Mais Lidas

acessibilidade:
Israel Vieira

A Prece

Livra-me da maresia, não das praias, mas do marasmo do dia-a-dia.
Livra-me da nova previdência, da falta de paciência nas filas dos bancos lotados. Da incompetência dos políticos. De acordar mais cedo em dia de feriado, da impotência, dos infames, dos infiéis e até dos tsunamis. Livra-me também dos assassinos que matam seus genros e seus pais, em seu próprio país. Que matam artistas e gente comum. Que eu nunca os encontre, de jeito nenhum…
Livra-me da poesia mórbida, sombria e descabida. Da ferida sem cura, da noite escura, da falsa lisura, da alma sem ternura.
Livra-me das louças em cima da pia, das multas de trânsito e até das estrias.
Livra-me do mau olhado, da mandinga e do meu ex cunhado. Dos corruptos engravatados, dos fofoqueiros e das batatas fritas com óleo reaproveitado.
Livra-me ainda das mães que abandonam seus pequenos, dos pais omissos que não honram seus compromissos. Das olheiras noturnas por causa dos altos impostos. Das sacadas dos edifícios, pois tem medo de altura. Do giroflex e dos caras de viatura. Da inocência de Cabral, da paz de Eduardo e das mãos leves do Pezão… Do Witzel e, toda forma de ladrão.
Livra-me também das bombas de Hiroshima e Nagasaki, dos padres pedófilos e, dos pastores de araque. dos aviões sem freio, das freiras que queriam ser casadas. E mais ainda, dos padres que queriam ser solteiros. Do salário pago em papel higiênico usado.
Livra-me de ser um poeta sem versos, sem cor, sem universo… livra – me de viver pra sempre solteiro, de morrer debaixo do chuveiro, antes mesmo de me casar. De ser pobre, mesmo sendo Rico. Livra-me da Covid, de Derek Chauvin e da opinião que não divide…
Livra-me dê ser honesto como Luís, influente feito Aécio e bobo como Neymar. Mas por favor, permita-me ser brilhante feito Steve Jobs e doce como madre Teresa de Calcutá. Talvez um defensor da natureza e pai dos pobres… Pois este mundo ao que me parece, não poderia ficar pior do que já está. Permita-me ter um pouco mais de fé, ser justo como Noé. Ficar bem longe de um copo de cerveja e bem próximo de uma xícara de café.
Israel Vieira  é autor dos livros ‘7 vidas pra te amar’ (Ed. THS) e ‘O Jardim da Felicidade’ (Ed. Viseu)