Mais Lidas

Lockdown

Proibição de viagens aos EUA ‘não faz sentido’, diz revista Foreign Policy

Principal publicação geopolítica do mundo critica manutenção da proibição de entrada nos EUA, inclusive para aliados, criada por Trump e piorada por Joe Biden

acessibilidade:
Presidente dos EUA, Joe Biden e a vice, Kamala Harris. Foto: Casa Branca

A revista Foreign Policy, uma das principais publicações de análise geopolítica do mundo, criticou a política de ‘lockdown’ de praticamente todas as entradas nos Estados Unidos, promovida pelo governo desde o início da pandemia. O artigo lembra que o atual presidente Joe Biden assinou  decreto restringindo ainda mais as viagens, proibindo a entrada de pessoas completamente imunizadas até de países aliados,  “causando um pouco mais de dano todos os dias”.

“Muito países de todo o mundo, preocupados com os custos humanos e econômicos de um fechamento de total de viagens internacionais na pandemia, estão ocupados experimentando formas de reabrir suas fronteiras”, diz a revista, “os EUA, em contraste gritante, está fechado ainda mais agora que nas primeiras restrições impostas pela gestão Trump, no início da pandemia”.

Com um engessamento na política pelo que chama de “lutas tribais” entre os partidos políticos norte-americanos, a FP lembra que que o fechamento total do país afasta os EUA “de seus aliados mais próximos”. Por exemplo, recentemente a União Europeia retirou os EUA da lista de países seguros, em razão do surto da variante Delta do vírus, mas países como Alemanha, França e Espanha ainda permitem a entrada de americanos imunizados ou recuperados de infecção por covid (com anticorpos). Nos EUA, não há essa reciprocidade com os cidadãos europeus.

Não é a primeira vez que a imprensa critica a política restritiva de viagens imposta pelo governo Biden. O Financial Times, há duas semanas, foi direto: Joe Biden e a Europa estão indo em caminhos diferentes. O jornal foi incisivo nas críticas em relação às proibições de viagens de cidadãos europeus e avisou que esse tipo de decisão pode ter efeito “bumerangue”.

Vídeos Relacionados