Podcast


06/11/2018

Programa Bastidores do Poder 06/11/2018

Programa Bastidores do Poder 06/11/2018

05/11/2018

Programa Bastidores do Poder 05/11/2018

Programa Bastidores do Poder 05/11/2018

31/10/2018

Programa Bastidores do Poder 31/10/2018

Programa Bastidores do Poder 31/10/2018

30/10/2018

Programa Bastidores do Poder 30/10/2018

Programa Bastidores do Poder 30/10/2018

29/10/2018

Programa Bastidores do Poder 29/10/2018

Programa Bastidores do Poder 29/10/2018

26/10/2018

Programa Bastidores do Poder 26/10/2018

Programa Bastidores do Poder 26/10/2018

25/10/2018

Programa Bastidores do Poder 25/10/2018

Programa Bastidores do Poder 25/10/2018

24/10/2018

Programa Bastidores do Poder 24/10/2018

Programa Bastidores do Poder 24/10/2018

Mais Notícias

19/05/2019

Área técnica do BNDES impediu auditoria de gastos bilionários de ONGs

Sem transparência

Área técnica do BNDES impediu auditoria de gastos bilionários de ONGs

Ministro do Meio Ambiente recorreu à CGU para ter acesso a contratos

O ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente) foi obrigado a recorrer à Controladoria Geral da União (CGU) para ter acesso aos contratos milionários de ONGs ambientalistas para verificar sua regularidade. Os primeiros 103 contratos auditados mostraram por que as ONGs fogem de fiscalização como o diabo da cruz: o financiamento de projetos acaba no bolso dos “ongueiros”, por meio de salários e “consultorias”. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

ONGs receberam R$25 milhões para “projetos ambientais” e gastaram R$14 milhões com “atividade meio”: os bolsos espertos nas ONGs.

ONGs espertas usaram mais da metade dos financiamento em gastos, sem comprovação, em “mobilização” ou “sensibilização”.

Acabaram nas contas bancárias das ONGs cerca de R$800 milhões de um total de R$1,5 bilhão doados ao Brasil através do Fundo Amazônia.

O Fundo Amazônia foi criado com doações ao Brasil da Noruega (US$1 bilhão), Alemanha (US$100 milhões) e Petrobras (R$10 milhões).

19/05/2019

Política de reajustes da Petrobras contribui para desestabilizar o governo

Jogando contra

Política de reajustes da Petrobras contribui para desestabilizar o governo

Estatal faz pose de empresa privada e impõe preços que lhe convém

Assessores próximos do presidente Jair Bolsonaro já se convenceram de que, mais que qualquer “tsunami” político, nada ameaça mais a estabilidade do governo que a política criminosa adotada em julho de 2017 pela Petrobras, com seus reajustes diários. O Planalto monitora, preocupado, sinais de uma possível nova greve dos caminhoneiros, como em maio de 2018. A estatal posa de empresa privada, finge que não se beneficia do monopólio e ainda alega “cotação internacional”. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

A Petrobras obriga os brasileiros, que são remunerados em reais, a pagar em dólares o litro do combustível que compram no posto.

Acionistas privados, incluindo influentes comentaristas econômicos, ajudam a tornar a política de preços da Petrobras “cláusula pétrea”.

A política criminosa garante à Petrobras o lucro médio de R$2 bilhões por mês há 15 meses. Assim, qualquer um “recupera” a estatal.

18/05/2019

Bolsonaro agradece hashtag de apoio que liderou tranding topics mundial

Rindo à toa

Bolsonaro agradece hashtag de apoio que liderou tranding topics mundial

Hashtag #BolsonaroNossoPresidente bombou, neste sábado

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou na tarde deste sábado (18) aos seus seguidores numa rede social que “somente com o apoio de todos vocês poderemos mudar de vez o futuro do nosso Brasil”.
Às 14h40, o próprio presidente tuitou comentando a repercussão de uma hashtag favorável a ele e disse a seguidores que precisava do apoio deles para governar.
“Tomei conhecimento e agradeço imensamente a todos pela hashtag #BolsonaroNossoPresidente, que chegou a nível mundial no Twitter. Retribuo e ressalto que somente com o apoio de todos vocês poderemos mudar de vez o futuro do nosso Brasil!”, escreveu o presidente.
Apoiadores de Bolsonaro também foram às redes sociais prestar homenagem ao presidente.
“Até hoje no Brasil os grupos políticos lutavam pelo controle da máquina. O governo Bolsonaro quer desligar a máquina e jogar a chave fora. Pois essa maldita máquina só fabricou estagnação, desemprego, corrupção e descaso pelos valores do povo brasileiro”, escreveu o chanceler Ernesto Araújo.
O chefe do Ministério das Relações Exteriores disse estar fazendo a parte dele “promovendo parcerias que ajudem o povo brasileiro a renovar o seu destino”.
O empresário Luciano Hang também escreveu em apoio a Bolsonaro e convocou internautas para uma manifestação em apoio ao presidente. “Precisamos apoiar nosso presidente para mudar o nosso país. O mais difícil fizemos que foi ganhar as eleições agora precisamos fazer as grandes mudanças e a previdência é a mãe de todas. #Dia26NasRuas”.
Filho do presidente da República, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) escreveu mais cedo em alusão ao aumento do número de ministérios que acontecerá se o Congresso deixar caducar a medida provisória que estabelece a atual configuração ministerial do governo.

18/05/2019

Enem 2019 tem mais de 6,3 milhões de estudantes inscritos

Exame nacional

Enem 2019 tem mais de 6,3 milhões de estudantes inscritos

Prazo acabou sexta e estudantes têm até o dia 23 para pagar taxa e confirmar a inscrição

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) informou que o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) registrou 6.384.957 inscritos para a edição de 2019. As inscrições terminaram nessa sexta-feira (17).

Os estudantes têm até o dia 23 de maio para pagar a taxa, no valor de R$ 85. O total de participantes confirmados será divulgado no dia 28 deste mês.

Quem teve direito à isenção do pagamento da taxa e concluiu a inscrição no prazo tem participação garantida. As provas do Enem 2019 serão aplicadas em dois domingos, 3 e 10 de novembro, com quatro provas objetivas e 180 questões, além da redação.

O Enem é realizado anualmente Inep, vinculado ao Ministério da Educação. Em 21 edições, o exame recebeu quase 100 milhões de inscrições.

O exame avalia o desempenho do estudante e viabiliza o acesso à educação superior, por meio do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), do Programa Universidade para Todos (ProUni) e instituições portuguesas.

18/05/2019

Pesquisas dão vexame e conservadores vencem eleições gerais na Austrália

Deu zebra?

Pesquisas dão vexame e conservadores vencem eleições gerais na Austrália

Coalizão conservadora australiana vence os 'líderes nas pesquisas'

A conservadora Coalizão Liberal/Nacional, liderada pelo primeiro-ministro Scott Morrison, venceu as eleições gerais deste sábado (18) na Austrália, contrariando as pesquisas de intenção de voto, que deram vexame. Segundo a Comissão Eleitoral Australiana, com pouco mais de dois terços dos votos contados, a coalizão tinha 73 assentos, contra 67 do Partido Trabalhista, o favorito nas enquetes.

Animados pelo otimismo que lhes davam as pesquisas das últimas semanas, em campanha ancorada na proteção do clima, e após um começo promissor das apurações, os trabalhistas liderados por Bill Shorten tiveram que abrir mão de sua esperança a partir do voto decisivo dos eleitores do estado de Queensland.

Assim, o grupo liderado por Morrison parte para um terceiro mandato de três anos. O político, de 51 anos, do Partido Liberal, de centro-direita, assumiu em agosto último, depois que a ala linha dura da legenda fez cair o mais moderado Malcolm Turnbull. Morrison parecia fadado a ter o mandato mais breve da história australiana, mas conseguiu virar a mesa com uma intensa campanha negativa e o apoio da maior organização de mídia do país, de propriedade do magnata do setor Rupert Murdoch.

Ainda não está claro se os conservadores governarão sozinhos: para isso precisam conseguir pelo menos 76 dos 151 assentos na Câmara dos Deputados, e o resultado final depende da contagem de mais de 4,7 milhões de votos postais, que ainda podem definir a distribuição dos últimos mandatos.

Cerca de 16 milhões de australianos estavam convocados a eleger os 151 deputados da Câmara, entre 1.056 candidatos, assim como 40 dos 70 senadores que servem durante um período de seis anos, entre 458 candidatos.

A Comissão Eleitoral Australiana estabeleceu 90 centros de votação no exterior, assim como outros 500 dentro do país para receber, nos dias anteriores, os votos de mais de 4 milhões de australianos que não puderam ir às urnas hoje.

18/05/2019

Cristina Kirchner anuncia candidatura à vice-presidência da Argentina

Novas eleições

Cristina Kirchner anuncia candidatura à vice-presidência da Argentina

Dirigente partidário Alberto Fernández será o candidato a presidente na chapa

As eleições presidenciais da Argentina sofreram uma reviravolta. A senadora e ex-presidente da Argentina Cristina Fernández de Kirchner anunciou que será candidata a vice-presidente numa chapa encabeçada pelo dirigente Alberto Fernández.

“Pedi a Alberto Fernández que encabece a chapa que integraremos juntos. Ele, como candidato a presidente, e eu, como candidata a vice, para participar nas próximas eleições primárias abertas, simultâneas e obrigatórias”, anunciou a ex-mandatária em mensagem gravada divulgada nas redes sociais, com sua voz em off e imagens de distintos momentos de sua carreira política.

A ex-presidente declarou que a chapa “é a que melhor exprime o que neste momento se necessita para convocar aos mais amplos setores sociais e políticos e econômicos também, não apenas para ganhar a eleição como para governar”.

Na próxima terça-feira (21), Cristina deverá comparecer à primeira audiência no processo em que ela é acusada de integrar uma suposta associação ilícita que favoreceu o empresário Lázaro Báez na licitação de obras públicas.

Na mensagem, de pouco mais de 12 minutos, Cristina Kirchner disse que conhece Fernández há mais de 20 anos e admitiu que teve diferenças com o dirigente partidário. “[Ele] foi chefe de Gabinete de Néstor [Kirchner] durante toda sua presidência. Eu o vi, junto dele, decidir, organizar, acordar e buscar sempre a maior amplitude possível do governo. Foram tempos muito difíceis, mas estes que estamos vivendo são realmente dramáticos. Nunca tantos e tantas dormindo na rua”, comentou a senadora.