Disciplina e ato político

Exército conclui não ser caso de punir Pazuello por haver ido a ato pró-Bolsonaro

Comandante concluiu que secretário de Assuntos Estratégicos não cometeu transgressão disciplinar

acessibilidade:
Pazuello participou de ato político m 23 de maio ao lado do seu chefe, presidente Jair Bolsonaro. Foto: Agência Brasil

O comandante do Exército, general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, decidiu arquivar o procedimento administrativo que apurava a suposta transgressão disciplinar do ex-ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, por haver participado de ato político de apoio ao presidente Jair Bolsonaro, no Rio de Janeiro, em 23 de maio.

Após analisar o caso, o comandante do Exército decidiu acolher os argumentos apresentados por escrito e sustentados oralmente pelo general.

De acordo com a decisão, “não restou caracterizada a prática de transgressão disciplinar” por parte do general Eduardo Pazuello.

A resolução do caso ocorre dois dias depois de o presidente Jair Bolsonaro  nomear Pazuello, na terça-feira (1º), para exercer o cargo de secretário de Estudos Estratégicos da Presidência da República.

Leia a nota publicada pelo Centro de Comunicação Social do Exército:

Acerca da participação do General de Divisão EDUARDO PAZUELLO em evento realizado na Cidade do Rio de Janeiro, no dia 23 de maio de 2021, o Centro de Comunicação Social do Exército informa que o Comandante do Exército analisou e acolheu os argumentos apresentados por escrito e sustentados oralmente pelo referido oficial-general.

Desta forma, não restou caracterizada a prática de transgressão disciplinar por parte do General PAZUELLO.

Em consequência, arquivou-se o procedimento administrativo que havia sido instaurado.

Brasília-DF, 3 de junho de 2021

CENTRO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DO EXÉRCITO