Ministério da Economia

Governo federal

Montante é 49% superior à avaliação dos veículos estimada em R$ 816 mil
17/05/2019

Governo federal arrecada R$ 1,2 milhão com venda de carros usados

Ministério da Economia

Governo federal arrecada R$ 1,2 milhão com venda de carros usados

Montante é 49% superior à avaliação dos veículos estimada em R$ 816 mil

O Ministério da Economia arrecadou R$ 1,215 milhão com a venda de 86 carros usados. O montante é 49% superior à avaliação dos veículos estimada em R$ 816 mil. O leilão de venda foi realizado nesta quinta-feira (16) e ocorreu simultaneamente, de forma presencial e eletrônica. É o segundo leilão de veículos feito após a implantação do TáxiGov. No primeiro, em outubro de 2018, foram vendidos 35 veículos, dos 47 ofertados, e arrecadados R$ 568 mil. Os carros colocados à venda eram utilizados pelo Ministério das Relações Exteriores, Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos e pelos extintos Ministério do Trabalho e Emprego, Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços e Ministério da Integração Nacional. Foram leiloados, também, veículos da Advocacia Geral da União (AGU) e do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Além da receita arrecadada, segundo o Ministério da Economia, o leilão também possibilita a redução de despesas com manutenção dos carros e compra de combustível, limpeza e manutenção de garagem. A venda foi decorrente da implantação do sistema de TáxiGov, que começou a ser implantado em março de 2017 em todos os órgãos da administração federal direta em Brasília. O serviço, que substitui o uso de carros oficiais, diminuiu em 61% os gastos do governo com transporte. (ABr)
08/05/2019

Governadores cobram plano do governo federal para assegurar estabilidade financeira

"Fila da bancarrota"

Governadores cobram plano do governo federal para assegurar estabilidade financeira

Segundo governador do DF, Ibaneis Rocha, situação atual é "fila da bancarrota", onde "todos vão cair"

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), esteve nesta quarta (8) em um café da manhã com o presidente Jair Bolsonaro, líderes do Senado e os demais governadores. O objetivo era discutir o pacto federativo, que é esperado para que a situação financeira dos estados melhore. Os governadores reivindicaram a implementação de um plano pelo governo federal que restabeleça o equilíbrio fiscal nos estados e no Distrito Federal. Segundo Ibaneis, essa pauta está avançada entre os governadores, já que as discussões entre eles ocorre desde o ano passado. “Começamos nossas reuniões logo após as eleições. Eles [o governo federal] começaram a trabalhar isso durante a transição. O ministro Paulo Guedes tem deixado muito claro que esse plano, chamado de Plano Mansueto, vem com uma vontade muito grande de incentivar os estados que estão com disposição de fazer suas reformas administrativas e o enxugamento da máquina, inclusive com as privatizações”, declarou. Segundo Ibaneis, os governadores têm a necessidade de colocar o plano do governo em prática o mais rápido possível, para que haja a recuperação financeira dos estados. “Temos dez estados que não suportam esse ano, mais nove que não suportam o ano que vem. Essa é a fila da bancarrota: todos vão cair.” A cobrança está presente em uma carta elaborada pelos governadores, como resultado dos fóruns que vem acontecendo desde o ano passado. Nela, são cobrados alguns pontos para “assegurar a estabilidade financeira dos estados” e a “promoção do desenvolvimento social em todas as regiões do Brasil”. No documento, os governadores reiteram a importância de que sejam realizadas as compensações pelas perdas na arrecadação tributária decorrentes da desoneração de exportações, regulamentada na Lei Kandir. Os governadores cobraram também a instituição de um Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profisisonais da Educação (Fundeb) “permanente e dotado de status constitucional, que atenda às reais necessidades da população brasileira no tocante à educação”. O quarto ponto da carta pede a regularização adequada da “securitização” de créditos dos estados e do DF para o fortalecimento de suas finanças. Os governadores pedem ainda a garantia de repasses federais dos recursos provenientes de cessão onerosa e bônus de assinatura. Por último, na carta, os chefes dos estados buscam o apoio à PEC que aumenta para 25% a parcela do produto da arrecadação dos impostos sobre a renda e proventos de qualquer natureza e produtos industrializados. Reforma da Previdência A reforma da Previdência também estava na pauta do encontro. Para o governador, as mudanças devem atender a comunidade e não só a economia. “Tem dois pontos que são muito ressaltados, principalmente pelos governadores do Norte e Nordeste — onde mora a grande maioria da população pobre —, que é a questão do BPC e da aposentadoria rural. Eu acho que esses pontos o Congresso já entendeu de retirá-los e falta agora a anuência do governo federal”, afirmou. Segundo o governador, a intenção de todos é que a a reforma seja aprovada ainda no primeiro semestre. Ibaneis afirmou ainda que os governadores sempre apoiaram a reforma da Previdência, desde que os eleitos no ano passado começaram a se reunir nos fóruns dos governadores, quando ainda não era conhecido o texto enviado ao Congresso. O chefe do Executivo local falou, no entanto, que será grande o exercício de conciliação entre os parlamentares. “Tque ser colocado de forma muito clara que essa eleição passada foi a eleição que manteve o país dividido. A grande maioria dos governadores não tem controle de suas bancadas. E isso acontece com o próprio governo federal. Basta que você analise as discussões que existem dentro do próprio partido do presidente da República”, completou o governador do Distrito Federal. Ibaneis negou que Bolsonaro tenha condicionado a elaboração do pacto federativo ao apoio dos governadores à reforma da Previdência. “Eu não ouvi isso do presidente em nenhum momento. Eu ouvi uma disposição ao diálogo muito grande. Acho que ele compreende [cada vez mais] a importância dele participar do debate político”, afirmou o emedebista. Ainda segundo o governador, a intenção é que a reforma da Previdência seja aprovada o mais rápido possível para que se possa “virar a página”. “Ali na esquina, os problemas são muito maiores: saúde, educação, segurança pública e um desemprego alarmante em todo o país.” Greves no DF Ibaneis caracterizou como uma falta de compreensão com o governo a greve e os indicativos de paralisação dos serviços públicos do DF. Desde a última semana, os funcionários do Metrô-DF estão em greve, reivindicando a manutenção do acordo coletivo de trabalho, que venceu em abril. Além de pedir que a jornada de trabalho dos pilotos passe de 8 horas para 6 horas por dia e o cumprimento de sentenças judiciais. “Todos nós sabemos que não vai dar em nada, porque não existe possibilidade de se negociar nada no âmbito de salários”, declarou o governador. O chefe do Executivo local disse ainda que, por causa de gestões passadas no DF de esquerda e socialistas, “houve uma apropriação das empresas do Distrito Federal pelo serviço público”, com aumentos salariais fora da proporção nacional. Quando você pega um condutor de um trem de metrô, ele ganha em torno de R$ 12 mil. Enquanto em São Paulo, ele faz o mesmo serviço e ganha R$ 4 mil.” Segundo o governador, agora terão que ser feitas mudanças para que as empresas não quebrem. “Vamos chegar no ponto de estados — como o Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte — que tem salários atrasados. O que eu to fazendo, junto da minha equipe econômica, é um esforço para manter as contas do Distrito Federal em dia”, afirmou.
24/04/2019

Governo federal suspende compra e aluguel de imóveis e veículos

Regalias cortadas

Governo federal suspende compra e aluguel de imóveis e veículos

A exceção é para imóveis destinados à reforma agrária e aqueles administrados pelo Ministério da Defesa ou pelos Comandos da Marinha, do Exército ou da Aeronáutica.
23/04/2019

Governo federal suspende compra e aluguel de imóveis e veículos

Cortes

Governo federal suspende compra e aluguel de imóveis e veículos

Medida inclui ainda contratação de fornecimento de jornais e revistas e serviços de ascensorista

O governo suspendeu, a partir desta terça (23), a compra e aluguel de imóveis, veículos, a contratação de fornecimento de jornais e revistas em meio impresso; e de serviço de ascensorista. A decisão foi publicada por meio de portaria no Diário Oficial da União. A exceção é para imóveis destinados à reforma agrária e aqueles administrados pelo Ministério da Defesa ou pelos Comandos da Marinha, do Exército ou da Aeronáutica; a compra de carros de representação para uso exclusivo do presidente e do vice-presidente da República; a prorrogação contratual e as despesas relacionadas a censo demográfico ou agropecuário e a ações de defesa civil. Em caso de “relevância e urgência, excepcionalidades pontuais” poderão ser autorizadas por ato fundamentado da autoridade máxima do órgão. “As solicitações deverão ser encaminhadas pela Secretaria-Executiva do respectivo ministério interessado à Secretaria-Executiva do Ministério da Economia para análise, acompanhadas de justificativas fundamentadas quanto à projeção de gasto até o término do exercício e dos aspectos de economicidade, relevância e urgência, até o dia 30 de novembro de cada ano”, diz a portaria. Caberá ao ministro da Economia, Paulo Guedes, autorizar as contratações. (ABr)