Mais Lidas

'Ou eu ou ele'

Prefeito de São Paulo radicaliza ao pedir saída de Aécio Neves do PSDB

'Ou eu ou ele', diz Bruno Covas ao defender expulsão do deputado mineiro do PSDB

acessibilidade:
Tucanos de SP pressionam por saída de Aécio do PSDB.

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB-SP), defendeu nesta quarta-feira, 10, mais uma vez, a saída do deputado federal Aécio Neves (PSDB-MG) do PSDB. O político chegou a radicalizar ao pedir a expulsão do companheiro de legenda: ‘Ou ele ou eu’.

“Já manifestei diversas vezes no sentido da expulsão do deputado Aécio Neves do partido”, afirmou Covas. “Recentemente, o diretório municipal aqui da capital também enviou ofício à direção nacional do partido, solicitando que fosse aberto um processo dentro do conselho de ética do PSDB. E, se o diretório do PSDB de Belo Horizonte quer a minha expulsão essa, é uma boa decisão então que fica agora para o PSDB nacional: ou eu ou Aécio Neves no partido”, seguiu o prefeito.

“É um ou outro?”, perguntaram os jornalistas. “É um ou outro. É incompatível”, finalizou Covas.​

Covas defende a expulsão de Aécio do partido por causa das acusações de corrupção que pesam contra ele.

Já o diretório do PSDB em Belo Horizonte defende a permanência de Aécio, em resposta à ao fato de o PSDB municipal de São Paulo sugerir a expulsão dele.

No entanto, o pedido de expulsão do deputado federal Aécio Neves (PSDB-MG), feito por tucanos de São Paulo à Executiva Nacional do PSDB, terá de esperar a instalação do conselho de ética da sigla para ser analisado. Não há previsão para o colegiado entrar em funcionamento.

Os integrantes do conselho de ética foram eleitos em maio passado na convenção nacional do PSDB, mas, por questões burocráticas, o colegiado não foi instalado até agora.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), também defende o afastamento de Aécio e diz que “o melhor seria uma saída espontânea” do parlamentar, para evitar a necessidade de expulsão.

Os dirigentes paulistanos defenderam a expulsão como medida para “estancar a sangria” do partido.

“É uma sangria que não estanca. Nos embates políticos aqui na cidade somos sempre confrontados com a questão do Aécio. Precisamos dar resposta”, afirmou o presidente do PSDB paulistano, Fernando Alfredo.

A situação jurídica de Aécio voltou a ser assunto nos jornais, na semana passada, com a Justiça Federal de São Paulo ratificando o recebimento da denúncia no caso em que ele é réu por corrupção passiva e tentativa de obstrução judicial da Operação Lava Jato. A acusação foi feita após Aécio ser flagrado numa gravação telefônica pedindo R$ 2 milhões ao empresário Joesley Batista, do Grupo J&F.

Vídeos Relacionados