Você sabia?

propina

20/05/2019

Delação do chefão da GOL complica projeto presidencial de Rodrigo Maia

Você sabia?

Delação do chefão da GOL complica projeto presidencial de Rodrigo Maia

O MPF tem interpretado doações como corrupção ou antecipação de propina, mas a tese é controversa nos tribunais. O Supremo Tribunal Federal analisa caso a caso, mas em alguns casos doações eleitorais têm sido consideradas propina antecipada.
14/05/2019

Dono da GOL faz acordo e entrega Lula, Temer, Cunha, Geddel e por aí vai…

Delação Premiada

Dono da GOL faz acordo e entrega Lula, Temer, Cunha, Geddel e por aí vai…

Em nota, a defesa de Temer reafirmou que o ex-presidente nunca cometeu crimes e disse que “soa estranha” a divulgação dos depoimentos antes do julgamento do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que deve decidir amanhã (14) sobre o pedido de liberdade relacionado a outro processo.
15/04/2019

José Maria Marin é banido do futebol e pagará multa de R$ 3,8 milhões

Corrupção no Futebol

José Maria Marin é banido do futebol e pagará multa de R$ 3,8 milhões

Cartola foi considerado culpado por esquema de propinas entre 2012 a 2015

O Comitê de Ética da Federação Internacional de Futebol (Fifa) considerou o ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), José Maria Marin, culpado por recebimento de propina. Com isso, ele foi banido de qualquer atividade relacionada ao futebol pelo resto de sua vida. Marin está preso nos Estados Unidos desde 2017. Fifa também impôs uma multa de 1 milhão de francos suíços (cerca de R$ 3,2 milhões). Segundo a Fifa, Marin, ex-governador de São Paulo de 1982 a 1983,  foi notificado hoje (15), data a partir da qual começam a valer as sanções. Segundo a federação, Marin se envolveu em diversos esquemas de pagamento de propina de 2012 a 2015, em relação a contratos com empresas de mídia e marketing de direitos de transmissão de eventos esportivos da CBF, da Confederação Sul-Americana (Conmebol) e da Confederação das Américas Central, do Norte e Caribe (Concacaf). Outro ex-presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, já tinha recebido as mesmas punições em abril de 2018, pelas mesmas irregularidades. (ABr)
09/04/2019

Ex-secretários de Saúde são presos por propina de R$ 1 milhão por UPA no DF

Operação Conteiner

Ex-secretários de Saúde são presos por propina de R$ 1 milhão por UPA no DF

Entre os presos estão Rafael Barbosa e Elias Miziara, gestores durante o governo de Agnelo Queiroz

Os ex-secretários de Saúde do Distrito Federal Rafael Barbosa e Elias Miziara, ambos gestores durante o governo de Agnelo Queiroz (PT), foram presos na manhã desta terça (9), durante a Operação Conteiner, do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT). A Operação Conteiner investiga a contratação da empresa Metalúrgica Valença Indústria e Comércio Ltda pela Secretaria de Saúde do DF para a entrega de materiais para a montagem de Unidades de Pronto Atendimento (UPA) e unidades semelhantes. Servidores públicos da Secretaria de Saúde da capital são acusados de atuar na realização de licitações que beneficiavam a Metalúrgia Valença e o dono, Ronald de Carvalho. A atuação criminosa teria começado com a determinação do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral pelo direcionamento de um pregão em favor da metalúrgica. A partir daí, houveram tratativas para o pagamento de propina para o grupo liderado por Cabral. De acordo com as investigações, o grupo criminoso planejou a expansão do “projeto das UPAs” para todo o país, acertando o pagamento de R$ 1 milhão em propina por unidade construída. Atas de registros de preços da Secretaria de Saúde do Rio eram vendidas pela organização criminosa e foram aderidas pela Secretaria de Saúde do DF. O MP estima que as contratações suspeitas ultrapassam R$ 142 milhões. Os investigadores apontam também a participação do ex-secretário de Saúde do Rio de Janeiro, Sérgio Cortes; do empresário da área de produtos médicos/hospitalares, Miguel Iskin; e de Arthur Cézar de Menezes Soares Filho, conhecido como Rei Arthur. Nove mandados de prisão Ao todo, os agentes cumprem nove mandados de prisão preventiva e 44 mandados de busca e apreensão no Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Goiás, Minas Gerais e no Distrito Federal — autorizados pelo Juízo da 1ª Vara Criminal de Brasília. Também foram presos o ex-secretário adjunto de gestão da SES/DF, Fernando Araújo; o ex-subsecretário de saúde do DF, José Falcão; Edcler Carvalho, diretor comercial da Kompazo, empresa que vende produtos hospitalares; e Claúdio Haidamus. Prisões anteriores Em novembro do ano passado, Rafael Barbosa e Elias Miziara chegaram a ser presos por suspeita de fraude em licitações da Secretaria de Saúde, com a reprodução do esquema liderado por Cabral no Rio de Janeiro. Também no ano passado, os dois ex-gestores foram condenados por improbidade administrativa ao transferir para o Icipe a administração do Hospital da Criança de Brasília. Miziara foi exonerado do cargo em 2014, após declarar que a população do DF teria o “mau hábito” de procurar as emergências à noite. “É certo que as pessoas trabalham, têm suas necessidades, mas organizar um sistema como esse atendendo às necessidades de cada pessoa torna-se uma tarefa hercúlea, de grande dificuldade”, afirmou Miziara à época.