Mais Lidas

Morto em lua de mel

PGR repudia assassinato de procurador paraguaio que combatia o tráfico

Marcelo Pecci foi assassinado na última terça-feira (10), em uma praia na Colômbia, onde passava a lua de mel

acessibilidade:
Promotor Marcelo Pecci com a esposa Claudia Aguilera, celebrando gravidez em lua de mel minutos antes de ser assassinado em praia da Colômbia. Foto: Divulgação/Instagram

O procurador-geral da República, Augusto Aras, assinou a nota da Associação Iberoamericana de Procuradores (Aiamp) em repúdio ao brutal assassinato do procurador paraguaio Marcelo Pecci, ocorrido na última terça-feira (10), na Ilha Baru, Colômbia, onde passava a lua de mel.

Pecci foi assassinado a tiros por dois homens ao lado de sua esposa, a jornalista Claudia Aguilera. Especialista em investigações do narcotráfico e do crime organizado, Pecci era membro da Rede de Procuradores Antidrogas da Aiamp, desde a sua fundação, e também integrava uma Equipe Conjunta de Investigação (ECI) entre o Brasil e o Paraguai.

Na nota, além de lamentar e condenar energicamente o covarde assassinato do procurador paraguaio, a Aiamp se solidariza com a família de Marcelo Pecci e destaca seu profissionalismo no combate ao narcotráfico e ao crime organizado.

A nota diz que “atos como esses são uma ameaça ao estado de direito na medida em que procuram intimidar os procuradores que cumprem diligentemente seus deveres”.

Além de Augusto Aras, a nota da Aiamp é assinada por procuradores-gerais de Andorra, Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Costa Rica, El Salvador, Equador, Guatemala, Espanha, Panamá, Paraguai, Peru, República Dominicana, Portugal e Uruguai. (Com informações da Secretaria de Comunicação Social da PGR)

Reportar Erro