Boletim Focus

economia

Projeção para o IPCA passou de 3,89% para 3,71% em 2018
10/12/2018

Mercado financeiro reduz mais uma vez a estimativa para inflação este ano

Boletim Focus

Mercado financeiro reduz mais uma vez a estimativa para inflação este ano

Projeção para o IPCA passou de 3,89% para 3,71% em 2018

Instituições financeiras consultadas todas as semanas pelo Banco Central (BC) reduziram mais uma vez a estimativa para a inflação este ano. A projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPC-A) caiu pela sétima vez seguida, ao passar de 3,89% para 3,71%, neste ano. Para 2019, a projeção foi reduzida pela quinta vez consecutiva, de 4,11% para 4,07%. Em 2020, a expectativa é que a inflação fique em 4%, a mesma projeção há 75 semanas e, para 2021, houve ajuste de 3,78% para 3,75%. As informações são do boletim Focus, publicado toda segunda-feira no site do BC, com estimativas do mercado financeiro para os principais indicadores da economia. A revisão na estimativa para a inflação ocorreu após o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informar que o IPCA registrou deflação de 0,21% em novembro e acumulou alta de 4,05% em 12 meses, abaixo do centro da meta de inflação, que é de 4,5%. Essa meta tem limite inferior de 3% e superior de 6%. Para 2019, a meta é 4,25% com intervalo de tolerância entre 2,75% e 5,75%. Reunião do Copom Essa meta deve ser perseguida pelo BC, e o principal instrumento é a taxa básica de juros, a Selic. As instituições financeiras consultadas pelo BC esperam por manutenção da taxa básica de juros, a Selic, em 6,5%, nesta semana. O Comitê de Política Monetária (Copom) do BC reúne-se nesta terça (11) e quarta (12) para definir a Selic. Para as instituições financeiras, a Selic deve voltar a subir em 2019, encerrando o período em 7,5% ao ano. Na semana passada, a expectativa estava em 7,75% ao ano. A primeira reunião do Copom de 2019 ocorrerá em fevereiro. A manutenção da Selic, como prevê o mercado financeiro, indica que o Copom considera as alterações anteriores nos juros básicos suficientes para chegar à meta de inflação, objetivo que deve ser perseguido pelo BC. Ao reduzir os juros básicos, a tendência é diminuir os custos do crédito e incentivar a produção e o consumo. Entretanto, as taxas de juros do crédito não caem na mesma proporção da Selic. Segundo o BC, isso acontece porque a Selic é apenas uma parte do custo do crédito. Para cortar a Selic, a autoridade monetária precisa estar segura de que os preços estão sob controle e não correm risco de ficar acima da meta de inflação. Quando o Copom aumenta a Selic, o objetivo é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança Atividade econômica A projeção para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) – a soma de todos os bens e serviços produzidos no país – caiu de 1,32% para 1,30%, na segunda redução seguida. Para 2019, a estimativa segue em 2,53%. As instituições financeiras projetam crescimento de 2,50% do PIB em 2020 e 2021. Cotação do dólar A previsão do mercado financeiro para a cotação do dólar passou de R$ 3,75 para R$ 3,78 no fim deste ano e para 2019 permanece em R$ 3,80. (ABr)
09/12/2018

Copom faz a última reunião do ano para definir taxa básica de juros

Selic

Copom faz a última reunião do ano para definir taxa básica de juros

Expectativa de instituições financeiras é de manutenção da Selic em 6,5% ao ano, menor patamar histórico

A última reunião do ano para definir a taxa básica de juros, a Selic, será realizada na próxima terça (11) e quarta (12), em Brasília. O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) se reunirá pela oitava vez este ano. A expectativa de instituições financeiras ouvidas pelo BC é de manutenção da Selic em 6,5% ao ano, o menor patamar histórico. De outubro de 2012 a abril de 2013, a taxa foi mantida em 7,25% ao ano e passou a ser reajustada gradualmente até alcançar 14,25% em julho de 2015. Nas reuniões seguintes, a taxa foi mantida nesse patamar. Em outubro de 2016, foi iniciado um longo ciclo de cortes na Selic, quando a taxa caiu 0,25 ponto percentual para 14% ao ano. Esse processo durou até março deste ano, quando a Selic chegou ao seu mínimo histórico. Nas reuniões de maio, junho, agosto, setembro e outubro de 2018, o Copom optou por manter a Selic em 6,5% ao ano. Para as instituições financeiras, a Selic deve voltar a subir em 2019, encerrando o período em 7,75% ao ano. A primeira reunião do Copom de 2019 será realizada em fevereiro. A taxa básica de juros é usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve de referência para as demais taxas de juros da economia. A Selic é o principal instrumento do Banco Central para manter sob controle a inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o IPCA acumula alta de 4,05% nos 12 meses terminados em novembro, abaixo do centro da meta de inflação, que é de 4,5%. Essa meta tem limite inferior de 3% e superior de 6%. Para 2019, a meta é 4,25% com intervalo de tolerância entre 2,75% e 5,75%. A manutenção da Selic na reunião que começa terça-feira, como prevê o mercado financeiro, indica que o Copom considera as alterações anteriores nos juros básicos suficientes para chegar à meta de inflação, objetivo que deve ser perseguido pelo BC. Ao reduzir os juros básicos, a tendência é diminuir os custos do crédito e incentivar a produção e o consumo. Entretanto, as taxas de juros do crédito não caem na mesma proporção da Selic. Segundo o BC, isso acontece porque a Selic é apenas uma parte do custo do crédito. Para cortar a Selic, a autoridade monetária precisa estar segura de que os preços estão sob controle e não correm risco de ficar acima da meta de inflação. Quando o Copom aumenta a Selic, o objetivo é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. (ABr)
09/12/2018

COP 24 pode definir regras de implementação do Acordo de Paris nesta semana

Mudanças climáticas

COP 24 pode definir regras de implementação do Acordo de Paris nesta semana

Ao longo da última semana, foram divulgados estudos sobre os riscos do aquecimento global para o meio ambiente, a saúde e o desenvolvimento da economia

A Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas deste ano (COP 24) entra na segunda semana de programação com a missão de concretizar as negociações que podem definir as regras de implementação do Acordo de Paris. É nesta reta final que chegam os ministros dos 195 países integrantes da convenção para as reuniões de alto nível. A conferência que começou no domingo passado (2), em Katowice, Polônia, vai até a próxima sexta (14). Ao longo da última semana, foram divulgados durante o evento vários estudos que apontam os riscos do aquecimento global para o meio ambiente, para a saúde humana e o desenvolvimento da economia, principalmente em regiões mais pobres com populações vulneráveis. Os cientistas alertam que as metas de limitar o aumento da temperatura global em até 2º Celsius (ºC) ou o esforço de 1,5 ºC, como prevê o Acordo de Paris, só serão alcançadas se os países adotarem de forma urgente medidas que reduzam de forma significativa as emissões de gases de efeito estufa. Um dos levantamentos divulgados durante a COP 24 aponta que até o fim deste ano as emissões globais de carbono podem crescer até 3%, projeção considerada recorde nos últimos anos. Uso sustentável da terra Além da aprofundar o debate em torno do chamado livro de regras para colocar as metas do Acordo de Paris em prática, a delegação brasileira, formada por integrantes dos ministérios das Relações Exteriores, Meio Ambientes, entre outras pastas, deve apresentar os resultados das rodadas do chamado Diálogo de Talanoa, momento em que cada nação compartilha as experiências positivas de descarbonização. Na programação do Espaço Brasil, montado no local do evento, já ocorreram vários debates com representantes da comunidade científica e de povos tradicionais, como indígenas e quilombolas. Integrantes do governo brasileiro apresentaram as medidas de proteção do Cerrado e de produção sustentável, além dos resultados das ações de combate ao desmatamento ilegal em biomas como a Amazônia. Para esta semana, um dos temas que serão discutidos é a importância do uso da terra para o desenvolvimento e a consolidação da agricultura sustentável no país. Também devem ser discutidas estratégias de adaptação aos efeitos do aquecimento global no Brasil e de proteção florestal aliadas ao desenvolvimento econômico e social. O movimento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura, formado por mais de 200 especialistas e representantes de empresas do setor privado, de organizações ambientais, do agronegócio e da academia discutirá as questões apresentados no documento em que defendem uma nova visão sobre a agricultura e a adoção de novos métodos de uso da terra para enfrentar os impactos das mudanças climáticas. No relatório intitulado Visão 2030-2050: O Futuro das Florestas e da Agricultura no Brasil, os integrantes do movimento ressaltam que a produção agropecuária não deve mais ser vista em dissonância com a conservação ambiental ou com os direitos dos povos e comunidades tradicionais, mas como parte da solução. O grupo justifica que o uso da terra tem papel central nas estratégias de mitigação do aquecimento global. Baseados em projeções para os anos de 2030 e 2050, os pesquisadores destacam que somente com a proteção e recuperação da natureza é possível garantir segurança alimentar e inclusão social. Segundo o relatório, apesar do desmatamento e a agropecuária ainda representarem cerca de dois terços das emissões de carbono na atmosfera no Brasil, o país pode reduzir o nível de emissões e aumentar a capacidade de capturar carbono se adotar melhores práticas agropecuárias, de silvicultura e restauração florestal. O plantio de florestas, o bom manejo dos pastos e sistemas integrados de lavoura, pecuária e floreta poderiam reduzir em 10% as emissões de carbono pelo setor agropecuário. As projeções fazem parte da última edição do Sistema de Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa (SEEG). O relatório da Coalizão Brasil também aponta que o uso sustentável da terra pode aumentar a produtividade e resiliência brasileira diante do mercado global e ainda melhorar a qualidade de vida da população nas próximas décadas. O movimento também destaca a importância de se trabalhar políticas públicas e mecanismos que viabilizem as metas de conservação e recuperação das florestas. Os pesquisadores ressaltam que manter a floresta em pé é bom para quem produz no campo e que é preciso aplicar os instrumentos legais já dispostos pelo poder público para evitar o crescimento do desmatamento ilegal. (ABr)
07/12/2018

Dólar encerra semana em alta, valendo R$ 3,8950

Economia

Dólar encerra semana em alta, valendo R$ 3,8950

Bovespa terminou a semana em baixa de 0,82%, com 88.115 pontos

A cotação da moeda norte-americana encerrou a semana em alta de 0,53%, a R$ 3,8950 para venda. O dólar oscilou durante a semana com a intervenção do Banco Central para aumentar a liquidez da moeda com leilões extraordinários de venda futura, com compromisso de recompra. A ação manteve o patamar da moeda abaixo de R$ 3,90, mas não evitou a quarta alta seguida da semana. O dólar tem uma alta acumulada de 17,55% no ano. O índice B3, da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), terminou a semana em baixa de 0,82%, com 88.115 pontos. Os papéis da Petrobras fecharam em alta, registrado 0,65% enquanto as ações das principais companhias encerraram em baixa, como Vale com menos 2,10%; Itau com desvalorização de 0,75% e Bradesco com perdas de 0,47%. (ABr)