1ª agenda internacional

ministros

Na terça, presidente brasileiro vai presentar agenda liberal, tratando de privatizações e reforma da Previdência
21/01/2019

Bolsonaro chega à Suíça para o 49º Fórum Econômico Mundial, em Davos

1ª agenda internacional

Bolsonaro chega à Suíça para o 49º Fórum Econômico Mundial, em Davos

Na terça, presidente brasileiro vai presentar agenda liberal, tratando de privatizações e reforma da Previdência

O presidente Jair Bolsonaro desembarcou pouco depois das 11 horas desta segunda-feira (no horário de Brasília), 21, em Zurique, de onde deve seguir de carro para Davos, nos Alpes Suíços, para participar da 49ª reunião anual do Fórum Econômico Mundial. O primeiro compromisso oficial de Bolsonaro começa só na tarde de terça-feira, 22. Uma reunião privada com o professor Klaus Schwab, fundador do Fórum. Às 15h30 de terça, o brasileiro faz a palestra inaugural do Fórum. Bolsonaro será o primeiro de cinco chefes de Estado a se dirigir à plateia de empresários, banqueiros e representantes de organismos internacionais. Em sua estada, Bolsonaro pretende apresentar aos investidores nos Alpes sua agenda liberal para a economia, tratando de privatizações e reforma da Previdência. O presidente também deseja certificar as credenciais democráticas do país e tratar de temas como inserção e cooperação regional, Mercosul e crise na Venezuela, a qual será objeto de um painel paralelo à agenda oficial nesta quarta, 23, com a participação da comitiva brasileira. São esperados também encontros bilaterais com ministros e chefes de Estado, que estavam sendo alinhavados. Acompanham o presidente os ministros Paulo Guedes (Economia), Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública), Gustavo Bebianno (Secretaria-Geral da Presidência), Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e general Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), além do deputado Eduardo Bolsonaro, seu filho, e do presidente da Apex, Mario Vilalva. O secretário especial de comércio, Marcos Troyjo, chegou antes à cidade, assim como o governador João Doria (São Paulo), que aterrissou em voo comercial nesta manhã. A comitiva deve permanecer em Davos por quatro dias, duração pouco comum —os chefes de Estado e governo dificilmente passam mais de 48 horas no resort do leste suíço. (Com informações da FolhaPress)
18/01/2019

Historicamente, no Brasil, nove ministros são demitidos já no primeiro ano

Demissão

Historicamente, no Brasil, nove ministros são demitidos já no primeiro ano

É a média dos últimos três presidentes. Os petistas Lula e Dilma demitiram oito e nove ministros respectivamente no seu primeiro ano. Michel Temer demitiu nove.
17/01/2019

Comitiva interministerial está em Roraima para ver situação de imigrantes

Avaliação

Comitiva interministerial está em Roraima para ver situação de imigrantes

Essa é primeira visita oficial interministerial do ano, na gestão do governo Bolsonaro

A Comitiva interministerial do Governo Federal está em Roraima para verificar a ações que estão sendo realizadas no Estado no acolhimento dos refugiados venezuelanos e os reflexos da crise migratória na economia local. O grupo é formado pelos ministros da Defesa, General Fernando Azevedo; da Educação, Ricardo Vélez Rodrigues; da Cidadania, Osmar Terra; e da Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner de Campos Rosário, além de autoridades militares e civis. Essa é primeira visita oficial interministerial do ano, na gestão do governo Bolsonaro, com objetivo de analisar as ações desenvolvidas com os refugiados venezuelanos atendidos pela Operação Acolhida. Serão avaliadas também demandas sobre a crise econômica no Estado, que atinge em especial a educação, saúde e segurança pública. A comitiva visitou às instalações da Operação Acolhida, em Boa Vista como Posto de Triagem, Rodoviária e Rondon 3. Às 17h, os ministros iniciaram uma reunião com o governador de Roraima, Antonio Denarium, onde serão apresentados dados sobre a atual situação do Estado. Na sexta-feira, 18, os ministros vão à Pacaraima para conhecer as ações desenvolvidas pela Força-Tarefa Logística Humanitária, na fronteira com a Venezuela.
16/01/2019

Tratado de extradição entre Brasil e Argentina será aprimorado, diz Moro

Cooperação

Tratado de extradição entre Brasil e Argentina será aprimorado, diz Moro

Ministro da Justiça e Segurança Pública se reuniu com ministros argentinos que acompanham Macri e mvisita ao Brasil

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, disse hoje (16) que o tratado de extradição entre Brasil e Argentina será aprimorado. Nesta manhã, Moro reuniu-se com os ministros argentinos de Justiça e Direitos Humanos, Germán Garavano, e da Segurança, Patrícia Bullrich. Eles acompanham o presidente da Argentina, Mauricio Macri, em sua visita oficial ao Brasil. Moro falou rapidamente com a imprensa após a apresentação das delegações no Palácio do Planalto, onde Macri foi recebido pelo presidente Jair Bolsonaro. Para o ministro brasileiro, os tratados de extradição são antigos, e a revisão vai permitir uma comunicação mais rápida entre os dois países. “As formas de comunicação hoje são outras, e a percepção é de que há uma necessidade de sempre agilizar esses mecanismos de cooperação”, afirmou.