Mais Lidas

CPI da Pandemia

Google, Twitter e Facebook são covocados para falar de posts de Bolsonaro

Requerimentos foram apresentados após Bolsonaro afirmar, em live, que ‘todos que contraíram o vírus estão vacinados’

acessibilidade:
Sessão da CPI da Pandemia - Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

A CPI da Pandemia aprovou, nesta quarta-feira, 23, a convocação de representantes do Facebook e do Google, de forma a avançar nas investigações sobre a divulgação de informações sem embasamento científico, relacionadas ao combate à pandemia.

Com a convocação, os senadores pretendem obter, dessas empresas de tecnologia, detalhes sobre o motivo de elas não terem retirado do ar conteúdos que divergem daquelas que têm, por base, evidências científicas para evitar a propagação da covid-19.

Os requerimentos foram apresentados depois de Bolsonaro afirmar, em sua live da última quinta-feira, 17, que pessoas infectadas com a Covid-19 estão mais imunizadas do que aquelas que foram vacinadas.

“Todos que contraíram o vírus estão vacinados. Até de forma mais eficaz que a própria vacina. Porque você pegou o vírus para valer. Quem pegou o vírus, não se discute, está imunizado”, disse Bolsonaro.

No dia seguinte, Randolfe Rodrigues disse que Bolsonaro “tem o direito de falar a besteira que quiser, só não tem o direito de produzir o aumento desses números [de mortes]” no Brasil. “Por muito menos, o Twitter e o Facebook baniram o senhor Donald Trump. Não se trata de censura, só não pode comprometer a vida dos brasileiros”, acrescentou o vice-presidente da comissão.

Vídeos Relacionados