Mais Lidas

Corrupção confirmada

PGR interino está convencido de que Fernando Bezerra recebeu mesmo propina

Buscas e apreensões no Congresso eram imprescindíveis, afirma Alcides Martins

acessibilidade:
O subprocurador-geral da República Alcides Martins, interinamente chefe da PGR - Foto: José Cruz/ABr

O procurador-geral da República interino, Alcides Martins, afirmou em parecer ao STF (Supremo Tribunal Federal) que as buscas e apreensões no gabinete do líder do governo Jair Bolsonaro no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), foram “imprescindíveis para a investigação” sobre suposto recebimento de propina.
Ele escreveu, na manifestação, que é possível “concluir, além de qualquer dúvida razoável”, que o líder do governo recebeu propina ocupando os cargos de ministro e de senador.
Ainda nesta quarta-feira (25), Augusto Aras foi sabatinado e aprovado para comandar a PGR pelos próximos dois anos. Com isso, Alcides Martins deixará o posto que ocupava de forma interina, após a saída de Raquel Dodge.
Na semana passada, a Polícia Federal, com autorização do ministro do STF Luís Roberto Barroso, realizou operação de busca e apreensão no gabinete da liderança do governo na Senado.
Raquel Dodge, na função de procuradora-geral, descartou a realização de busca e apreensão envolvendo Bezerra Coelho.
“Apesar da manifestação contrária da então procuradora-geral, entendo que se faziam presentes os requisitos para o deferimento de todas as medidas requeridas pela autoridade policial”, escreveu Martins.
Segundo a PF, o líder do governo Bolsonaro recebeu R$ 5,5 milhões em propinas de empreiteiras encarregadas das obras de transposição do rio São Francisco e nas do Canal do Sertão.
A negociação e o repasse dos valores teriam ocorrido de 2012 a 2014, época em que Bezerra Coelho era ministro da Integração Nacional na gestão de Dilma Rousseff (PT) e integrava o PSB.
Além do senador, também teria sido destinatário de subornos seu filho, que foi ministro de Minas Energia de Michel Temer (MDB). Fernando Bezerra Coelho Filho (DEM-PE), deputado federal, teria recebido R$ 1,7 milhão.
“Os elementos de prova reunidos durante a investigação até aquele momento (junho/2019) constituíam lastro razoável de que Fernando Bezerra Coelho solicitou, por meio do seu operador Iran Padilha Modesto, e, ao que tudo indica, recebeu para si e para seu filho Fernando Bezerra Coelho Filho vantagem indevida”, afirmou o procurador interino.
Segundo ele, “a medida cautelar de busca e apreensão mostrava-se urgente e imperiosa, pois poderia produzir –e produziu– na opinião do titular da ação penal elementos de provas independentes do material apresentado pelos colaboradores”.
Entre o material encontrado pela PF, Martins destaca computadores contendo documentos sobre outros investigados e arquivos denominados “doadores ocultos”, como publicou o jornal Folha de S.Paulo.
REAÇÃO
Na terça-feira (24), uma comitiva de senadores se queixou ao presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Dias Toffoli, da realização de busca e apreensão no gabinete do líder do governo.
Liderados pelo presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), eles reclamaram, entre alguns pontos, da ausência de aval de Dodge.
No mesmo dia, a Mesa do Senado pediu ao STF que a análise dos objetos e documentos recolhidos fosse suspensa.