Crise à moda antiga

LULA

Relatório revelou 'dinheiro estranho' de R$270 milhões em 2015
11/12/2018

Coaf sabe: PT é campeão em dinheiro estranho desde 2015

Crise à moda antiga

Coaf sabe: PT é campeão em dinheiro estranho desde 2015

Relatório revelou 'dinheiro estranho' de R$270 milhões em 2015

Em 32 páginas, o Relatório de Inteligência Financeira nº 18.340 do Coaf revelou, em 2015, movimentação financeira de alguns dos principais líderes do PT, a começar pelo ex-presidente Lula, em cujas contas circulou espantosa receita de mais de R$ 53 milhões. Números bem mais significativos que os R$ 1,2 milhão movimentados por um motorista do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), de R$ 8 mil. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder. Lula virou deboche nacional ao afirmar que todo aquele dinheiro foi decorrente de “palestras”. Seriam as palestras mais caras do planeta. O rastreamento do Coaf de recursos mal e porcamente contabilizados pegou também o ex-ministro Antônio Palocci: R$ 216 milhões. Palocci foi coordenador das campanhas presidenciais do PT. Chamam de “coordenador” aquele que comanda a arrecadação de dinheiro. Outra figura fisgada pelo relatório do Coaf de outubro de 2015 foi Erenice Guerra, ex-ministra da Casa Civil de Dilma: R$26 milhões.
06/12/2018

Lula acertou propina ao filho em troca de benefícios a montadoras, diz Palocci

Corrupção petista

Lula acertou propina ao filho em troca de benefícios a montadoras, diz Palocci

Ex-ministro acusa ex-presidente de 'ajudar' filho com vantagens ilícitas

O ex-ministro Antonio Palocci (Fazenda e Casa Civil) acusou nesta quinta-feira (6) o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de acertar com um lobista do setor automobilístico pagamentos ao filho caçula, Luís Cláudio Lula da Silva, em troca de benefícios viabilizados por uma medida provisória. Em depoimento prestado à 10ª Vara da Justiça Federal em Brasília, Palocci declarou ter sido procurado por Luís Claudio entre 2013 e 2014 pedindo ajuda para captar recursos para projetos esportivos. Ele organizava um campeonato de futebol americano no Brasil. O ex-ministro Antonio Palocci ao chegar à Justiça Federal em Curitiba, em 29 de novembro, quando deixou a prisão para cumprir pena em regime domiciliar Reprodução – 29.nov.2018/TV Globo O ex-ministro Antonio Palocci ao chegar à Justiça Federal em Curitiba, nesta quinta-feira (29). Foto: Reprodução/TV Globo    O ex-ministro relatou ter se encontrado com Lula depois, no Instituto Lula, para tratar do assunto. Na ocasião, o ex-presidente teria admitido a combinação ilícita. “Não precisa se preocupar, porque eu já arrumei esses recursos na renovação dos benefícios da Caoa e da Mitsubishi”, disse o ex-mandatário, conforme o depoente. As duas montadoras conseguiram em 2009 e em 2013, por meio de medidas provisórias, incentivos fiscais para manter suas fábricas na região Centro-Oeste. Uma das empresas de Luís Cláudio recebeu R$ 2,5 milhões do lobista Mauro Marcondes Machado, que representava as duas empresas perante o governo e o Congresso. Palocci depôs como testemunha de acusação, arrolado pelo MPF (Ministério Público Federal) em Brasília, em ação penal contra Lula. Ele falou por videoconferência ao juiz substituto Ricardo Leite, da 10ª Vara Federal no Distrito Federal, na qual tramita a ação penal sobre o caso. O ex-ministro fez um acordo de delação premiada com a Polícia Federal e está em prisão domiciliar. O MPF denunciou em setembro do ano passado o ex-presidente, o ex-ministro Gilberto Carvalho e mais cinco pessoas por, supostamente, vender uma medida provisória de 2009 a montadoras de veículos. Eles são acusados de corrupção ao elaborar e editar, em 2009, a MP 471, que prorrogou por cinco anos incentivos fiscais a fábricas instaladas no Norte, no Nordeste e no Centro-Oeste, a título de fomentar o desenvolvimento dessas regiões. Outra MP, a 627, renovou em 2013 os benefícios da 471 que estavam por vencer no ano seguinte. A regra que prorrogou novamente os incentivos foi incluída no texto no Congresso, via emenda parlamentar. Esse caso é tratado em outra ação penal, na qual Lula e o filho caçula, Luís Claudio, são acusados de tráfico de influência para viabilizar a aprovação do benefício. A investigação foi feita pelo MPF na Operação Zelotes, com apoio técnico da Coordenação-Geral de Procedimentos Especiais da Corregedoria-Geral Do Ministério da Fazenda. Galeria Lula deixa prisão pela primeira vez para depor Veja fotos de manifestantes nos arredores da Justiça Federal do Paraná, nesta quarta-feira (14), durante depoimento do ex-presidente Lula
06/12/2018

Palocci deve prestar depoimento no processo da Operação Zelotes

Nesta quinta

Palocci deve prestar depoimento no processo da Operação Zelotes

No processo, ex-presidente Lula é acusado por corrupção passiva; FHC também deve prestar depoimento

A Justiça Federal do Distrito Federal confirmou para nesta quinta (6) o depoimento do ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci. Ele é testemunha de acusação no processo da Operação Zelotes, no qual o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é réu por corrupção passiva. Há também a previsão de depoimento do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, como testemunha de defesa. Os depoimentos serão tomados na Justiça Federal de São Paulo. O juiz Vallisney de Souza  Oliveira, que conduz a ação penal na 10ª Vara Federal, indicou que Palocci prestará depoimento por videoconferência como testemunha de acusação de Lula. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso foi indicado como testemunha de defesa do lobista Mauro Marcondes, que é réu no mesmo processo. Não há informações sobre seu comparecimento. . Há dois dias, a Justiça Federal aceitou o pedido da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para ele ser dispensado de comparecer pessoalmente à audiência. Depoimentos Também estão previstos os depoimentos de João Bastista Gruginski, apontado como operador, durante as investigações da Operação Zelotes. O ex-ministro Palocci prestará depoimento por videoconferência, enquanto Gruginski será ouvido presencialmente. Também serão ouvidas nesta quinta-feira as testemunhas de defesa Aloisio Masson, César Augusto Rabello Borges e Miguel João Jorge Filho. Nesta sexta (7) estão previstos os depoimentos das seguintes testemunha de defesa Luiz Antonio Rodrigues Elias, Ivo da Motta Azevedo Corrêa, Nelson Machado, Marcos Augustos Hernandes Vilarinho e Eduardo Garcia Ruiz. Todos serão ouvidos em São Paulo. De acordo com a assessoria, o juiz Vallisney de Souza Oliveira estará de férias durante os depoimentos, e a condução das audiências ficará a cargo do juiz federal substituto Ricardo Augusto Soares Leite. Zelotes A Operação Zelotes foi deflagrada em 2015 pela Polícia Federal para investigar a venda de medidas provisórias e supostas irregularidades em julgamentos do Conselho Administrativo de Recursos Federais (Carf), vinculado ao Ministério da Fazenda. Segundo as investigações, houve intensa negociação envolvendo empresas e conselheiros do Carf, no esforço de reduzir e até anular multas. (ABr)
04/12/2018

Lewandowski quer cumprimento de autorização para Lula dar entrevistas

Supremo

Lewandowski quer cumprimento de autorização para Lula dar entrevistas

Ministro diz que a argumentação que impedia a entrevista “foi esvaziada” após a realização da eleição para presidente.