Aliança precária

SEAGRI

Ronaldo Lessa cobrou cargos do governador e foi a evento com o prefeito de Maceió
11/04/2019

Ex-governador secretário de Renan Filho cobra nomeações e sinaliza aliança com rival

Aliança precária

Ex-governador secretário de Renan Filho cobra nomeações e sinaliza aliança com rival

Ronaldo Lessa cobrou cargos do governador e foi a evento com o prefeito de Maceió

Pouco mais de um mês após ser nomeado pelo governador Renan Filho (MDB) como secretário de Agricultura do Estado de Alagoas, o ex-governador Ronaldo Lessa (PDT) expôs ontem (10) sua insatisfação com o descumprimento de um acordo político que previa nomeações de sua equipe. Como se não bastasse a cobrança por cargos feita em vídeo publicado nas redes sociais, Lessa apareceu ao lado do principal rival da família Calheiros, o prefeito de Maceió (AL) Rui Palmeira (PSDB), inaugurando uma academia pública municipal, em horário de expediente na manhã desta quinta-feira (11). No vídeo divulgado em seu perfil do Facebook, o secretário de Renan Filho revela que após devolver 81 cargos ao governo, só teve sete nomeações na sua equipe, após as exonerações. E cobrou mudanças na relação com o governo do filho do senador Renan Calheiros (MDB-AL), ao anunciar aos integrantes do PDT a decisão de tentar agilizar as nomeações prometidas, com a entrega do cargo de Laílson Gomes Ferreira, presidente da Agência Reguladora de Serviços de Alagoas (Arsal). Apesar de idas e vindas na aliança com Rui Palmeira, o prefeito manteve no comando da secretaria de Esporte e Lazer o indicado de Lessa, Daniel Maia Mello. Ao lado do maior rival dos Calheiros, na inauguração da academia pública no bairro do Feitosa, o ex-governador demonstrou que busca reatar a aliança política como alternativa para a escassez de cargos prometidos por Renan Filho. E o prefeito tucano não deve  recusar ampliar suas bases políticas. Lessa lembrou ainda que, quando coordenava a bancada federal no Congresso e firmou acordo para compor o governo estadual, no ano eleitoral de 2018, Renan Filho garantiu dois espaços para o PDT no governo: na Arsal e na pasta de Desenvolvimento Econômico e Turismo (Sedetur). Mas depois de Lessa não ser reeleito para a Câmara dos Deputados, Renan Filho não teve sucesso na tentativa de mantê-lo em Brasília (DF), oferecendo secretarias a deputados federais da coligação da qual o ex-governador é 1º suplente. O ex-governador diz que, após aceitar ser secretário e migrar parte dos 81 cargos do PDT da Sedetur para a pasta da Agricultura que passou a comandar, a indicação da Arsal seria devolvida ao governo. Mas a pendência política “tem se arrastado ao longo desses meses, o governo não nomeia ninguém”, o que tem ampliado o desgaste para o PDT, com o esvaziamento da fiscalização na Arsal, cujo gestor Laílson foi convencido a entregar uma carta ao governador, agradecendo pela confiança e deixando o cargo. “Isso é importante para que os companheiros saibam. E saibam também que o espaço que o PDT tem não terá mais a mesma coisa que a gente tinha quando eu tinha um mandato de deputado, apesar de ter a Secretaria de Agricultura, que a gente vai fazer o maior esforço para contemplar a nossa equipe de trabalho e também dar uma resposta que Alagoas merece, que somos um estado agrícola e vamos fazer o possível. Mas nós precisamos botar o pé no chão e entender o momento em que nós estamos vivendo. Um momento difícil. Inclusive até agora só tem sete nomeações feitas na Secretaria de Agricultura, enquanto na Sedetur e na Arsal as pessoas estão exoneradas. Eram essas as explicações que eu queria dar as vocês e eu espero que, a partir de amanhã [hoje], as relações com o governo se modifiquem”, disse Ronaldo Lessa. Acusações e reações Sob o comando de Laílson Gomes, a Arsal foi obrigada pela Justiça, em fevereiro, a dar fim à relação classificada pelo o promotor de Justiça Sidrack Nascimento como de uma organização criminosa que objetiva dilapidar o erário, sangrando R$ 12  milhões em um contrato com empresa de fachada que funcionou em um casebre no interior do Estado. Mas Lessa diz no vídeo que Renan Filho concordou que ficou claro que não houve nenhum problema de improbidade na gestão de Laílson Gomes na Arsal, mas pediu o espaço para acomodar as novas forças que venceram a eleição. O presidente demissionário da Arsal diz que combateu irregularidades de gestão anterior, com a contratação alvo de denúncia. Seis dias após a nomeação de Lessa, o Diário do Poder publicou a reação negativa de produtores que pediam nas redes sociais a saída de Lessa do cargo, criticando a decisão meramente política de Renan Filho. E revelou que o governador justificou a interlocutores que representam o setor que a nomeação fez parte de um acordo político e pediu paciência, afirmando que Ronaldo Lessa deve durar pouco tempo na pasta. A relação com o setor foi pacificada, mas o governo lhe nega condições de atuar com sua equipe. O secretário insatisfeito de Renan Filho é irmão do presidente do Tribunal de Contas de Alagoas, Otávio Lessa. E chegou a liderar pesquisas para senador, em 2017, e foi cotado para disputar o governo. Desistiu de tudo para apoiar as reeleições de Renan Filho e do senador Renan. Nenhuma exoneração ou nomeação relacionada ao PDT foi publicada na edição de hoje do Diário Oficial do Estado de Alagoas. E a assessoria do governador não respondeu se Renan Filho tem algo a dizer a respeito dessa cobrança pública de Ronaldo Lessa por nomeações. Nem informou se alguma dessas nomeações pendentes estão previstas para ocorrer, quando questionada pelo Diário do Poder.
14/03/2019

Ex-governador visita adversário de Renan, após se tornar secretário de Renan Filho

Ponte entre Rivais

Ex-governador visita adversário de Renan, após se tornar secretário de Renan Filho

Ronaldo Lessa foi elogiado pelo prefeito de Maceió Rui Palmeira e prometeu parceria

Dois dias depois de tomar posse como secretário de Agricultura do governo de Renan Filho (MDB), o ex-governador de Alagoas Ronaldo Lessa (PDT) visitou ontem (13) o maior rival político da família Calheiros em Alagoas, o prefeito de Maceió (AL), Rui Palmeira (PSDB). A movimentação política incomum foi divulgada hoje (14) pela assessoria do prefeito tucano, que exaltou o trabalho do pedetista na coordenação da bancada federal alagoana, destinando R$ 6 milhões em emendas parlamentares para a capital alagoana, na legislatura passada. O encontro ocorreu na sede da Prefeitura de Maceió, em Jaraguá, quando Rui Palmeira ressaltou a parceria com Lessa, que no ano passado mantinha cargos na administração da capital e no governo estadual e chegou a debater com o prefeito tucano suas chances de disputar o mandato de governador, incentivado pelo PDT a duelar contra a reeleição de Renan Filho. “Estas parcerias são fundamentais para o crescimento do nosso município, principalmente por serem em áreas tão importantes. Pudemos contar com o trabalho de Ronaldo Lessa como parlamentar e, com certeza, vamos continuar contando com ele como titular da Secretária de Estado da Agricultura, Pecuária, Pesca e Aquicultura (Seagri)”, destacou o prefeito Rui Palmeira, que fez campanha contra a reeleição do senador Renan Calheiros (MDB-AL), no ano passado. Ronaldo Lessa retribuiu os elogios, afirmando que, como deputado federal, buscou contribuir com Maceió, e prometendo manter a aliança à frente da Seagri. “Agora como secretário, não vai faltar compromisso para o desenvolvimento da capital alagoana”, afirmou o ex-governador Ronaldo Lessa, que não conseguiu se reeleger para a Câmara Federal, na coligação dos Calheiros. A assessoria do prefeito tucano lembrou que Lessa propôs a destinação de R$ 5 milhões em recursos para a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), que contemplaram atenção básica e o Hospital Universitário. Outros R$ 500 mil foram destinados para a Secretaria Municipal de Esporte, Lazer e Juventude (Semelj) para investir na implantação e modernização de infraestrutura para o esporte educacional, recreativo e de lazer. E R$ 500 mil foram enviados para a Fundação de Ação Cultural (Fmac) e aplicados em projetos de fomento à atividades culturais. Lessa chegou a liderar pesquisas ao Senado em Alagoas, em 2017. O pedetista governou Alagoas de 1999 a 2006. E antes de se eleger para a Câmara dos deputados, em 2014, perdeu três eleições, ao Senado, em 2006; ao governo, em 2010; e à Prefeitura de Maceió, em 2012. O secretário de Esporte de Maceió, Daniel Maia de Mello, participou do encontro. Ele foi o nome indicado por Ronaldo Lessa para o cargo, após aliança com Rui Palmeira em 2016, quando rompeu com Renan Filho para apoiar a reeleição do prefeito tucano. E segue no cargo como indicação pessoal do prefeito, apesar do rompimento com o PDT em 2018.  
01/03/2019

Ex-governador que perdeu mandato ao apoiar Renan vira secretário em Alagoas

Liderou para senador

Ex-governador que perdeu mandato ao apoiar Renan vira secretário em Alagoas

Ronaldo Lessa chegou a liderar disputa pelo Senado, contra Renan

O ex-governador de Alagoas, Ronaldo Lessa (PDT-AL), foi nomeado ontem para o cargo de secretário estadual de Agricultura, após sacrificar seu mandato na Câmara Federal para apoiar as reeleições dos emedebistas Renan Filho e Renan Calheiros, aos cargos de governador e senador, em 2018. O novo secretário é irmão do presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE/AL), Otávio Lessa. A nomeação é o cumprimento de acordo político firmado por Renan Filho no ano passado, quando Ronaldo Lessa era incentivado a disputar o governo de Alagoas pelo presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, e pelo candidato pedetista a presidente da República, Ciro Gomes, que acabaram cedendo e dando aval para a aliança do ex-governador com o clã Calheiros. Depois de se aliar com o maior rival dos Renans em Alagoas, há dois anos, Ronaldo Lessa chegou a liderar a disputa pelo senado em Alagoas, com dez pontos percentuais à frente de Renan Calheiros, que apareceu listado na terceira posição da pesquisa de intenções de votos do Instituto Paraná Pesquisa, no ano pré-eleitoral de 2017. Lessa foi coordenador da bancada federal de Alagoas no Congresso Nacional e não conseguiu de reeleger como deputado federal, depois de se render à aliança com a coligação de Renan, após a oposição desandar, com a indefinição de qual seria a cabeça da chapa que enfrentaria o favorito Renan Filho, reeleito praticamente sem adversários, com 77% dos votos válidos, em 2018. Cenário de crises A nomeação acontece em meio à crise que ameaça o Programa do Leite de Alagoas e enquanto o governo de Renan Filho se defende das denúncias de ilegalidade no contrato que sangrou R$ 12 milhões dos cofres públicos, sem licitação, sob a gestão de outro pedetista, ainda mantido na presidência da Agência Reguladora de Serviços de Alagoas (Arsal), alvo de denúncias do Ministério Público Estadual. Renan Filho chegou a oferecer cargos de secretários aos deputados federais Nivaldo Albuquerque (PTB-AL) e Marx Beltrão (PSD-AL), com o objetivo de abrir espaço para o ex-governador Ronaldo Lessa assumir a suplência do cargo de deputado federal, em Brasília (DF). Ronaldo Lessa substitui Carlos Henrique de Amorim Soares, na pasta que foi ocupada por quase todo o primeiro mandato de Renan Filho pelo agropecuarista indicado pelo senador Fernando Collor (Pros-AL), Álvaro Vasconcelos, demitido em outubro de 2017, através de um recado por telefone enviado pelo governador por meio de um assessor do governo.  
06/11/2014

Caesb realiza 1º Semana da Bacia do Descoberto

Conscientização ambiental

Caesb realiza 1º Semana da Bacia do Descoberto

O objetivo conscientizar sobre a importância da preservação das nascentes

A Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb) realiza entre os dias 5, 6, 7,8 e 9 de novembro atividades ligadas ao projeto Descoberto Coberto. O objetivo da ação é conscientizar a população rural da importância da preservação das nascentes de água que existem na região do Rio do Descoberto. Na administração da Floresta Nacional de Brasília estão programadas atividades como plantio de mudas de árvores típicas do Cerrado na nascente do córrego Currais, um mutirão de limpeza da Área de Proteção Ambiental e a realização de uma Feirinha do Cerrado com produtos artesanais, slackine e gastronomia. Haverá também piquenique e trilha interpretativa. A Barragem do Descoberto é de suma importância para o Distrito Federal, ela é responsável por 66% da produção total de água, abastecendo as regiões de Ceilândia, Taquatinga, Vicente Pires, Guará, SAI, SCIA, Estrutural, Águas Claras, Núcleo Bandeirante, Park Way, Candangolândia, Riacho Fundo I e II, Recanto das Emas, Gama, Santa Maria e Samambaia. São parceiros da Caesb nesse projeto a Adasa, Emater-DF, Ibram, Seagri, Ministério do Meio Ambiente e ICMBio.