Economia

IPCA no Distrito Federal fecha o último ano com variação de 3,06%

Grupo que mais contribuiu para a inflação do último ano foi o de Alimentação e Bebidas, seguido pelo de Transportes

IPCA no Distrito Federal fecha o último ano com variação de 3,06%

Foto: Rovena Rosa/ABr

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) do Distrito Federal fechou o último ano com variação de 3,06% — em dezembro, a variação registrada foi de 0,32%. O resultado fica abaixo da inflação oficial nacional de 2018, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de 3,75%. Em 2017, a inflação registrada no DF foi de 3,76%.

Assim como no registro para o Brasil, o grupo que mais contribuiu para a inflação do último ano foi o de Alimentação e Bebidas. Refeições fora de casa, tomate e pão francês foram os itens de maior impacto. O segundo grupo que mais influenciou o resultado da inflação do DF em 2018 foi o de Transporters, pressionado pelas passagens aéreas e o preço de automóveis novos.

Enquanto isso, a gasolina apresentou forte desaceleração nos últimos três meses, período em que o preço internacional do petróleo esteve em baixa. A queda na taxa de câmbio também contribuiu para a melhora no preço dos combustíveis no país. A deflação dos últimos três meses de 2018 foram suficientes para compensar a alta registrada ao longo do ano, segundo dados apresentados pela Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan).

Dezembro

No último mês do ano, a inflação registrada foi puxada pela variação no grupo de alimentação e bebida, que teve alta de 0,99%. Batata, cebola e feijão foram os principais responsáveis pela alta. O grupo de Transportes aparece em seguida com as maiores altas, impulsinada pelo aumento nas passagens aéreas.

Índice CEASA

O Índice Ceasa do Distrito Federal (ICDF) registrou alta de 7,04% em 2018 — o que representou uma queda de 0,59% em relação ao resultado de 2017. Em dezembro, o ICDF registrou alta de 6,66% em comparação ao mês anterior. As chuvas intensas em dezembro do ano passado pressionaram os preços de tomate, cenoura, batata e cebola.

Iana Caramori
Iana Caramori
| Atualizado