ano passado quando, em depoimento  ao juiz Sérgio Moro, acusou Lula haver celebrado um “pacto de sangue” com a empreiteira Odebrecht e recebido um pacote de propina que incluía o terreno do Instituto Lula, o sítio em Atibaia, “palestras” com cachê de R$200 mil cada uma, e R$150 milhões para as campanhas do ex-presidente.

O ex-ministro contou que  o dinheiro e as vantagens para Lula eram produto de corrupção por meio de contratos superfaturados com empresas públicas. Palocci também acusou a ex-presidente Dilma de compactuava com o esquema. Confessou também que ele e Lula tentaram atrapalhar a Lava Jato.

Reportar Erro