Mudança no GDF

Cargo

Governador do DF, Ibaneis confirma saída de Novacki, que pode assumir cargo no governo federal
13/05/2019

Chefe da Casa Civil, Eumar Novacki vai deixar o governo do DF

Mudança no GDF

Chefe da Casa Civil, Eumar Novacki vai deixar o governo do DF

Governador do DF, Ibaneis confirma saída de Novacki, que pode assumir cargo no governo federal

Secretário de Estado Chefe da Casa Civil do Governo do Distrito Federal, Eumar Novacki vai se demitir da administração estadual. O coronel da Polícia Militar está no cargo desde 1º de janeiro deste ano e foi dos primeiros anunciados logo após a eleição de 2018. Procurado pelo Diário do Poder, o governador Ibaneis Rocha (MDB) confirmou a saída de Novacki. Perguntado sobre quem será o novo secretário, Ibaneis respondeu: “Definiremos o substituto sem pressa”. Amigos e auxiliares dizem que Novacki “cansou”, mas há a expectativa de ele pode assumir um novo cargo, mas no governo federal. Novacki é Bacharel em Direito, com Pós-Graduação em Gestão Estratégica e Mestre em Administração Pública. Também participou da administração Blairo Maggi, no Mato Grosso.
12/04/2019

Governo federal anuncia fim de mais de 13 mil cargos efetivos vagos

Enxugamento da máquina pública

Governo federal anuncia fim de mais de 13 mil cargos efetivos vagos

Há um mês decreto presidencial extinguiu 21 mil cargos comissionados, funções e gratificações

Passado um mês do decreto presidencial que extinguiu 21 mil cargos comissionados, funções e gratificações da esfera federal, o governo Jair Bolsonaro anunciou o fim de 13.231 vagas. Desta vez, são cargos efetivos da administração pública federal que já estão vagos ou que devem vagar nos próximos meses. De acordo com o texto publicado no Diário Oficial da União, mais de 93% desses cargos já estão vagos. Apenas 916 aguardam a desocupação pelos órgãos aos quais estão submetidos. Assessores do governo explicaram que as funções aplicadas a estas vagas estão obsoletas para a atual dinâmica. Entre cargos incluídos no decreto figuram os de jardineiro, técnico em radiologia, guarda de endemias, mestre de lancha e operador de máquinas agrícolas. As vagas elencadas no texto oficial deixam de existir a partir de 12 de junho de 2019, reduzindo organogramas dos Ministérios da Economia e da Saúde, da Advocacia Geral da União, da Fundação Nacional de Saúde e do Sistema de Pessoal Civil da Administração Federal (Sipec). O enxugamento da máquina pública e a ampliação da eficiência dos serviços prestados à população têm sido reforçados pela equipe de Bolsonaro desde o início do governo. No caso de cargos comissionados, funções e gratificações extintos com o decreto de 13 de março deste ano, a expectativa do governo era de economia de mais de R$ 190 milhões anuais. (ABr)
29/03/2019

Taxa de desemprego no país fica em 12,4% no trimestre encerrado em fevereiro

Mercado de trabalho

Taxa de desemprego no país fica em 12,4% no trimestre encerrado em fevereiro

Desemprego agora atinge 13,1 milhões de brasileiros

A taxa de desemprego no país ficou em 12,4% no trimestre encerrado em fevereiro deste ano, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) – Contínua, divulgada nesta sexta (29) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no Rio de Janeiro. O percentual é maior que o do trimestre anterior (encerrado em novembro de 2018), que havia sido de 11,6%, mas menor que o resultado do trimestre encerrado em fevereiro do ano passado (12,6%). Desemprego atinge 13,1 milhões de pessoas A população desocupada no país era de 13,1 milhões em fevereiro, um crescimento de 7,3% na comparação com novembro. Ou seja, o número de desempregados teve aumento de 892 mil pessoas. Na comparação com fevereiro de 2018, houve estabilidade. O total de ocupados ficou em 92,1 milhões em fevereiro, uma queda de 1,1% (menos 1,06 milhão de pessoas) em relação a novembro, mas uma alta de 1,1% na comparação com fevereiro do ano passado. O número de empregados com carteira assinada (sem contar trabalhadores domésticos) foi de 33 milhões de pessoas em fevereiro, ficando estável em ambas as comparações. Já o número de empregados sem carteira assinada (11,1 milhões) caiu 4,8% na comparação com novembro (menos 561 mil pessoas) e subiu 3,4% (mais 367 mil pessoas) comparado a fevereiro. Subutilização A população fora da força de trabalho, ou seja, que não está nem trabalhando nem procurando emprego, chegou a 65,7 milhões, um recorde na série histórica. O número é 0,9% maior (mais 595 mil pessoas) do que novembro e 1,2% superior (mais 754 mil pessoas) do que fevereiro daquele ano. A população subutilizada (ou seja, que está desempregada, que trabalha menos do que poderia, que não procurou emprego, mas estava disponível para trabalhar ou que procurou emprego, mas não estava disponível para a vaga) chegou a 27,9 milhões de pessoas em fevereiro deste ano. O número também é recorde na série histórica, 3,3% maior (mais 901 mil pessoas) em relação a novembro e 2,9% maior (mais 795 mil pessoas) do que em fevereiro de 2018. A taxa de subutilização da força de trabalho chegou a 24,6%, superior aos 23,9% de novembro e aos 24,2% de fevereiro de 2018. O total de pessoas desalentadas (ou seja, aquelas que desistiram de procurar emprego) chegou a 4,9 milhões, outro recorde da série histórica. O percentual de desalentados chegou a 4,4%. O rendimento médio real habitual do trabalhador (R$ 2.285) cresceu 1,6% frente ao trimestre anterior e ficou estável em relação ao mesmo trimestre do ano anterior. A massa de rendimento real habitual (R$ 205,4 bilhões) ficou estável em ambas as comparações. (ABr)
26/03/2019

Fábio Wajngarten reforça área de comunicação do governo Bolsonaro

Nova Secom

Fábio Wajngarten reforça área de comunicação do governo Bolsonaro

Especialista em TV será anunciado na Secretaria de Comunicação do Planalto

O empresário e advogado Fábio Wajngarten, 43, deve reforçar a comunicação social do governo Jair Bolsonaro. Sua chegada coincide com críticas sobre o desempenho da área, a exemplo do ministro Paulo Guedes (Economia) nesta segunda (25). Wajngarten se define como “completamente louco por televisão”, meio do qual é um estudioso, e já teve passagens por várias emissoras, como SBT, Rede TV e Record. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder. Uma das missões de Wajngarten será pôr ordem nas redes sociais e destravar a divulgação e a propaganda do governo federal. Espera de Fábio Wajngarten também assessoria informal chamada em Brasília de “VDM”, iniciais de “Vai Dar M(*)”, presidente. A presença do especialista Fábio Wajngarten na área de comunicação de Bolsonaro era esperada antes mesmo do início do governo.