Nova tecnologia

Maceió inicia na área nobre videomonitoramento contra motoristas infratores

Após proibição de pardais, SMTT moderniza uso de câmera contra infrações

Maceió inicia na área nobre videomonitoramento contra motoristas infratores

Nova tecnologia de videomonitoramento identifica infrações de trânsito. Foto: Divulgação WhatsApp

Menos de um ano depois de a Justiça de Alagoas determinar a desativação de radares eletrônicos por falta de estudos técnicos, a Prefeitura de Maceió ativou nesta segunda-feira (11) uma nova tecnologia em câmeras de videomonitoramento com o objetivo de coibir irregularidades no trânsito para reduzir o número de acidentes nas vias da capital alagoana. O novo método de fiscalização capaz de identificar e comprovar diversas irregularidades com a análise automatizada das imagens iniciou em um cruzamento da área nobre de Maceió.

A nova forma de fiscalizar o trânsito e multar infratores iniciou no cruzamento entre a Avenida Deputado José Lages e rua Manoel Ribeiro da Rocha, na Ponta Verde, com capacidade de detectar, por exemplo, infrações de estacionamento, avanço de sinal vermelho, uso do celular ao volante, conversões irregulares e a falta do uso do cinto de segurança.

O local escolhido é foco de infrações de trânsito e também concentra a circulação de boa parte da elite da sociedade alagoana, que frequenta um dos supermercados mais requintados do Estado, o Palato, instalado naquele cruzamento da Ponta Verde.

“O início da fiscalização por videomonitoramento é um marco para o combate das infrações e acidentes no trânsito. Lembrando que só serão multados os condutores que desrespeitarem as normas previstas pelo Código de Trânsito Brasileiro (CTB)”, ressaltou o superintendente da SMTT, Antônio Moura.

O órgão municipal de trânsito destaca ainda que o aperfeiçoamento da fiscalização está alinhado com a continuidade do investimento em ações de educação direcionadas a condutores e pedestres, para incentivar a importância da consciência individual e coletiva no trânsito.

A última experiência inovadora do controle de trânsito foi traumática para a gestão do prefeito Rui Palmeira (PSDB), depois de oito anos da administração do ex-prefeito Cícero Almeida (PHS), que tratava o controle de acidentes como “indústria de multa” e reforçou a cultura dos condutores maceioenses de repulsa a qualquer iniciativa de conter suas imprudências.

Em maio de 2018, o juiz Manoel Cavalcante de Lima Neto, da 17ª Vara Cível da Capital, determinou a remoção dos radares eletrônicos instalados em Maceió, bem como a anulação de todas as multas aplicadas desde 2015 até o dia 18 de dezembro de 2017, data em que uma liminar mandou a SMTT suspender a atividade dos pardais.

No primeiro semestre de 2018, o Diário do Poder mostrou que o número de acidentes de trânsito nos trechos onde existiam os chamados pardais eletrônicos instalados aumentou 44% no último semestre, em relação ao mesmo período de 2017, quando os radares estavam flagrando os infratores. Segundo a SMTT, nos meses que antecederam a suspensão da fiscalização eletrônica, que ocorreu em dezembro de 2017, o valor médio mensal obtido com as infrações era de cerca de R$ 1,5 milhão.

O município iniciou há cinco meses o ressarcimento aos motoristas multados por irregularidades flagradas e comprovadas pelos pardais proibidos pela Justiça. Mas suspendeu o ressarcimento por orientação da Procuradoria Geral do Município (PGM), até que haja uma decisão transitada em julgado da ação civil pública movida pelo Ministério Público Estadual. (Com informações da Ascom da SMTT)

Redação
Redação
| Atualizado