"Comandado" de Renan Filho

Presidente do PSL-AL diz que prisão de deputado eleito é perseguição política

Cabo Bebeto (PSL-AL) teve prisão decretada por abandonar posto e serviço por dois dias sem ordem superior

Presidente do PSL-AL diz que prisão de deputado eleito é perseguição política

Cabo Bebeto e Flávio Moreno. Foto: Instagram/Reprodução.

O presidente do PSL em Alagoas, Flávio Moreno, usou a sua conta na rede social Instagram nesta sexta (7) para afirmar que a prisão do deputado eleito Luiz Alberto Alves Teixeira, o cabo Bebeto (PSL-AL), foi consequência de perseguição política. De acordo com Moreno, o comandante da Polícia Militar de Alagoas (PM-AL) é um “comandado” do governador Renan Filho.

“Muito estranho há poucos dias da diplomação do deputado eleito, articulações para composição de mesa diretora na Assembleia que desagram o palácio, essa punição. Cheira a conotação política, a outros interesses”, afirmou o presidente da sigla no estado na postagem na rede social.

Moreno afirma ainda que o PSL cresceu em Alagoas e, por isso, “o medo das oligarquias políticas é real”. “Está ficando feio para o governador Renan Calheiros [Filho] a punição político disciplinar”, completou.
Cabo Bebeto teve a prisão decretada nesta quinta (6) por suposto abandono de posto e serviço sem ordem superior em dois dias de trabalho. A PM-AL afirma que os casos ocorreram nos dias 6 e 20 de fevereiro de 2015 e que, de acordo com o Regulamento Disciplinar da Polícia Militar de Alagoas, o ato é considerado de intensidade grave.

Na rede sociail, Flávio Moreno afirma que os motivos para as saídas do cabo do serviço já teriam sido explicadas: “um foi para almoçar e outro para atender a esposa”. No entato, a Polícia Militar de Alagoas, em nota, afirmou que “ao lhe ser assegurado o direito à ampla defesa e ao contraditório, exerceu-o, porém não justificou o ato transgressional de intensidade grave”.

O deputado eleito deve cumprir a prisão de seis dias no Centro De Formação E Aperfeiçoamento De Praças (CFAP). Não foi informado se o militar voltará ao serviço após o cumprimento da pena. Outros militares também teria sido punidos por transgressões similares, de acordo com a PM.

Confira a nota da Polícia Militar do estado sobre o caso:

A Polícia Militar de Alagoas informa que foi divulgado hoje a aplicação de punição disciplinar de seis dias de prisão ao cabo Luiz Alberto Alves Teixeira. A punição disciplinar foi feita de acordo com a Solução de Processo Administrativo Disciplinar, por ter o militar praticado condutas previstas Regulamento Disciplinar da Polícia Militar de Alagoas (RDPMAL). Conforme apurado, o cabo abandonou, nos dias 06/02/15 e 20/02/15, sem ordem do superior, o posto e o serviço que lhe cumpria executar, sendo estes serviços de Comandante de Guarnição da ROCOM 2 e de Permanência ao PM BOX do bairro da Pajuçara, respectivamente. Ao lhe ser assegurado o direito à ampla defesa e ao contraditório, exerceu-o, porém não justificou o ato transgressional de intensidade grave, a luz do RDPMAL. A Polícia informa ainda que o policial supracitado não foi o único punido por tais transgressões, mas as punições seguem rigorosamente o regulamento e as leis militares que regem a instituição.

Redação
Redação
| Atualizado