Mais Lidas

Falta de convergência

Ludhmila Hajjar diz ter recusado convite de Bolsonaro para Saúde, por ‘motivos técnicos’

Honrada com convite, médica sinalizou não lidaria com expectativas não pautadas em ciência

acessibilidade:
Imagens não mostram tentativas de invasão e médica não procurou a gerência do hotel ou a polícia. Foto: Reprodução

A médica cardiologista e intensivista Ludhmila Hajjar afirmou nesta segunda-feira (15) que rejeitou, por motivos técnicos, convite do presidente Jair Bolsonaro para assumir o comando do Ministério da Saúde e o combate da pandemia de covid-19 no Brasil. Os demais cotados para o cargo são o cardiologista Marcelo Queiroga e o deputado federal Dr. Luizinho (PP-RJ).

Ludhmila Hajjar disse ter ficado honrada com o convite, mas o recusou pela falta de linhas de convergência entre seus pensamentos e os do presidente sobre as ações necessárias contra a crise de saúde pública provocada pelo novo coronavírus. E sinalizou que não poderia alimentar expectativas não pautadas em ciência.

“Fiquei muito honrada pelo convite do presidente [Jair] Bolsonaro, tivemos dois dias de conversas, mas infelizmente acho que esse não é o momento para que eu assuma a pasta do Ministério da Saúde por alguns motivos, principalmente por motivos técnicos.Sou médica, cientista, especialista em cardiologia e terapia intensiva, tenho todas minhas expectativas em relação à pandemia. O que eu vi, o que eu escrevi, o que eu aprendi está acima de qualquer ideologia e acima de qualquer expectativa que não seja pautada em ciência”, disse Hajjar, em entrevista à CCN Brasil.

Na conversa com a emissora, a médica revelou que atendeu telefonema do presidente Jair Bolsonaro no sábado (13), com o convite para uma reunião. Relatou que o encontro aconteceu ontem (14) por cerca de quatro horas, na presença do ministro da Saúde Eduardo Pazuello, diante do qual foram discutidas medidas que considera fundamentais como a ampliação da vacinação, da criação de leitos e de medidas restritivas como lockdown, para conter o avanço dos casos e das mortes por covid-19. O convite foi recusado hoje.

Depois de afirmar ter ficado satisfeita em repassar para o presidente sua visão sobre as ações ideais contra a pandemia, Ludhmila Hajjar disse que deseja sucesso para quem assumir a missão que ela recusou. E indicou sua preferência pelo nome de Marcelo Queiroga, com quem atua em diretoria da Sociedade Brasileira de Cardiologia.

Menos ideologia, mais ciência

Ao afirmar que o Brasil precisa se pautar pela ciência para salvar vidas, Hajjar disse que temas como lockdown precisam ser superados, por já haver comprovação de que funcionam para conter a pandemia e as mortes, apesar dos graves efeitos sociais sobre a população.

E ainda comentou as ameaças sofridas desde ontem, nas redes sociais, e concluiu tais manifestações a assustaram, mas não foram decisivas para sua recusa ao cargo oferecido. Para a médica, os ataques partem de pessoas que polarizam radicalmente o país e acabam sendo responsáveis por boa parte dos maus resultados que o Brasil tem hoje. “Tem gente querendo o mau do Brasil”, concluiu.

A médica ressalta que segue à disposição do Brasil para ajudar o país a preservar mais vidas. E acredita que o país precisa de uma “virada”, para conter os danos de terem minimizado a doença, e de ter faltado muita eficiência na compra das vacinas.

Ontem, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), afirmou ao Diário do Poder que Ludhmila Hajjar teria amplo apoio de aliados, setores da saúde e representantes dos poderes constituídos, se aceitasse o convite. (Com informações da CNN Brasil)

Reportar Erro