Disputa acirrada

Portugal vai às urnas para eleições antecipadas

Pleito tem disputa acirrada entre socialistas e centro-direita

acessibilidade:
Assembleia da República Portuguesa. Foto: Reprodução/Linkedin

Portugal vai às urnas neste domingo (30) para eleições legislativas antecipadas em função da crise aberta pela não aprovação do Orçamento de 2022 no fim de outubro.

Segundo as últimas pesquisas, o Partido Socialista (PS), do premiê António Costa, aparece na liderança, mas com apenas uma pequena margem sobre o Partido Social Democrata (PSD), de centro-direita.

No entanto, é improvável que uma das duas forças consiga maioria no Parlamento, e as sondagens também apontam um crescimento do partido de ultradireita Chega, que hoje conta com apenas um deputado na Assembleia da República.

Esse cenário projeta o surgimento de mais um governo de minoria, enquanto o país precisa de um Executivo estável para aproveitar os 16,6 bilhões de euros que receberá do fundo de recuperação da União Europeia até 2026.

As eleições tiveram de ser antecipadas após dois partidos de esquerda que davam apoio externo ao governo Costa terem se juntado à oposição conservadora para rejeitar a Lei Orçamentária de 2022, no fim de outubro.

O pleito deve ter um alto índice de abstenção, já que pouco mais de 1 milhão de eleitores – de um total de 10 milhões, incluindo os que vivem no exterior – estão em isolamento devido à pandemia de covid.

Durante o governo socialista, Portugal conseguiu reverter medidas de austeridade sem perder a disciplina fiscal e já reduziu o desemprego para os níveis pré-pandemia, mas o líder do PSD, Rui Rio, afirma que o ritmo de recuperação é lento.

Costa, por sua vez, diz que um eventual governo do PSD seria refém do Chega, que pode se tornar a
terceira maior força no Parlamento, repetindo um cenário já visto em outros países europeus onde a extrema
direita ganhou espaço. (Com informações da ANSA)

Reportar Erro