Operação Crotalus

PF desarticula grupo que desviava dinheiro por meio de fraudes em benefícios do INSS

O prejuízo estimado é de R$ 2 milhões; empresas de fachada movimentavam valores obtidos por meio das fraudes

PF desarticula grupo que desviava dinheiro por meio de fraudes em benefícios do INSS

A comissão mista que analisa a Medida Provisória 871/19, que busca coibir fraudes no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), tem reunião nesta terça-feira (7) para apreciar o relatório do deputado Eduardo Martins (PSC-PR). A discussão e votação do texto deve acontecer na quarta-feira (8). Martins não adiantou a linha que seguirá, mas disse que está atento às demandas de parlamentares e da sociedade. “A gente está conversando com entidades que trabalham na linha de frente com isso, com o INSS, com os técnicos, para apresentar um relatório com muita convicção e equilíbrio e que consiga responder ao objetivo da medida provisória”, afirmou Martins. A medida provisória institui o programa especial para análise de benefícios previdenciários com indícios de irregularidade e o programa de revisão de benefícios por incapacidade. Na prática, altera regras de concessão de benefícios, como auxílio-reclusão, pensão por morte e aposentadoria rural, e cria também dois bônus por produtividade, sendo um para analistas e técnicos do INSS, e outro para a carreira de peritos médicos. Hora e local A reunião será às 10 horas no plenário 3, na Ala Senador Alexandre Costa, no Senado Federal Foto: Divulgação

A Polícia Federal (PF) deflagrou nesta quinta (6) a Operação Crotalus. É para desarticular organização criminosa que desviava dinheiro público por meio de fraudes em benefícios do INSS – Instituto Nacional do Seguro Social. As fraudes chegam a R$ 2 milhões.

Policiais federais estão cumprindo seis mandados de busca e apreensão nas cidades de Curitiba, São José dos Pinhais, Cascavel e Marechal Cândido Rondon, no Paraná, e em Bombinhas, em Santa Catarina. A Justiça federal determinou ainda a prisão de um dos investigados, mas relacionado a outra investigação em crime de falsificação de moeda.

As investigações sobre as fraudes contra o INSS tiveram início em 2017, “em razão da suspeita de recebimento indevido de um benefício previdenciário de pensão por morte.

Foram identificadas diversas empresas de fachada criadas e mantidas pelos integrantes da organização para movimentar os valores obtidos através das fraudes”, diz a PF.

De acordo com a PF, o nome da operação, Crotalus, é uma referência a um gênero de serpentes, em alusão ao local onde residia um dos principais alvos das investigações. (ABr)

Redação
Redação
| Atualizado