Alegria e competência

acessibilidade:

Vivo em Brasília há 25 anos, carioca que sou, fazia cinco anos que não ia ao Rio de Janeiro. Fui agora, fugindo dos efeitos da COVID 19, após ter tomado a terceira dose da vacina transgênica, para ver a grandiosidade do evento da queima de fogos em Copacabana, na avenida atlântica.

Tenho escrito artigos publicados aqui, nesse espaço democrático, do DIÁRIO DO PODER. Quase todos, com críticas severas aos políticos, membros do Supremo Tribunal Federal, ex-presidentes da República e à atual “Constituição Cidadã”, cada vez mais ignorada pelos três poderes.

Há mais de dois anos estamos sendo intoxicados por notícias trágicas, pela mídia em todo o mundo e, em especial, as nossas.

Escrevo ainda sob a emoção de testemunhar a alegria dos cariocas, dos milhares de turistas estrangeiros e nacionais, ao assistirem aquele grandioso espetáculo na passagem do ano.

Tudo minuciosamente organizado pela Prefeitura do Rio de Janeiro, que batizo como SINFONIA DE ESPERANÇA em busca de dias melhores nesse ano de2022, depois de tanto sofrimento causado pela atual pandemia, fui buscar nas lembranças da minha juventude, como era no passado viver na minha cidade do Rio de Janeiro.

Espelho colorido do Brasil, com o seu Cristo Redentor de braços abertos, sempre acolhedora, com suas praias, sua boemia na Cinelândia, sem drogas, povoada de uma juventude sadia, respeitosa, sobretudo alegre.

Dos teatros e cinemas, dos artistas famosos, Orlando Silva, Emilinha Borba, Dercy Gonçalves, Noel Rosa, Cauby Peixoto. Carnaval de rua com suas serpentinas e lança-perfume, apenas para citar alguns.

Das famílias sentadas em suas cadeiras nas calçadas para ver o seu bloco preferido passar.

Minha cidade dos poetas, escritores reverenciados como Carlos Heitor Cony, da jovem guarda capitaneada por Roberto Carlos e sua turma.

Ao assistir à comemoração da chegada de 2022, com tanta alegria e logística de primeiro mundo, tive orgulho de nela ter nascido.

Tiro o chapéu para o Prefeito Eduardo Paes que manteve a realização do espetáculo.

Coisa boa não se esquece, principalmente pelos eleitores.

Policiais, Bombeiros, Detran, Secretaria de Saúde, Limpeza Urbana, Secretaria de Turismo e servidores municipais esbanjaram competência. Juntos mostraram que é possível o poder público fazer bem-feito.

Hoje, dia 2 de janeiro volto a Brasília, terra do sonho profético de DOM BOSCO a terra prometida implantada pelo grande Presidente Juscelino Kubitschek de Oliveira, recebo a seguinte mensagem de um amigo: “Prepare o seu coração. O que Deus vai fazer é bem melhor do que você está imaginando. Bom Dia!”

Brasil acima de todos, Deus acima de tudo.

                                                   Jorge Motta é jornalista.

 E-mail: sjsmagro@yahoo.com.br

Reportar Erro