Visita oficial

Viagem

Diplomatas continuam empenhados na construção da agenda da visita oficial
11/02/2019

Alheio à cirurgia, governo prepara visita de Bolsonaro a Trump

Visita oficial

Alheio à cirurgia, governo prepara visita de Bolsonaro a Trump

Diplomatas continuam empenhados na construção da agenda da visita oficial

Sem orientação em contrário, diplomatas brasileiros continuam empenhados na construção da agenda da visita oficial do presidente Jair Bolsonaro aos Estados Unidos, nos dias 18, 19 e 20 de março, a convite do presidente Donald Trump. Isso indica que, apesar da apreensão causada na recuperação de Bolsonaro, o Planalto conta com o seu retorno ao trabalho no prazo estimado antes da sua nova cirurgia. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder. Além de encontro para fotos diante da lareira, os dois presidentes terão reunião de trabalho na Casa Branca. A visita de Bolsonaro está restrita a Washington, mas há possibilidade de evento em Nova York com empresários brasileiros e americanos. Após a visita a Washington, Bolsonaro fará um pit-stop em Brasília e segue para outra viagem: visitará Santiago nos dias 22 e 23 de março.
30/01/2019

Toffoli autoriza ida de Lula ao velório do irmão, mas ele desiste de comparecer

Não havia tempo hábil

Toffoli autoriza ida de Lula ao velório do irmão, mas ele desiste de comparecer

Ministro autorizou que Lula se encontrasse com familiares na Unidade Militar na Região e que o corpo fosse levado até lá

O ex-presidente Lula decidiu não deixar a prisão, em Curitiba, nesta quarta-feira, 30, para encontrar familiares em uma unidade militar, após a morte do seu irmão mais velho, Genival Inácio da Silva, o Vavá. O petista enviou uma coroa de flores para o velório. Preso em Curitiba desde abril do ano passado, Lula conseguiu liberação para comparecer ao velório no início da tarde desta quarta, quando o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, concedeu a autorização. No entanto, não havia tempo hábil para o deslocamento do ex-presidente até o ABC Paulista, em São Paulo. O corpo de Vavá foi enterrado às 13h em São Bernardo do Campo (SP). “Na verdade, a decisão foi absolutamente inócua. A decisão foi proferida quando o corpo já estava baixando a sepultura, o enterro já estava acontecendo. Então, nesse sentido, a decisão não tem mesmo como ser cumprida”, disse o advogado de Lula Manoel Caetano Ferreira. O advogado também reclamou da decisão de Toffoli para o encontro em unidade militar. “Seria um vexame, seria um desrespeito com a família que ele fosse se encontrar com a família num momento como esse em um quartel”, afirmou o advogado. Lula havia pedido na terça-feira, 29, assim que soube da morte do irmão, para comparecer ao enterro, mas o pedido foi negado pela juíza da 12ª Vara Criminal Federal de Curitiba, Carolina Lebbos, e mantida pelo desembargador Leandro Paulsen, do Tribunal Regional da 4ª Região (TRF4). O pedido ao STF foi feito pela defesa no início da madrugada desta quarta. O advogado de Lula também justificou a desistência de Lula de encontrar os familiares dizendo que o ex-presidente já se encontra com a família todas as quintas-feiras, dia de visitas. Ainda conforme o advogado, Vavá era um irmão com quem Lula tinha fortes vínculos afetivos. “Ele sentiu muito a morte do irmão, e sentiu mais ainda não pode se despedir do irmão e se encontrar com a família nesse momento de muita tristeza”, disse Ferreira. A faixa que ornamenta o arranjo de flores traz os dizeres: “Meu querido irmão, companheiro e amigo, que o brilho de sua estrela traga paz aos nossos corações. A saudade que já sentia, me aperta o peito agora. Siga com Deus. Lula.” A defesa de Lula alegou que a Lei de Execução Penal (LEP) prevê que presos possam deixar as unidades para comparecer ao velório de um parente próximo. A Polícia Federal, no entanto, alegou dificuldades logísticas para realizar a viagem da superintendência da corporação em Curitiba, onde Lula está preso, até o Cemitério Pauliceia, em São Bernardo do Campo. A PF também alegou que a presença do ex-presidente poderia tumultuar a ordem pública, em razão de manifestações de simpatizantes. Lula cumpre pena de 12 anos e um mês de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex do Guarujá (SP).
22/01/2019

Bolsonaro vai destacar disposição do Brasil na abertura econômica

Fórum Econômico Mundial

Bolsonaro vai destacar disposição do Brasil na abertura econômica

Discurso do presidente no Fórum Econômico Mundial foca ainda no combate à corrupção

O presidente Jair Bolsonaro discursa hoje (22), pela primeira vez, depois de eleito, no exterior. Ele participa da abertura da 39ª edição do Fórum Econômico Mundial, que reúne a elite política e econômica global, em Davos, na Suíça. Em um discurso de 45 minutos, vai destacar a disposição do Brasil na abertura econômica, no combate à corrupção e no compromisso com a democracia. Bolsonaro chegou neste domingo (21) a Davos acompanhado dos ministros da Economia, Paulo Guedes; das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. “Queremos mostrar que o Brasil tomou medidas para que o mundo restabeleça confiança, que os negócios voltem a florescer entre o Brasil e o mundo, sem viés ideológico, que nós podemos ser um país bom para investimentos, e, em especial, para o agronegócio” disse ao chegar. Imagem externa Bolsonaro quer mostrar ainda que a economia brasileira está se modernizando, com abertura comercial, segurança jurídica para os investidores externos e reformas estruturais. Na noite desta terça-feira, o presidente tem jantar fechado com os presidentes da Colômbia, Iván Duque; do Equador, Lenín Moreno; do Peru, Martín Vizcarra; e da Costa Rica, Carlos Alvarado Quesada. Os cinco presidentes latino-americanos assistirão a uma apresentação do presidente executivo da Microsoft, Satya Nadella. Amanhã (23), está prevista a participação do presidente num almoço de trabalho sobre a globalização 4.0, que trata da quarta revolução industrial proporcionada pela tecnologia e é o tema do Fórum Econômico Mundial este ano. Depois, a comitiva retorna a Zurique, de onde embarca de volta para Brasília, chegando à capital federal na manhã de quinta-feira (24). Ministros Os ministros terão agendas paralelas em Davos. Paulo Guedes tem previstas reuniões com a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, e encontros com o diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Roberto Azevêdo; com o presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Luis Roberto Moreno, e com o secretário-geral da Câmara de Comércio Internacional, John Denton. O ministro da Economia também se encontrará com o secretário de Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin. Guedes também pretende reunir-se com empresários das áreas de infraestrutura, logística, energia e tecnologia e representantes de fundos de investimentos e fundos soberanos. Nos encontros, o ministro informará que a equipe econômica trabalha numa agenda calcada em quatro pilares: reforma da Previdência, privatizações, reforma administrativa e abertura comercial. Segundo o Ministério da Economia, Guedes informará que o Brasil pretende dobrar os investimentos (público e privados) em pesquisa, tecnologia e inovação, nos próximos quatro anos, e a corrente de comércio – soma de importações e exportações – de 22% para 30% do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos no país). A abertura comercial defendida por Guedes ocorreria de forma gradual, acompanhada de um programa de desburocratização e de redução de impostos para empresas. Essa diminuição de tributos seria financiada por privatizações e pelas reformas que reduzirão os gastos públicos nos próximos anos.
07/01/2019

Palocci decide viajar de carro a Brasília para depor

Medo de exposição

Palocci decide viajar de carro a Brasília para depor

Ex-ministro cumpre prisão domiciliar em São Paulo e depõe neste momento sobre fundos de pensão

O ex-ministro petista Antonio Palocci presta depoimento nesta segunda-feira, 7, em Brasília, sobre fraudes em fundos de pensão vinculados a empresas estatais, investigadas em processo derivado da Operação Greenfield. Delator da Operação Lava Jato, há expectativa de que ele negocie um novo acordo de delação premiada no âmbito da Greenfield. Palocci chegou à sede da Procuradoria da República no Distrito Federal por volta das 9h30 e ficará em Brasília até quarta-feira, 9. O ex-ministro viajou de carro de São Paulo até Brasília para evitar exposição em público. Palocci foi ministro da Fazenda no governo do ex-presidente Lula e da Casa Civil no governo da ex-presidente Dilma Rousseff. Ele está em regime semiaberto diferenciado e cumpre pena em casa, desde 29 de novembro de 2018, por decisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), e é monitorado por tornozeleira eletrônica.