Mais Lidas

Obituário

Ex-rabino Henry Sobel morre em Miami aos 75 anos, vítima de câncer

Ele caiu em desgraça após ser preso em 2007 furtando gravatas em loja de Miami

acessibilidade:
Ex-rabino Henry Sobel, que faleceu na cidade de Miami, Estados Unidos, onde morava.

O ex-rabino Henry Sobel morreu nesta sexta-feira (22), em Miami, Estados Unidos, onde vivia aos 75 anos de idade, vítima de complicações causadas por um câncer.

Ele integrou a Congregação Israelita Paulista (CIP) e foi uma “voz firme em defesa dos direitos humanos no Brasil”, segundo nota divulgada pela família. O sepultamento será no domingo, 24, em Nova York.

O rabino teve forte atuação durante o regime militar e se destacou sobretudo no episódio do assassinato do jornalista Vladimir Herzog.

Preso, fotogrado na polícia de Miami

Foto da polícia de Miami.

Ele perdeu a condição de líder da comunidade judaica após se envolver em um escândalo de furto de gravatas pelo qual foi preso em 2007, em Palm Beach, nos EUA. A notícia de sua prisão foi divulgada em primeira mão pelo jornalista Cláudio Humberto, colunista do Diário do Poder.

Ele alegou durante anos que o furto foi provocado por “transtornos de ordem psiquiátrica”, mas em 2103 finalmente admitiu o furto devido a uma “falha moral”.

“Desde jovem, fui um intolerante comigo”, disse Sobel seis anos depois. E o autojulgamento sempre foi severo demais. Mas o rabino é humano, portanto, falível”.

O ex-rabino mantinha relações próximas com Lula.

Sobel nasceu em Lisboa, Portugal, em janeiro de 1944, mas falava como se fora um norte-americano que jamais conseguiu falar português, apesar do longo período em que viveu no Brasil. Há relatos de que, em conversas privadas, Sobel falava sem qualquer sotaque. Talvez explique essa dificuldade o fato de haver passado grande parte da vida, com a família, na cidade de Nova York, onde se formou rabino em 1970.

Figura de destaque na vida pública brasileira, o ex-rabino manteve relacionamento próximo com inúmeros ex-presidente da República, sobretudo Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que o prestigiava convidando para participar de eventos oficiais.