Copa do Mundo

Fifa

Nas oitavas de final. a Bélgica pega o Japão e a Inglaterra, a Colômbia
28/06/2018

Bélgica vence Inglaterra e fica em primeiro no Grupo G

Copa do Mundo

Bélgica vence Inglaterra e fica em primeiro no Grupo G

Nas oitavas de final. a Bélgica pega o Japão e a Inglaterra, a Colômbia

Em clima de amistoso, a Bélgica venceu a Inglaterra por 1 x 0 em Kaliningrado. Com as duas seleções já classificadas, o resultado não provocou euforia de um lado ou tristeza de outro. A vitória belga deixou o país em primeiro no Grupo G. Nas oitavas de final. a Bélgica pega o Japão e a Inglaterra, a Colômbia. Temendo lesões, cansaço excessivo ou suspensão por cartões, os treinadores das duas equipes pouparam praticamente todos os titulares. Com isso, não foi possível ver como os times se comportariam contra uma seleção de nível mais alto. Nas A partida teve alguns momentos de emoção no primeiro tempo. Um deles foi aos 5 minutos, quando o belga Tielemans arriscou um bom chute de longe e quase surpreendeu o goleiro inglês Pickford, que espalmou para a frente. O segundo tempo começou com mais ação. Rashford invadiu a área belega duas vezes com perigo. Na primeira, finalizou mal, para fora. Na segunda, driblou dois belgas, mas foi desarmado. Quando a Inglaterra começava a mostrar mais vontade de vencer, a Bélgica fez o gol da vitória. Aos 5 minutos, Januzaj entrou na área pela direita, deu um corte no zagueiro e acertou um belo chute no ângulo do goleiro Pickford. Aos 20 minutos, quase veio o empate. Rashford recebeu livre, em velocidade, avançou para o gol e chutou, frente a frente com Courtois. O goleiro belga conseguiu desviar para escanteio. A Inglaterra continuou buscando o gol, mas sem muito ímpeto. Nos acréscimos, a Bélgica quase ampliou. Em jogada pela direita, a bola foi centrada para o meio da área e Mertens quase marca. Pickford defendeu o chute e, no rebote, a defesa conseguiu salvar.(ABr)
11/06/2018

Presidente da CBF pede a Fifa que prepare a taça para o Brasil

Rússia 2018

Presidente da CBF pede a Fifa que prepare a taça para o Brasil

'Quero levantar a taça', diz o presidente da CBF, coronel Nunes

Presidente da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), o coronel aposentado da Polícia Militar Antônio Carlos Nunes, 80, já está na Rússia e demonstra muita confiança no hexa. Nesta segunda-feira (11), ele participou de reunião do Conselho Conmebol na capital russa, que contou com a presença do presidente da Fifa, Gianni Infantino, e mandou um recado: “Eu disse ao Infantino que ele pode preparar a taça para o Brasil. Quero levantar a taça”, disse Nunes, num rápido bate-papo com os jornalistas. Ele também deu uma alfinetada na Áustria e nos zagueiros que foram violentos com Neymar na vitória da seleção por 3 a 0 em amistoso no domingo (10), em Viena. “A Áustria achou que iria fazer frente, porque ganhou da Alemanha [2 a 1]. Mas não deu para a saída. O zagueiro está procurando Neymar até agora.” Nunes viajará agora para Sochi, onde nesta terça (12) terá um encontro com a seleção brasileira e posará para foto oficial. Lá também estará Rogério Caboclo, que assumirá a presidência da entidade no próximo ano. Caboclo é chefe da delegação no Mundial e já está na cidade litorânea que é a casa da equipe nacional. Depois, Nunes voltará a Moscou para participar do Congresso da Fifa nesta quarta (13). A reunião definirá a sede da Copa de 2026. Nunes, como integrante do Conmebol, votará na candidatura United-2026, composta por Canadá, EUA e México. O Marrocos é o outro concorrente. O presidente da CBF também confirmou informação dada pela Conmebol de apoio unânime a Infantino na eleição da Fifa de 2019. Nunes comanda a CBF desde 15 de dezembro de 2017, quando Marco Polo del Nero recebeu da Fifa suspensão provisória de 90 dias. Em 27 de abril, a entidade o baniu definitivamente do futebol após considerá-lo culpado de corrupção por receber propina na venda de direitos de transmissões. Além disso, foi multado em 1 milhão de francos suíços (R$ 3,5 milhões na cotação da época). Del Nero não viaja para fora do país desde 2015, quando eclodiu o escândalo de corrupção na Fifa. Por isso, o Brasil não teve seu principal dirigente no sorteio dos grupos da Copa, em 1º de dezembro.
27/04/2018

Fifa decide banir do futebol ex-presidente da CBF sob suspeita

Para sempre

Fifa decide banir do futebol ex-presidente da CBF sob suspeita

Del Nero foi considerado culpado por envolvimento em corrupção

A Câmara Adjudicatória do Comitê de Ética da Federação Internacional de Futebol (Fifa) baniu hoje (27) o ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Marco Polo Del Nero, de atividades relacionadas ao futebol. A punição o impede de continuar a exercer qualquer atividade tanto em nível nacional quanto internacional. Del Nero começou a ser investigado pelo comitê em novembro de 2015, por suspeita de envolvimento em esquemas de recebimento de propina para beneficiar empresas de mídia e de marketing em torneios de futebol, como as copas América, Libertadores e do Brasil. Segundo a Câmara Adjudicatória da Fifa, Del Nero foi considerado culpado por recebimento de propina e envolvimento em corrupção, por oferecer/aceitar presentes ou outros benefícios e por conflito de interesse, entre outros. Além disso, a Fifa impôs ao ex-presidente da CBF uma multa de 1 milhão de francos suíços (cerca de R$ 3,5 milhões). Del Nero foi diretor do Palmeiras Del Nero é formado em Direito pela Universidade Mackenzie, em São Paulo, desde 1967, tendo se especializado na área de Direito Penal. Em 1971, foi nomeado diretor da Comissão de Sindicância do Palmeiras, onde foi diretor jurídico, diretor de futebol e secretário do Conselho de Orientação e Fiscalizador. Em 1985, passou a integrar o Tribunal de Justiça Desportiva da Federação Paulista de Futebol, que foi presidido por ele de 1988 a 2002. Em 2003, foi eleito vice-presidente da federação e, em seguida, assumiu a presidência, tendo sido reeleito em 2010. Foi indicado pela Confederação Brasileira de Futebol para ser o chefe da delegação da Seleção Brasileira na Copa do Mundo da Alemanha, em 2006, e, em 2014, foi eleito presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), substituindo José Maria Marin, que se encontra preso em Nova York. Diante das investigações internacionais que recaíram sobre ele, e com medo de ser preso, a exemplo de seu antecessor, Del Nero não viaja para o exterior desde maio de 2015. Desde dezembro de 2017, Del Nero já havia sido banido do futebol pela Fifa, mas em caráter provisório. Inquérito no STF é desmembrado O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), desmembrou ontem (26) o inquérito sobre Del Nero que tramitava na Corte, enviando a parte referente ao dirigente para a primeira instância da Justiça Federal do Rio de Janeiro. No mesmo inquérito estão implicados os ex-presidentes da CBF, José Maria Marin, já condenado nos Estados Unidos, e Ricardo Teixeira. Eles são suspeitos de participação em diversas irregularidades relativas à Copa do Mundo de 2014 e ao suposto financiamento ilegal de campanhas eleitorais. Permanece no STF somente a parte do inquérito relativa ao deputado Marcus Antônio Vicente (PP-ES). Entre os crimes praticados estaria evasão de divisas, sonegação fiscal, lavagem de dinheiro, estelionato e falsidade ideológica. O inquérito foi aberto com base no relatório alternativo da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Futebol, de 2015, elaborado pelos senadores Romário (Podemos-RJ) e Randolfe Rodrigues (Rede-AP), que indiciaram os dirigentes. O relatório oficial, de autoria de Romero Jucá (PMDB-RR) e aprovado pela comissão, não havia indiciado ninguém.(ABr)
11/01/2017

Relógios de luxo da Fifa somem durante prêmio de Melhor do Mundo

US$ 100 mil

Relógios de luxo da Fifa somem durante prêmio de Melhor do Mundo

No total, as peças teriam um valor de cerca de R$ 319 mil

Longe do glamour da festa de gala nesta semana, em Zurique, a Fifa teve de recorrer uma vez mais à polícia. Desta vez, o problema foi o sumiço de seis relógios de luxo que a entidade daria aos vencedores dos prêmios de melhor do mundo de 2016. No total, as peças teriam um valor de cerca de US$ 100 mil (R$ 319 mil).  A entidade apresentou uma denúncia à polícia. Mas, ainda assim, se apressou para que os melhores do mundo recebessem um outro relógio, da mesma marca. De acordo com pessoas que acompanharam o caso, as peças “desapareceram” entre a sede da empresa e o estúdio em Zurique usado para a transmissão da festa.  O fabricante das peças era a Hublot, a mesma empresa que em 2014 patrocinou a CBF. Na Copa, a federação brasileira entregou como presente a mais de 60 dirigentes esportivos um relógio da mesma marca, abrindo um escândalo interno e obrigando os cartolas a devolver o presente. (AE)