Facilita Pinheiro

Solidariedade

Projeto para minimizar impactos de tragédia será lançado neste sábado (13)
12/04/2019

Ação solidária acolherá vítimas de afundamento em três bairros de Maceió

Facilita Pinheiro

Ação solidária acolherá vítimas de afundamento em três bairros de Maceió

Projeto para minimizar impactos de tragédia será lançado neste sábado (13)

A solidariedade moveu maceioenses para oferecer assistência contínua às vítimas das áreas de risco atingidas pelo afundamento do solo em três bairros de Maceió (AL) e lançará, na tarde deste sábado (13), uma ação solidária no epicentro da região em estado de calamidade pública, o bairro do Pinheiro. A iniciativa que recebeu o nome de Facilita Pinheiro é fomentada por empresários, professores, profissionais liberais e artistas. E nasce com caráter apartidário e popular, afirmando ter o desejo de estender a mão aos moradores das áreas afetadas, e de preencher uma lacuna entre os órgãos públicos e as milhares de vítimas da tragédia nos bairros do Pinheiro, Mutange e Bebedouro. O início da ação solidária ocorrerá a partir das 16h deste sábado, na Praça Menino Jesus de Praga, no Pinheiro, onde haverá o lançamento do site em uma programação cultural e informativa dividida em cinco atos que estarão disponibilizados no site www.facilitapinheiro.institutoiffpp.com.br. “Este é um movimento solidário, apartidário, de pessoas que se uniram e se mobilizaram em prol da causa dos moradores do Pinheiro. Queremos colaborar com oferta de serviços gratuitos, apoio em diversas frentes e mobilização da sociedade. Nosso objetivo é levar ações que garantam alguma forma auxílio a estes moradores e residentes que perderam suas casas e imóveis e ainda aguardam posição concreta do poder público” resumiu o advogado Ricardo Wanderley, um dos idealizadores e organizadores do Facilita Pinheiro. A abertura do Facilita Pinheiro vai contar com exposição intitulada Memória do Pinheiro, palestras e show musical. De modo contínuo a ação vai ofertar gratuitamente caminhões para moradores realizarem mudanças, cadastro de profissionais voluntários que queiram ofertar serviços também gratuitos aos moradores do bairro, um Observatório de Fake News para ofertar informação de qualidade à população e “traduções” dos relatórios técnicos, com versão explicada dos termos científicos que descrevem os fenômenos geológicos ocorridos na localidade. As ações são coordenadas pelo Instituto para o Fomento de Políticas Públicas (IFPP), instituição sem fins lucrativos. Entre as metas da entidade está a promoção do bem estar social nas cidades com intervenções urbanas, economia criativa e debates sobre identidade social. Veja em que consiste cada um dos cinco atos de solidariedade previstos pelo Facilita Pinheiro: Ato 1 | Mudança Solidária Oferta de caminhões de empresas privadas – Oikos e Serraria Falcão – para promover a mudança das pessoas do bairro que estão a área vermelha e laranja. Mediante cadastro e agendamento através do site. Ato 2 | EXPOSIÇÃO Memória Pinheiro Contar um pouco dessas histórias de vidas no bairro, por meio de fotografias antigas dos moradores. A ação tem como um dos objetivos principais humanizar o processo nebuloso e ainda incerto que o lugar vem passando, além de buscar sensibilizar a população de Maceió para o problema, que não pode ser encarado como exclusivo do bairro, mas da cidade de modo geral. É só o começo, vamos levar a exposição – com todos esses personagens da vida real do Pinheiro e outros que aparecerem – também à orla! O Sebrae é parceiro desta exposição cedendo os flip charts para servirem de suporte às histórias. Ato 3 | OBSERVATÓRIO de Fake news Desvendar os fatos e boatos que giram em torno do fenômeno que assola o bairro Pinheiro. Com informação e linguagem acessível, evitando o terrorismo psicológico que assola os moradores na atualidade Ato 4 | Entenda o CAOS Tradução dos relatórios e diagnósticos técnicos em uma linguagem mai acessível para os moradores. Utilizando de infográficos e imagens produzidas para melhor explicação dos problemas, soluções e processos. Ato 5 | Banco de Profissionais Profissionais voluntários que queiram prestar serviços gratuitos aos moradores das áreas de risco. PROGRAMAÇÃO DESTE SÁBADO: Abertura – 16h #facilitaPINHEIRO Ricardo Wanderley Exposição MEMÓRIA PINHEIRO – 16h20 Salmom Lucas | Maceió Antiga Ações FACILITA – 16h30 Evelyne Cruz e Melissa Mota Poesia PINHEIRO – 16h45 Mirian Monte e Chico de Assis A incerteza da mudança – 17h Lucas Paiva Fatos ou Boatos: o caso PINHEIRO – 17:30h Professor Abel Galindo Professor Sinval Guimarães Diretor Marcos Vieira – SEBRAE Música na Praça (palco aberto) – 19h Encerramento – 21h A ação é inspirada no Movimento SOS Pinheiro e tem como parceiros o Sebrae Alagoas, Unit, Maceió Antiga, Serraria Falcão, Oikos Casa.
12/04/2019

Witzel sobre desabamentos: “É um retrato da falta de fiscalização”

Mais uma tragédia no Rio

Witzel sobre desabamentos: “É um retrato da falta de fiscalização”

Para governador do Rio, a atribuição é da prefeitura do Rio de Janeiro

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, disse que o desabamento dos prédios, na manhã de hoje (12), na zona oeste da cidade , é retrato da falta de fiscalização por parte do município. Segundo ele, não se pode culpar apenas a gestão atual. Afirmou ainda que esse tipo de fiscalização não cabe ao governo do estado. “Esse prédio que desabou é um retrato da falta de fiscalização por parte do município. O estado não tem poder de fiscalizar edificações. São edificações que tem que ser coibidas pelo município. Agora, se a área era uma área de milícia como está sendo dito, no nosso governo estamos combatendo todas as áreas de milícias”, disse. Witzel afirmou que a Polícia Civil trabalha para identificar as milícias que atuam na região do desabamento. A prefeitura informou hoje que o prédio que desabou já estava interditado desde o ano passado, mas que o controle de milicianos sobre a região dificulta a atuação municipal. Solidariedade O governador participou da assinatura do termo de permissão para que Flamengo e Fluminense assumam a gestão do Complexo do Maracanã e iniciou seu discurso lamentando a tragédia: “Nossa solidariedade por essas famílias e nosso sentimento de profundo pesar pelas perdas das vidas humanas, inclusive uma criança de 7 anos.” O vice-governador, Cláudio Castro, disse que a polícia prendeu pessoas que trabalhavam na construção de prédios irregulares como o que desabou, mas ainda não identificou os responsáveis pelas obras. “Vão ter que ser ações coordenadas. Não só governo municipal e estadual, mas também Ministério Público e Justiça”. (ABr)
09/04/2019

PR e Solidariedade defendem reforma da Previdência, mas pedem mudanças

Encontro com Bolsonaro

PR e Solidariedade defendem reforma da Previdência, mas pedem mudanças

Paulinho da Força disse que iniciativa em discussão é ruim e precisa de alterações

O PR e o Solidariedade anunciaram hoje (9) ao presidente Jair Bolsonaro que apoiam a reforma da Previdência, mas querem mudanças na proposta enviada pelo governo ao Congresso Nacional. Representantes dos dois partidos estiveram com o presidente, que retomou o diálogo com dirigentes de partidos políticos em busca de apoio para a aprovação de medidas do governo, especialmente a reforma da Previdência. De acordo com o presidente do Solidariedade, deputado Paulinho da Força (SP), mudanças na aposentadoria rural e no Benefício de Prestação Continuada (BPC) pago a idosos de baixa renda devem ser retiradas do texto. O partido também defende uma Previdência melhor para os professores e é contra a retirada do FGTS dos aposentados que continuam trabalhando e a redução do abono salarial (Programa de Integração Social) para aos trabalhadores que ganham menos. “FGTS e PIS não têm nada a ver com a reforma da Previdência. Têm 22 milhões de brasileiros que recebem PIS, não pode acabar com o PIS”, defendeu o dirigente partidário. Paulinho da Força disse que o Solidariedade continua independente, e que não vai fechar questão sobre a reforma da Previdência. “Queremos discutir as ideias, a reforma da Previdência está ruim e precisa ser melhorada”, disse. Servidores estaduais Para o Solidariedade, a reforma das aposentadorias de servidores estaduais e municipais também não deve estar atrelada à reforma da Previdência do governo federal. “Nós achamos que a Previdência dos estados tem que ser tratada em cada estado. Não dá para o governador ficar lá [no estado] falando mal da reforma e os deputados aqui em Brasília assumindo o ônus”, ressaltou, acrescentando que o presidente Bolsonaro não se manifestou contra as propostas do parttido, mas disse que as alterações devem ser debatidas no Congresso. O Solidariedade propôs ainda a Bolsonaro regras alternativas para a Previdência, como idade mínima de 62 anos para homens e 59 para mulheres, e uma transição com pedágio de 30% de tempo de serviço para todos. “Uma transição igual para todo mundo de 30%, não essa confusão que o [ministro da Economia] Paulo Guedes inventou, de 10 formas de transição. A gente faria 30% a mais do tempo que falta para se aposentar para todos”, explicou Paulinho da Força. Sobre o modelo de capitalização da Previdência, o presidente do Solidariedade disse que é possível, desde que inclua a contribuição patronal e abra espaço para as entidades sindicais. “No mundo todo os sindicatos têm os principais fundos de pensão. Ainda precisamos construir propostas alternativas que pudessem incluir as instituições financeiras junto com as entidades sindicais para criar grandes fundos de pensão”, defndeu. PR O presidente do PR, Alfredo Nascimento, disse que o partido também é favorável à reforma “com alguns ajustes”, como na aposentadoria dos professores e trabalhadores rurais e no BPC. “Vamos discutir essas mudanças na proposta dentro do partido, vamos alterar algumas coisas, mas vamos votar com o governo, porque isso [a reforma] é bom para o país, nossa economia precisa disso”, ressaltou. Alfredo Nascimento, disse que, assim como o Solidariedade, o PR é um partido independente e não vai fechar questão em torno da reforma apresentada pelo governo. “Não queremos participar do governo, mas vamos tirar do partido a votação da maioria para ajudar o país”, disse. Comunicação O deputado Augusto Coutinho (PE), líder do Solidariedade na Câmara, disse que chamou a atenção do presidente sobre a necessidade de melhorar a comunicação com a sociedade da importância da reforma da Previdência para o país. “O governo está perdendo a batalha da comunicação na questão da Previdência. O que a gente sente é que hoje já se mudou o clima da opinião pública da importância da reforma, hoje já amenizou bastante. Hoje, a matéria não passa no Congresso, é preciso ouvir todas as bases partidárias para que haja consenso. Nosso sentimento é que o Brasil precisa da reforma mas é preciso que o governo ajude muito”, disse. Conselho político Assim como Paulinho da Força, o presidente do PR apoia a intenção do ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, de criar um conselho político com a participação de presidentes e líderes de partidos. Na semana passada, após se reunir com seis partidos (PRB, PSD, PSDB, DEM, PP e MDB), Onyx propôs a criação do conselho de governo para viabilizar a interlocução entre o governo, os partidos e o Parlamento. Reuniões O presidente Jair Bolsonaro ainda se reúne esta semana com representantes do PSL, Novo, Avante e Podemos. (ABr)
09/04/2019

Bolsonaro se reúne com líderes de mais seis partidos a partir desta terça

Articulação política

Bolsonaro se reúne com líderes de mais seis partidos a partir desta terça

Presidente tem reuniões com PSL, PR, Novo, Avante, Podemos e Solidariedade

O presidente Jair Bolsonaro retoma o diálogo com dirigentes de partidos políticos em busca de apoio para a aprovação de medidas no Congresso Nacional, especialmente a reforma da Previdência. Nesta terça (9) e nesta quarta (10), Bolsonaro deve se reunir com representantes de seis legendas: PSL, PR, Novo, Avante, Podemos e Solidariedade. “O presidente Jair Bolsonaro acredita que o encontro com os presidentes de partidos, na semana passada, e os que vão ocorrer esta semana, significam um reforço muito importante, sob o ponto de vista político, à reforma da Previdência”, afirmou o porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros. Na agenda presidencial desta terça constam reuniões com o PR e o Solidariedade. Às 11h30, Bolsonaro receberá o senador Jorginho Mello (PR/SC) e o deputado Wellington Roberto (PR/PB). Na sequência, irão ao Palácio do Planalto os deputados Paulinho da Força (SP), presidente nacional do Solidariedade, e Augusto Coutinho (PE), líder do partido na Câmara. O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, participa das reuniões com os partidos. Conselho Na semana passada, após se reunir com seis partidos (PRB, PSD, PSDB, DEM, PP e MDB), o presidente propôs a criação do conselho de governo para viabilizar a interlocução entre o governo, os partidos e o Parlamento. “Ele anunciou inclusive a intenção de criar um conselho político, para aproximar o governo dos partidos e do Congresso, como um novo modelo de articulação”, afirmou Rêgo Barros. Antes das reuniões com os partidos, Bolsonaro participará hoje da marcha dos prefeitos, organizada pela Confederação Nacional dos Municípios. À tarde o presidente dará posse ao ministro da Educação, Abraham Weintraub, e depois comandará a reunião do conselho de governo, integrada pela equipe ministerial. Viagens Bolsonaro também deve iniciar uma série de viagens pelo país ao longo dos próximos meses. Nesta quinta-feira (11), o presidente almoça com pastores no Rio de Janeiro. No dia seguinte, embarca para Macapá, onde inaugura a obra do aeroporto da cidade. Estão previstas ainda visitas a Campina Grande (PB), onde Bolsonaro deve prestigiar um projeto local sobre dessalinização da água do mar, e a Manaus, ainda sem datas definidas. “O presidente está buscando também uma agenda de aproximação com essas regiões do país, fazendo sempre alguma entrega quando venha a realizar essas viagens”, informou o porta-voz. Na quinta-feira (11), Bolsonaro comanda a cerimônia de 100 dias de seu governo, no Palácio do Planalto. “Teremos aqui um evento coordenado pela Casa Civil para apresentar algumas dessas realizações, que atingiram mais de 90% das metas finalísticas previstas, e que servirá para prestar contas à sociedade sobre o que já fizemos. E já fizemos muito”, acrescentou Rêgo Barros. (ABr)