Estudo sísmico

Geólogos buscam na Lagoa Mundaú causas dos tremores de terra em Maceió

Serviço Geológico do Brasil mapeia relevo e busca falhas no fundo das lagoas

Geólogos buscam na Lagoa Mundaú causas dos tremores de terra em Maceió

Serviço Geológico do Brasil busca na Lagoa Mundaú possíveis causas de tremores em bairro de Maceió. Foto: Lucas Alcântara/Ascom Semds

Os pesquisadores do Serviço Geológico do Brasil (CPRM) começaram, nesta sexta-feira (11), o trabalho de batimetria sísmica do Complexo Lagunar, em busca de informações para identificar as causas do surgimento de fissuras no bairro Pinheiro, ampliadas após tremores de terra um temporal de verão, no início de 2018. A nova etapa do estudo começou pela Lagoa Mundaú.

Ronaldo Bezerra é da Divisão de Geologia Marinha do órgão vinculado ao Ministério de Minas e Energia e explicou sobre a ação que foi iniciada. “A gente vai fazer um mapeamento da morfologia do fundo da laguna. O objetivo é procurar elementos que possam indicar ou estar relacionados ao que está acontecendo no bairro Pinheiro. A laguna é uma estrutura associada geologicamente ao bairro e esse trabalho será somado aos outros estudos que estão sendo realizados para, no final, compor um panorama do que pode está acontecendo”, disse o pesquisador.

Bezerra informou ainda que a equipe deve permanecer no mapeamento da Lagoa Mundaú até o dia 24 de janeiro, quando deve começar também o processo na Lagoa Manguaba. Segundo o pesquisador, só através do Complexo Lagunar, a pesquisa pode ser aprofundada. “O estudo na laguna passa a ser um componente importante, porque a gente pode utilizar equipamentos geofísicos que deem menos impacto na área”, explicou.

“Além do levantamento batimétrico, vai ser aplicada uma sísmica rasa de baixa frequência que é uma investigação mais profunda. Enquanto a batimetria vai nos dar a forma do fundo da lagoa, a sísmica vai abaixo do fundo da lagoa e pode passar informação sobre o pacote de sedimento, a estrutura e possíveis falhas”, acrescentou o pesquisador.

Acompanhados da Defesa Civil de Maceió, os pesquisadores realizaram ajustes de equipamentos na quarta-feira (09) e, na quinta-feira (10), instalaram réguas no Porto de Maceió para auxiliar no estudo e também com o reconhecimento da embarcação que deve ser utilizada pelos profissionais durante esta etapa.

Clique no mapa abaixo e veja a situação de risco na região:

Mapa do Serviço Geológico do Brasil sobre área afetada por tremores em Maceió

Assistência a vítimas

A Prefeitura de Maceió iniciará, na próxima semana, o atendimento de moradores do bairro Pinheiro com assistentes sociais e psicólogos das secretarias municipais de Assistência Social (Semas) e de Saúde (SMS). Inicialmente o trabalho será voltado aos casos já identificados, no entanto, o atendimento poderá ser disponibilizado para os demais moradores que sentirem necessidade de acompanhamento.

Famílias que tiverem de deixar seus imóveis no bairro Pinheiro para que sejam incluídas na ajuda humanitária do Governo Federal. no caso dos imóveis que não tiveram recomendação de evacuação e não foram avaliados, engenheiros civis devem realizar visita para comprovar o dano e posteriormente efetuar o cadastro.

Qualquer solicitação à Defesa Civil de Maceió pode ser feita por meio dos telefones 0800 030 6205 e 3315 1437,  para informações e ocorrências. (Com informações da Ascom Semds)

Redação
Redação
| Atualizado