Matança em Suzano foi terrorismo

Matadores de Suzano eram terroristas, segundo lei em vigor desde 2016

Vivos, os bandidos seriam enquadrados na Lei 13.260, de Antiterrorismo

Matadores de Suzano eram terroristas, segundo lei em vigor desde 2016

Guilherme Taucci Monteiro (foto), de 17 anos, e Luiz Henrique de Castro, de 25 anos, eram terroristas

Se fossem capturados vivos, os dois assassinos da Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano (SP), seriam enquadrados como terroristas, de acordo com a Lei Antiterrorismo nº13.260, em vigor desde 2016. O especialista em direito criminal Adib Abdouni confirma o entendimento. Segundo ele, a preparação para o crime, a participação de mais de um criminoso e o assassinato de pessoas a esmo caracterizam o ato de terrorismo. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

O pior é que a legislação brasileira garantiria ao terrorista “dimenor”, Guilherme Taucci Monteiro, 17, apenas 3 anos de “internação”.

O terrorista “dimenor” ficaria internado por 3 anos porque não estaria cumprindo sentença de natureza penal. Seria “medida sócio-educativa”.

O criminalista Adib Abdouni também lembra que a investigação policial vai indicar se o crime teve “outros colaboradores”.

Condenado pelos dez assassinatos e outros crimes, Luiz Henrique de Castro, 25, o terrorista “dimaior”, ficaria preso no máximo por 30 anos.

Redação
Redação
| Atualizado