Operação da PF

São Paulo

Investigações apontam que Átila Jacomussi recebia propina mensal de empresas de diferentes ramos
13/12/2018

Prefeito de Mauá é alvo de prisão por recebimento mensal de propina

Operação da PF

Prefeito de Mauá é alvo de prisão por recebimento mensal de propina

Investigações apontam que Átila Jacomussi recebia propina mensal de empresas de diferentes ramos

O prefeito de Mauá (SP), Átila Jacomussi (PSB), é alvo de prisão nesta quinta (13), em uma operação da Polícia Federal em São Paulo que aponta que o prefeito recebia propina mensal de empresas que mantém contratos com a prefeitura da cidade. O ex-secretário de governo João Eduardo Gaspar também é alvo da ação. Os agentes cumprem ainda mandados de busca e apreensão nos gabinetes de 22 dos 23 vereadores da cidade, na Prefeitura de Mauá, na sede do Saneamento Básico do Município de Mauá (Sama), e na casa da coordenadora da Secretaria de Governo de Mauá, Ione Scapinelli. A operação desta quinta é um desdobramento da Operação Prato Feito, deflagrada em maio do ano passado, que investigou o desvio de recursos públicos destinados à compra de merenda escolar em São Paulo, Paraná, Bahia e no Distrito Federal. À época, foram apreendidos diversos documentos na casa do ex-secretário, que indicavam a existência de um esquema de corrupção envolvendo o prefeito de Mauá, o ex-secretário e 22 dos 23 vereadores da cidade. O pagamento feito a Átila Jacomussi era redistribuído por João Eduardo Gaspar aos outros envolvidos no esquema. Os valores da propina variavam entre 10% e 20% do contrato. Durante a Operação Prato Feito, Jacomussi e o ex-secretário foram presos em flagrante por corrupção. Na casa do prefeito foram encontrados R$ 85 mil em espécie. Já com Gaspar, a Polícia Federal apreendeu R$ 588 mil e cerca de € 3 mil. As prisões foram revogadas meses depois pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes. A suspensão do exercício do cargo de prefeito imposto pelo Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) também foi revogada por Gilmar Mendes e dois pedidos de impeachment contra Jacomussi foram rejeitados pela Câmara Municipal de Mauá por 22 votos a 1.
08/12/2018

Bolsonaro tem nova avaliação médica em São Paulo na próxima quinta

Cirurgia próxima

Bolsonaro tem nova avaliação médica em São Paulo na próxima quinta

Se estiver bem, presidente eleito quer fazer logo a cirurgia para retirada da bolsa de colostomia

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, disse neste sábado (8) que vai para São Paulo na próxima quinta (13) fazer nova avaliação médica. Ele afirmou que, se estiver bem, quer fazer logo a cirurgia para retirada da bolsa de colostomia. “Não gostaria de ficar parado em janeiro”, afirmou após participar de cerimônia de formatura dos aspirantes da turma Almirante Saboia, na Escola Naval, no Rio de Janeiro. A operação do presidente eleito estava marcada inicialmente para o dia 12 de dezembro, mas foi adiada após uma série de exames feita no dia 23 de novembro por médicos do Hospital Albert Einstein, em São Paulo. No dia seguinte, Bolsonaro afirmou que a nova avaliação estava marcada para o dia 19 de janeiro e que a cirurgia poderia ser feita no dia 20. Dessa forma, ele só seria submetido ao procedimento depois da posse na Presidência da República, marcada para 1º de janeiro. Os exames pré-operatórios precedem a realização da terceira cirurgia a que Bolsonaro será submetido desde que foi esfaqueado no abdômen por Adélio Bispo, durante ato político, em Juiz de Fora (MG), em 6 de setembro. Ele fez uma cirurgia inicial, de grande porte, na Santa Casa de Juiz de Fora, depois uma segunda, já no Einstein, para corrigir uma aderência. A estimativa é que o período de recuperação dessa terceira cirurgia seja de 10 a 15 dias. Pirassununga Após a cerimônia militar, o presidente eleito disse que nesta sexta (7) confundiu os remédios e dormiu e, com isso, acabou perdendo o compromisso em Pirassununga. Ele afirmou, entretanto, que está se sentindo bem. (ABr)
07/12/2018

Bolsonaro cancela viagem ao interior de SP, onde participaria de evento da Força Aérea

Vai repousar

Bolsonaro cancela viagem ao interior de SP, onde participaria de evento da Força Aérea

No Twitter, o presidente eleito alegou que vai repousar devido a rotina extensa

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, cancelou a viagem que faria hoje (7) para a cidade de Pirassununga, interior paulista, onde acompanharia uma cerimônia na Academia da Força Aérea. No Twitter, o presidente eleito disse que o cancelamento se deu em razão da rotina extensa e das poucas horas de sono. Bolsonaro informou que a decisão foi tomada em parceira com a equipe médica. Bolsonaro, hoje, vai repousar. De acordo com a assessoria de Bolsonaro, ele viajou de Brasília para o Rio de Janeiro hoje e a agenda de compromissos para amanhã (8) está mantida. O presidente eleito participará de evento na Marinha. Por uma rede social, o presidente eleito lamentou sua ausência e parabenizou os militares. “Cumprimento os formandos e suas respectivas famílias e lhes desejo continuados êxitos e novas conquistas! Brasil acima de tudo; Deus acima de todos!”, disse. (ABr)
07/12/2018

Bolsonaro deixa Brasília e participa de evento da Força Aérea em São Paulo

Compromissos do dia

Bolsonaro deixa Brasília e participa de evento da Força Aérea em São Paulo

Antes de deixar a capital, presidente eleito toma café com militares na Base Aérea de Brasília

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, deixa nesta sexta (7) Brasília rumo a Pirassununga, a 200 km de São Paulo. Porém, antes de embarcar ele deverá tomar café da manhã com militares na Base Aérea de Brasília. À tarde ele segue para o Rio de Janeiro. Em Pirassununga, Bolsonaro participará da cerimônia de Declaração de Novos Aspirantes, pela manhã, na Academia da Força Aérea – Estrada de Aguaí (SP-225), km 39. Haverá solenidade de Passagem de Comando: dispositivo pronto às 14h. A previsão é que o evento dure aproximadamente uma hora, em seguida ele seguirá para o Rio de Janeiro onde deverá passar o fim de semana. Nesta quinta (6) foi anunciado o nome da advogada Damares Alves assumirá o Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos. Assessora do senador Magno Malta (PR-ES), ela comandará a pasta que será criada no governo Bolsonaro, a partir de janeiro. O novo ministério também vai agregar ainda Fundação Nacional do Índio (Funai), responsável pela demarcação de terras indígenas e políticas voltadas para esses povos. Com este anúncio, a equipe ministerial já conta com 21 ministros. A expectativa é em torno da definição do titular para o Ministério do Meio Ambiente, a última pasta a ter o nome anunciado. (ABr)