Mais Lidas

2ª denúncia

Ministério Público denuncia João de Deus novamente por crimes sexuais

Procuradoria fez novo pedido de prisão do médium por estupro de vulnerável e abuso sexual

acessibilidade:
Foto: Walterson Rosa/Folhapress/Arquivo

O Ministério Público de Goiás denunciou nesta terça-feira, 15, o médium João de Deus por novos crimes de estupro de vulnerável e abuso sexual mediante fraude durante atendimentos espirituais realizados em Abadiânia. Além disso, o MP fez um novo pedido de prisão contra ele.

Os crimes pelos quais ele foi denunciado envolvem quatro mulheres de Goiás e uma de São Paulo. O pedido de prisão é para proteger as vítimas nas fases de depoimento na Justiça, de acordo com o MP.

João de Deus, que nega os crimes, está preso no Complexo Penitenciário de Aparecida de Goiânia desde 16 de dezembro.

Além das cinco vítimas, a denúncia conta com relatos de mais oito mulheres do Distrito Federal, Santa Catarina, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Maranhão e Rio Grande do Sul. No entanto, ele não foi denunciado por esses casos por terem prescrito. Porém, eles ajudam a embasar a denúncia. Os crimes ocorreram entre 1990 e 2017.

Segundo a procuradoria, uma das vítimas foi abusada quando tinha 8 anos. Outras três eram adolescentes.

“Temos criança vitimada, adolescentes vitimadas e uma das vítimas que tem, na época contava com 47 anos. Quatro de estupros de vulneráveis foram praticados em atendimentos individuais e o de violação sexual mediante fraude em atendimento coletivo”, declarou a promotora Gabriella Clementino.

Outra denúncia envolve uma mulher que relatou ter sido abusada cerca de 20 vezes por João de Deus, entre 2009 e 2010. Ela registrou os crimes em um diário. Neste caso, como foram várias vezes, ele será denunciado por violação sexual mediante fraude com continuidade delitiva.

Em nota, o advogado Alberto Toron, que defende João de Deus, disse que “chega a ser medonho o que os membros do MP estão fazendo no caso”, pois não informam a defesa de nada e marcam interrogatório um dia antes, não dando o tempo necessário para que os advogados leiam todo o documento.

A primeira denúncia do órgão contra João de Deus ocorreu no último dia 28 de dezembro. O médium foi denunciado por violação sexual mediante fraude e estupro de vulnerável. Neste caso, o Poder Judiciário já acatou a denúncia e tornou o médium réu na última quarta-feira, 9.