Mais Lidas

Começam as investigações

STF homologa parcialmente a delação de Marcos Valério

A partir da decisão de Celso de Mello, autoridades podem passar a investigar os fatos narrados pelo delator

acessibilidade:
Valério já cumpre pena pelo mensalão petista e recebeu nova condenação

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello homologou parcialmente o acordo de delação premiada firmado no ano passado entre o ex-publicitário Marcos Valério, a Polícia Federal e a Polícia Civil de Minas Gerais.

Com a homologação, as autoridades podem iniciar as investigações sobre o que foi dito por Marcos Valério. Na decisão de Celso de Mello não são citados os crimes delatados e os políticos citados pelo ex-publicitário. O teor dos 60 anexos entregues por Marcos Valério continua em sigilo.

De acordo com o ministro, o Supremo tem competência no caso, já que há relatos de supostos crimes cometidos por parlamentares federais durante seus mandatos. Os benefícios que serão concedidos ao ex-publicitário serão fixados pela Justiça ao final dos processos.

O acordo de delação foi homologado apenas parcialmente porque, segundo Celso de Mello, alguns dos fatos criminosos delatados já tramitam na Justiça. Como o Ministério Público não negou parte do acordo firmado, os trechos não foram homologados porque é o MP que atua nessas ações penais em andamento.

Marcos Valério está preso em Minas Gerais, cumprindo pena de 37 anos por participação no mensalão do PT. O ex-publicitário também foi condenado a 16 anos e nove meses de prisão por envolvimento no chamado mensalão tucano. Ele também foi alvo da Operação Lava Jato. (Com informações da FolhaPress)

Vídeos Relacionados