Após a posse

espiões

Bolsonaro deve tocar pra fora do País os espiões de Cuba e Venezuela
08/11/2018

Espiões cubanos terão de abandonar o Brasil após a posse de Bolsonaro

Após a posse

Espiões cubanos terão de abandonar o Brasil após a posse de Bolsonaro

Bolsonaro deve tocar pra fora do País os espiões de Cuba e Venezuela

Logo após a posse do presidente Jair Bolsonaro, em janeiro, o governo terá de enfrentar um problema simbólico: a retirada imediata, talvez mediante expulsão, de centenas de espiões cubanos, em sua maioria, e também venezuelanos instalados no Brasil durante os governos Lula e Dilma. A maior parte dos “agentes de inteligência” de Cuba chegou ao Brasil em meio aos dez mil cubanos do programa “Mais Médicos”. A ditadura usa seus médicos e também os agentes como mercadorias. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder. Arapongas cubanos vigiam os compatriotas do “Mais Médicos” e ao mesmo tempo monitoram as autoridades brasileiras dos três poderes. Admiradora da eficiência dos espiões cubanos, Dilma propôs “acordo de cooperação” com a ditadura na área de “inteligência”, mas recuou. O general Augusto Heleno, a quem a Agência Brasileira de Inteligência ficará subordinada, admitiu ter tomado conhecimento informal do tema. A segurança pessoal do ditador Nicolás Maduro e o serviço secreto da Venezuela estão a cargo de cubanos, considerados muito violentos.
13/06/2018

Fifa tem espiões para evitar drones em treino da seleção brasileira

Privacidade

Fifa tem espiões para evitar drones em treino da seleção brasileira

Funcionários ficaram em prédio vizinho e usaram binóculos para procurar as aeronaves

A atividade da seleção brasileira nesta quarta-feira (13), em Sochi, contou com reforço especial. A Fifa, com ciência da CBF, disponibilizou espiões para assegurar privacidade ao técnico Tite em seu treino fechado aos jornalistas. Somente os 20 minutos iniciais foram abertos. Espalhados sobre o terraço de um prédio vizinho, os funcionários usaram binóculos para controlar o espaço aéreo e detectar o possível uso de drones por parte de adversários. Caso necessário, eles têm orientação para abater esses dispositivos que não tenham prévia identificação. Para isso, são capazes de bloquear a frequência dos drones. O serviço estará disponível para a seleção brasileira durante toda a permanência na cidade russa. Antes mesmo da chegada da seleção a Sochi, houve uma conversa com os moradores locais para evitar que houvesse filmagem e fotos das varandas dos apartamentos. Apesar do acesso reduzido à imprensa, os familiares de jogadores puderam acompanhar o treinamento de Tite. Foi possível observar a repetição da equipe titular encaminhada para a estreia de domingo (17), contra a Suíça, com Phillipe Coutinho, Willian, Neymar e Gabriel Jesus reunidos. (Com Folhapress)
11/11/2013

Agentes da Abin foram detidos pela Polícia Federal em 2009

Confusão

Agentes da Abin foram detidos pela Polícia Federal em 2009

Os agentes da CIA perceberam que estavam sendo seguidos

Após a divulgação na semana passada de o governo brasileiro monitorar diplomatas de três países estrangeiros. Mais uma vez, a contrainteligência da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), deixou a desejar, permitindo escapar informações sobre a espionagem. A tentativa de espionagem da Abin a dois diplomatas americanos da Agência de Inteligência dos Estados Unidos (CIA) , no Rio de Janeiro, em 2009, terminou em caso de polícia. O espião americano Alejandro Nuñez, identificado como funcionário administrativo e o colega Guillermo de las Heras, denominado pelo Ministério das Relações Exteriores, como cônsul do corpo diplomático foram monitorados por agentes da Abin, que atuavam numa ação de contrainteligência. Entretanto, os espiões americanos, perceberam que estavam sendo seguidos, e com receio que fossem criminosos, decidiram pedir ajuda no Departamento de Inteligência da Polícia Federal. Desfecho da história: a polícia preparou uma blitz para prender os possíveis criminosos, mas descobriu que os espiões americanos eram seguidos por agentes trapalhões da Abin. Eles foram levados à delegacia, porém liberados após descoberta a identidade. Na época, o caso foi escondido pelo governo brasileiro para evitar uma crise diplomática entre os dois países. Após a confusão, os agentes americanos da CIA deixaram o Brasil.
07/11/2013

Deputados querem explicações sobre envolvimento da Abin

Espionagem americana

Deputados querem explicações sobre envolvimento da Abin

Parlamentares exigem esclarecimentos do diretor-geral da Abin e do ministro-chefe da GSI

A Comissão de Relações Exteriores da Câmara aprovou nesta semana cinco requerimentos para exigir explicações sobre o caso de espionagem envolvendo a Abin (Agência Brasileira de Inteligência). O diretor-geral da agência, Wilson Roberto Trezza, e o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República (GSI), general José Elito Siqueira, devem ser convocados em breve para esclarecer os fatos. De acordo com o deputado Nelson Pelegrino (PT-BA), a agencia e a GSI ignoraram as evidências de irregularidades nas ações de um dos seus servidores, que teria repassado informações para norte-americanos e depois foi aposentado, sem aguardar a conclusão da apuração do caso. ?A denúncia é grave por revelar um fator importante de vulnerabilidade: a participação de um agente brasileiro a serviço de outro governo?, afirmou.