Corrupção

réu

Ele foi denunciado ao STJ, mas caso 'desceu' para a 1ª instância
18/01/2019

Bretas aceita denúncia e Pezão vira réu em processo da Lava Jato do Rio

Corrupção

Bretas aceita denúncia e Pezão vira réu em processo da Lava Jato do Rio

Ele foi denunciado ao STJ, mas caso 'desceu' para a 1ª instância

O juiz Marcelo Bretas, titular da 7ª Vara Criminal Federal, aceitou denúncia contra o ex-governador do Rio de Janeiro Luiz Fernando Pezão, que passa agora a ser réu em processo referente a desdobramento da Operação Lava Jato no estado. Ele foi preso em dezembro, na Operação Boca de Lobo, da Polícia Federal, que investiga o pagamento de mesada de R$ 150 mil para o ex-governador na época em que ele era vice do então governador Sérgio Cabral. Também houve, segundo a delação premiada de Carlos Miranda, operador financeiro de Cabral, pagamento de 13º de propina e ainda dois bônus de R$ 1 milhão como prêmio. Depois que Pezão perdeu o foro privilegiado, a denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) foi para a 1ª instância da Justiça Federal no Rio e foi ratificada pelo Ministério Público Federal no Rio e aceita por Bretas. Outras 14 pessoas foram indiciadas, dentre elas, o ex-secretário de Governo Affonso Henrique Monnerat.
16/01/2019

Justiça de Goiás aceita mais uma denúncia contra João de Deus

Réu pela segunda vez

Justiça de Goiás aceita mais uma denúncia contra João de Deus

Médium é acusado de estupro de vulnerável e violação sexual mediante fraude

A juíza Rosângela Rodrigues dos Santos, da Justiça de Abadiânia (GO), aceitou hoje (16) nova denúncia apresentada pelo Ministério Público contra o médium João Teixeira de Faria, o João de Deus, pelos crimes de estupro de vulnerável e violação sexual. Com a decisão, João de Deus passa à condição de réu em dois processos criminais. O médium está preso desde 16 de dezembro, no Núcleo de Custódia de Aparecida de Goiânia (GO), em função das acusações de crimes sexuais, que teriam sido praticados contra centenas de mulheres. Os advogados negam as acusações. A denúncia aceita pela magistrada foi feita ontem (15) pelo Ministério Público de Goiás (MP-GO). De acordo com o MP, 13 casos de crimes sexuais ocorreram entre o início de 1990 e meados de 2018. As vítimas são do Distrito Federal, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Santa Catarina e São Paulo. Uma das mulheres que afirma ser vítima diz ter sofrido abuso em dois diferentes momentos. O primeiro quando ainda era uma criança. O segundo, já adolescente. Na semana passada, a defesa de João de Deus desistiu do habeas corpus protocolado no Supremo Tribunal Federal (STF). De acordo com o advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, a desistência foi uma estratégia processual. (ABr)
10/01/2019

João de Deus e a mulher são indiciados por posse ilegal de armas

Polícia Civil

João de Deus e a mulher são indiciados por posse ilegal de armas

Delegada também o indiciou por violação sexual mediante fraude

O médium João de Deus e a mulher dele, Ana Keyla Teixeira, foram indiciados pela Polícia Civil por posse ilegal de armas. A informação foi divulgada na manhã desta quinta-feira, 10, durante coletiva concedida pela delegada Karla Fernandes, em Goiânia. A delegada ainda informou que João de Deus foi indiciado mais uma vez por abuso sexual nesta quinta. O médium está preso no Núcleo de Custódia do Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia. “Também estamos encaminhando um hoje dele sendo indiciado por fato ocorrido em 2016, em que a vítima representou na data correta, e reside em São Paulo. Esse inquérito já tinha sido instaurado em agosto do ano passado e está sendo também enviado com indiciamento”, declarou. “Os outros três que estavam também em andamento estão sendo relatados sugerindo arquivamento, uma vez que tem extinção de punibilidade. Ou seja, todos os procedimentos em andamento na Polícia Civil, até o presente momento, estão sendo encaminhados ao Poder Judiciário tanto de Abadiânia quanto de Anápolis”, completou. Nesta quarta, a delegada interrogou João de Deus sobre o crime de posse ilegal de arma de fogo e o depoimento durou cerca de duas horas na cadeia. “A maioria ele alega [das armas] que estava fazendo um bem para a comunidade. Uma ele alega que pegou de uma mulher que estava querendo se suicidar. Outra, de uma mulher que ia matar o marido e a amante. Outra, ele trocou numas pedras no garimpo, outra um garimpeiro entregou para ele porque emprestou um dinheiro e outras duas ele não recorda”, afirmou. Karla Fernanda ainda explicou o motivo pelo qual indiciou a mulher do médium também por posse ilegal de arma. “Arma de fogo em casa não é permitido se a pessoa não tem o porte e a posse ou o registro dela. Uma vez que residem no mesmo local, ambas as pessoas são responsáveis tendo o conhecimento, uma vez que a arma estava, inclusive, na gaveta de peças íntimas dela.” “A força-tarefa da Polícia Civil encerrou todos os seus procedimentos porque já foram indicados em dois [casos] por posse ilegal de arma tanto o João de Deus, como a esposa dele, Ana Keyla, uma vez que ambos moram nas mesmas residências, tanto de Abadiânia, como Anápolis. Nas duas cidades houve apreensão de armas de fogo”, afirmou a delegada. Sobre as armas, um dos advogados de João de Deus, Alex Neder, disse que o médium relatou em depoimento à polícia, na cadeia, que as armas eram de pessoas que queriam tentar se matar ou como “garantia” de empréstimos. MP e Justiça O médium já foi denunciado pelo MP-GO no dia 28 de dezembro por quatro crimes que englobam fatos investigados pela Polícia Civil e pelo próprio MP: dois por violação sexual mediante fraude e dois por estupro de vulnerável. Também nesta quarta-feira, o médium se tornou réu na denúncia feita pelo MP-GO pelos crimes de estupro de vulnerável e violação sexual.
09/01/2019

João de Deus vira réu por abusos sexuais após denúncia ser aceita na Justiça

Crime

João de Deus vira réu por abusos sexuais após denúncia ser aceita na Justiça

O médium está preso desde dezembro após centenas de denúncias

O médium João de Deus se tornou réu nesta quarta (9) pelos crimes de estupro de vulnerável e violação sexual, após a juíza Rosângela Rodrigues dos Santos aceitar a denúncia contra ele. João de Deus foi acusado por centenas de mulheres de cometer abuso sexual durante sessões de tratamento espiritual na Casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia (GO). Há casos desde a década de 1980 até outubro de 2018. O médium está preso desde dezembro do ano passado por posse ilegal de armas. A Polícia Civil de Goiás encontrou revólveres e pistolas na casa de João de Deus, durante o cumprimento de um mandado de busca e apreensão.